QUINTA-FEIRA, 30-03-2017, ANO 18, N.º 6270
Reino Unido
Milhares acusam Gerry e Kate McCann de negligência
22:38 - 20-03-2017
Mais de 90 mil de pessoas subscreveram uma petição britânica em que acusam os pais de Maddie McCann de negligência, por terem deixado os filhos sozinhos na noite do desaparecimento da menina.

O documento pretende que Kate e Gerry McCann sejam acusados formalmente de negligência, questionando também a passividade das autoridades portuguesas ao não terem feito qualquer oficial ao casal.

Lê-se na petição que «Kate e Gerry deixaram três crianças sem supervisão no hotel e foram sair» e que «não é natural» deixar as três crianças sozinhas.

A petição já conta com 91.511 assinaturas e será enviada à primeira-ministra britânica, Theresa May.

No próximo dia 3 de maio completam-se dez anos do desaparecimento Maddie McCann de um empreendimento turístico na Praia da Luz, no Algarve.
Redação

Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter

mais do dia

Justiça O Ministério Público acusou, esta quinta-feira, Pedro Dias da prática de «dois homicídios qualificados sob a forma consumada, dois homicídios qualificados sob a forma tentada e três crimes de sequestro». O arguido, suspeito da prática dos crimes de Aguiar da Beira, distrito da Guarda, foi ainda acusado dos crimes «de roubo de automóveis, de armas da GNR e de quantias em dinheiro, bem como de detenção, uso e porte de armas proibidas», lê-se num comunicado publicado no site da Procuradoria-Gera
União Europeia Depois de Donald Trump, presidente dos EUA, incentivar outros países europeus a seguirem o exemplo do Reino Unido (que vai sair da União Europeia), o presidente da Comissão Europeia respondeu com ironia. «O recém-eleito presidente está feliz com o ‘Brexit’ e encorajou outros países a fazer o mesmo. Se continuar assim, eu vou promover a independência dos estados de Ohio e do Texas», disse Jean-Claude Juncker, num discurso no Congresso do Europeu Popular Europeu, que está a decorrer em Malta.
Economia O processo de recapitalização da Caixa Geral de Depósitos (CGD) está fechado e o passo seguinte será a reestruturação do banco público atendendo aos esforços que Bruxelas aplicou para que este reforço não fosse considerado ajuda de Estado. Num comunicado das Finanças pode ler-se que «se concluiu esta quinta-feira a segunda fase de recapitalização do banco público», através da entrada de dinheiro parte do Estado, no montante de 2,5 mil milhões de euros. Um dossier que decorre de um acordo q

destaques