QUINTA-FEIRA, 25-05-2017, ANO 18, N.º 6326
Estados Unidos
Trump não vai retirar acusações contra Obama
19:53 - 20-03-2017
O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, não pretende retirar a acusação sobre uma alegada operação de espionagem às suas comunicações ordenada pelo antecessor na Casa Branca, Barack Obama, nem desculpar-se.

A intenção de Trump foi transmitida pelo porta-voz oficial da Casa Branca, Sean Spicer, em conferência de imprensa.

As declarações de Spicer surgem depois do diretor do Gabinete Federal de Investigação (FBI), James Comey, ter assegurado esta segunda-feira numa audiência no Congresso não possuir informações que apoiem as acusações de Trump contra Obama.

Trump emitiu a sua acusação contra Obama no dia 4 de março através da sua conta do Twitter, mas ainda não foram apresentadas quaisquer provas para sustentar a alegação.

«Não tenho informações que apoiem esses `tweets´», disse Comey na primeira audiência pública no Congresso sobre a suposta ingerência russa nas eleições presidenciais norte-americanas de novembro passado, numa alusão às mensagens de Trump no Twitter acusando Obama de ter ordenado que as suas comunicações fossem vigiadas.
Redação

Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter

mais do dia

País O Ministério Público (MP) arquivou o inquérito à morte de um homem no Hospital de São José, em Lisboa, em 2015, enquanto aguardava por uma cirurgia a um aneurisma cerebral, divulgou, esta quinta-feira, a Procuradoria-Geral Distrital (PGD) de Lisboa. «O MP determinou o arquivamento da participação pelos crimes de recusa de médico, intervenções e tratamentos médico-cirúrgicos e homicídio por negligência contra os profissionais de saúde e decisores políticos», pode ler-se no site oficial da PGD
Estados Unidos O presidente norte-americano, Donald Trump, apontou o dedo a «23 dos 28» países membros da NATO que não cumprem as suas «obrigações financeiras» e advertiu que 2% do PIB «é o mínimo exigível para reforçar a defesa coletiva». Na sua estreia em reuniões da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO), e naquela que foi a única intervenção pública durante a deslocação a Bruxelas (Bélgica), Trump, que discursava por ocasião da inauguração de um monumento evocativo dos ataques de 11 de setemb
São Tomé e Príncipe O Governo são-tomense vai submeter ao Parlamento, nos próximos dias, para discussão e aprovação, um orçamento retificativo para 2017, cujo valor não foi anunciado. O orçamento retificativo foi discutido e aprovado na última sessão do Conselho de Ministros, na quarta-feira. Em comunicado, o executivo de Patrice Trovoada justifica que o Orçamento de Estado para 2017 em execução reflete «uma situação de défice e de dependência externa da economia e uma grande vulnerabilidade face aos choques

destaques