QUARTA-FEIRA, 24-05-2017, ANO 18, N.º 6325
Cabo Verde
Governo demarca-se de divulgação de lista de empréstimos do Novo Banco
23:23 - 20-03-2017
O Governo cabo-verdiano demarcou-se hoje da divulgação na comunicação social de uma lista de titulares e valores de empréstimos concedidos pelo Novo Banco de Cabo Verde, instituição à qual foi decretada uma medida de resolução.

A lista de 50 titulares de empréstimos do Novo Banco e dos valores dos créditos concedidos foi divulgada na semana passada pelo jornal A Nação, que remetia para documentos do Ministério das Finanças.

Em comunicado, o Ministério das Finanças veio hoje demarcar-se da divulgação da lista, considerando «lamentável que dados bancários, de natureza privada e confidencial, tenham sido divulgados, ignorando a lei e violando o direito à intimidade e privacidade».

Esclareceu ainda que o «Ministério das Finanças não pode produzir documentos ou qualquer tipo de informação sobre os créditos concedidos ou sobre os seus beneficiários» por não ser uma instituição de crédito.

Apelando para o apuramento de responsabilidades, o Ministério das Finanças reafirmou a «confiança no sistema financeiro cabo-verdiano», assegurando estar empenhado «em preservar e reforçar a sua credibilidade».

O jornal assinalava que o Novo Banco, que tinha sido criado para financiar a economia social, tinha concedido crédito a médias e grandes empresas e a pessoas individuais sem qualquer atividade nesta área, apresentando como prova a lista dos supostos «50 devedores» da instituição financeira.

Já hoje, o governador do Banco de Cabo Verde, João Serra, esclareceu que a autorização dada na altura pelo Ministério das Finanças - responsabilidade que passou entretanto para a competência do BCV - era para o Novo Banco funcionar como «um banco qualquer».

«O objeto social do novo banco não determinava que os créditos seriam necessariamente concedidos a micro, pequenos ou médios operadores», disse João Serra, adiantando que essa questão não foi determinante na decisão de resolver o banco.

A divulgação da lista suscitou um coro de críticas por configurar a violação do sigilo bancário e pôr em causa a confiança no sistema financeiro.

O banco central cabo-verdiano (BCV) anunciou há duas semanas a resolução e venda à Caixa Económica de Cabo Verde de parte da atividade do Novo Banco, uma instituição de capitais quase exclusivamente públicos, com cerca de 13.200 depositantes ativos e vocacionado para a economia social e o microcrédito.

A resolução do Novo Banco é um primeiro passo para a sua extinção administrativa que representará um prejuízo estimado em cerca de 16,3 milhões de euros para os cofres do Estado e deixará cerca de 60 trabalhadores no desemprego.

A resolução do Novo Banco está a marcar a atualidade cabo-verdiana com o Ministério Público a pedir para «apreciação» todos os documentos e informações relacionados com a resolução, o Parlamento cabo-verdiano a querer ouvir todos os responsáveis pelo banco e o Presidente da República e Governo a pedirem responsabilização neste processo.
Lusa

Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter

mais do dia

Economia O ministro das Finanças, Mário Centeno, afirmou esta quarta-feira que o crescimento homólogo no segundo trimestre deste ano deve ser superior a 3%. «A mensagem do Governo é que o crescimento económico é forte e sustentável, e está a acelerar», afirmou Centeno numa entrevista à Reuters. «O facto é que estamos a convergir com a União Europeia. Finamente estamos a convergir». Neste sentido, para o ano de 2017, o ministro das Finanças garante que «não há dúvidas» de que o crescimento será
Cinema Tom Cruise que saltou para a ribalta após participar no filme `Top Gun´, em 1986, confirmou que vai existir uma sequela e que as filmagens deverão começar «provavelmente no próximo ano». Durante uma ação de promoção do seu mais recente filme `Múmia´ na Austrália, o ator confirmou os rumores em torno do assunto. «É verdade, é verdade», disse. «Vou começar a filmagens provavelmente no próximo ano. Vai acontecer... vocês são os primeiros a quem eu disse isto», acrescentou durante uma entrevis
Reino Unido A polícia anunciou a detenção de um homem na cidade de Wigan, a cerca de 50 quilómetros de Manchester, por suspeitas de ligação ao ataque que ocorreu na segunda-feira. As autoridades adiantam, ainda, que o detido continha uma mala suspeita na altura da detenção.

destaques