SÁBADO, 29-04-2017, ANO 18, N.º 6300
Cabo Verde
Governo demarca-se de divulgação de lista de empréstimos do Novo Banco
23:23 - 20-03-2017
O Governo cabo-verdiano demarcou-se hoje da divulgação na comunicação social de uma lista de titulares e valores de empréstimos concedidos pelo Novo Banco de Cabo Verde, instituição à qual foi decretada uma medida de resolução.

A lista de 50 titulares de empréstimos do Novo Banco e dos valores dos créditos concedidos foi divulgada na semana passada pelo jornal A Nação, que remetia para documentos do Ministério das Finanças.

Em comunicado, o Ministério das Finanças veio hoje demarcar-se da divulgação da lista, considerando «lamentável que dados bancários, de natureza privada e confidencial, tenham sido divulgados, ignorando a lei e violando o direito à intimidade e privacidade».

Esclareceu ainda que o «Ministério das Finanças não pode produzir documentos ou qualquer tipo de informação sobre os créditos concedidos ou sobre os seus beneficiários» por não ser uma instituição de crédito.

Apelando para o apuramento de responsabilidades, o Ministério das Finanças reafirmou a «confiança no sistema financeiro cabo-verdiano», assegurando estar empenhado «em preservar e reforçar a sua credibilidade».

O jornal assinalava que o Novo Banco, que tinha sido criado para financiar a economia social, tinha concedido crédito a médias e grandes empresas e a pessoas individuais sem qualquer atividade nesta área, apresentando como prova a lista dos supostos «50 devedores» da instituição financeira.

Já hoje, o governador do Banco de Cabo Verde, João Serra, esclareceu que a autorização dada na altura pelo Ministério das Finanças - responsabilidade que passou entretanto para a competência do BCV - era para o Novo Banco funcionar como «um banco qualquer».

«O objeto social do novo banco não determinava que os créditos seriam necessariamente concedidos a micro, pequenos ou médios operadores», disse João Serra, adiantando que essa questão não foi determinante na decisão de resolver o banco.

A divulgação da lista suscitou um coro de críticas por configurar a violação do sigilo bancário e pôr em causa a confiança no sistema financeiro.

O banco central cabo-verdiano (BCV) anunciou há duas semanas a resolução e venda à Caixa Económica de Cabo Verde de parte da atividade do Novo Banco, uma instituição de capitais quase exclusivamente públicos, com cerca de 13.200 depositantes ativos e vocacionado para a economia social e o microcrédito.

A resolução do Novo Banco é um primeiro passo para a sua extinção administrativa que representará um prejuízo estimado em cerca de 16,3 milhões de euros para os cofres do Estado e deixará cerca de 60 trabalhadores no desemprego.

A resolução do Novo Banco está a marcar a atualidade cabo-verdiana com o Ministério Público a pedir para «apreciação» todos os documentos e informações relacionados com a resolução, o Parlamento cabo-verdiano a querer ouvir todos os responsáveis pelo banco e o Presidente da República e Governo a pedirem responsabilização neste processo.
Lusa

Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter

mais do dia

Estados Unidos A vida dos veteranos das Forças Armadas norte-americanas nem sempre é fácil depois de terminar a carreira militar. Agora com a parceria entre a Sandboxx, uma rede social direcionada para antigos militares, e a Betts Recruiting vai permitir que se crie uma plataforma para a procura de emprego, mais concretamente na área das tecnologias. Esta parceria fará com que empregadores na área das tecnologias possam entrar em contacto facilmente com antigos veteranos, os quais, por sua vez, terão aqu
País O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, manifestou a sua vontade em que haja mulheres a presidir às associações nacionais de freguesias (Anafre) e de municípios (ANMP), e também noutras funções políticas de liderança. «É preciso fazer muito mais em termos de participação política das mulheres», defendeu Marcelo Rebelo de Sousa. «A luta continua, para utilizar uma frase que ficou associada a um período histórico da afirmação da nossa democracia», afirmou o Chefe de Estado no enc
União Europeia O Executivo de António Costa entregou à Comissão Europeia o Programa Nacional de Reformas e o Programa de Estabilidade 2017-2021, dentro do prazo previsto, 30 de abril. Os documentos ainda não estão publicados no `site´ da Comissão Europeia, mas terão sido entregues na sexta-feira na sede do executivo comunitário, de acordo com fontes governamentais. A Comissão Europeia procederá à avaliação dos documentos durante o mês de maio, após o que emitirá as recomendações específicas por país, a s

destaques