QUINTA-FEIRA, 30-03-2017, ANO 18, N.º 6270
Cabo Verde
Governo demarca-se de divulgação de lista de empréstimos do Novo Banco
23:23 - 20-03-2017
O Governo cabo-verdiano demarcou-se hoje da divulgação na comunicação social de uma lista de titulares e valores de empréstimos concedidos pelo Novo Banco de Cabo Verde, instituição à qual foi decretada uma medida de resolução.

A lista de 50 titulares de empréstimos do Novo Banco e dos valores dos créditos concedidos foi divulgada na semana passada pelo jornal A Nação, que remetia para documentos do Ministério das Finanças.

Em comunicado, o Ministério das Finanças veio hoje demarcar-se da divulgação da lista, considerando «lamentável que dados bancários, de natureza privada e confidencial, tenham sido divulgados, ignorando a lei e violando o direito à intimidade e privacidade».

Esclareceu ainda que o «Ministério das Finanças não pode produzir documentos ou qualquer tipo de informação sobre os créditos concedidos ou sobre os seus beneficiários» por não ser uma instituição de crédito.

Apelando para o apuramento de responsabilidades, o Ministério das Finanças reafirmou a «confiança no sistema financeiro cabo-verdiano», assegurando estar empenhado «em preservar e reforçar a sua credibilidade».

O jornal assinalava que o Novo Banco, que tinha sido criado para financiar a economia social, tinha concedido crédito a médias e grandes empresas e a pessoas individuais sem qualquer atividade nesta área, apresentando como prova a lista dos supostos «50 devedores» da instituição financeira.

Já hoje, o governador do Banco de Cabo Verde, João Serra, esclareceu que a autorização dada na altura pelo Ministério das Finanças - responsabilidade que passou entretanto para a competência do BCV - era para o Novo Banco funcionar como «um banco qualquer».

«O objeto social do novo banco não determinava que os créditos seriam necessariamente concedidos a micro, pequenos ou médios operadores», disse João Serra, adiantando que essa questão não foi determinante na decisão de resolver o banco.

A divulgação da lista suscitou um coro de críticas por configurar a violação do sigilo bancário e pôr em causa a confiança no sistema financeiro.

O banco central cabo-verdiano (BCV) anunciou há duas semanas a resolução e venda à Caixa Económica de Cabo Verde de parte da atividade do Novo Banco, uma instituição de capitais quase exclusivamente públicos, com cerca de 13.200 depositantes ativos e vocacionado para a economia social e o microcrédito.

A resolução do Novo Banco é um primeiro passo para a sua extinção administrativa que representará um prejuízo estimado em cerca de 16,3 milhões de euros para os cofres do Estado e deixará cerca de 60 trabalhadores no desemprego.

A resolução do Novo Banco está a marcar a atualidade cabo-verdiana com o Ministério Público a pedir para «apreciação» todos os documentos e informações relacionados com a resolução, o Parlamento cabo-verdiano a querer ouvir todos os responsáveis pelo banco e o Presidente da República e Governo a pedirem responsabilização neste processo.
Lusa

Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter

mais do dia

Justiça O Ministério Público acusou, esta quinta-feira, Pedro Dias da prática de «dois homicídios qualificados sob a forma consumada, dois homicídios qualificados sob a forma tentada e três crimes de sequestro». O arguido, suspeito da prática dos crimes de Aguiar da Beira, distrito da Guarda, foi ainda acusado dos crimes «de roubo de automóveis, de armas da GNR e de quantias em dinheiro, bem como de detenção, uso e porte de armas proibidas», lê-se num comunicado publicado no site da Procuradoria-Gera
União Europeia Depois de Donald Trump, presidente dos EUA, incentivar outros países europeus a seguirem o exemplo do Reino Unido (que vai sair da União Europeia), o presidente da Comissão Europeia respondeu com ironia. «O recém-eleito presidente está feliz com o ‘Brexit’ e encorajou outros países a fazer o mesmo. Se continuar assim, eu vou promover a independência dos estados de Ohio e do Texas», disse Jean-Claude Juncker, num discurso no Congresso do Europeu Popular Europeu, que está a decorrer em Malta.
Economia O processo de recapitalização da Caixa Geral de Depósitos (CGD) está fechado e o passo seguinte será a reestruturação do banco público atendendo aos esforços que Bruxelas aplicou para que este reforço não fosse considerado ajuda de Estado. Num comunicado das Finanças pode ler-se que «se concluiu esta quinta-feira a segunda fase de recapitalização do banco público», através da entrada de dinheiro parte do Estado, no montante de 2,5 mil milhões de euros. Um dossier que decorre de um acordo q

destaques