QUINTA-FEIRA, 30-03-2017, ANO 18, N.º 6270
Estados Unidos
Trump não vai retirar acusações contra Obama
19:53 - 20-03-2017
O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, não pretende retirar a acusação sobre uma alegada operação de espionagem às suas comunicações ordenada pelo antecessor na Casa Branca, Barack Obama, nem desculpar-se.

A intenção de Trump foi transmitida pelo porta-voz oficial da Casa Branca, Sean Spicer, em conferência de imprensa.

As declarações de Spicer surgem depois do diretor do Gabinete Federal de Investigação (FBI), James Comey, ter assegurado esta segunda-feira numa audiência no Congresso não possuir informações que apoiem as acusações de Trump contra Obama.

Trump emitiu a sua acusação contra Obama no dia 4 de março através da sua conta do Twitter, mas ainda não foram apresentadas quaisquer provas para sustentar a alegação.

«Não tenho informações que apoiem esses `tweets´», disse Comey na primeira audiência pública no Congresso sobre a suposta ingerência russa nas eleições presidenciais norte-americanas de novembro passado, numa alusão às mensagens de Trump no Twitter acusando Obama de ter ordenado que as suas comunicações fossem vigiadas.
Redação

Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter

mais do dia

Justiça O Ministério Público acusou, esta quinta-feira, Pedro Dias da prática de «dois homicídios qualificados sob a forma consumada, dois homicídios qualificados sob a forma tentada e três crimes de sequestro». O arguido, suspeito da prática dos crimes de Aguiar da Beira, distrito da Guarda, foi ainda acusado dos crimes «de roubo de automóveis, de armas da GNR e de quantias em dinheiro, bem como de detenção, uso e porte de armas proibidas», lê-se num comunicado publicado no site da Procuradoria-Gera
União Europeia Depois de Donald Trump, presidente dos EUA, incentivar outros países europeus a seguirem o exemplo do Reino Unido (que vai sair da União Europeia), o presidente da Comissão Europeia respondeu com ironia. «O recém-eleito presidente está feliz com o ‘Brexit’ e encorajou outros países a fazer o mesmo. Se continuar assim, eu vou promover a independência dos estados de Ohio e do Texas», disse Jean-Claude Juncker, num discurso no Congresso do Europeu Popular Europeu, que está a decorrer em Malta.
Economia O processo de recapitalização da Caixa Geral de Depósitos (CGD) está fechado e o passo seguinte será a reestruturação do banco público atendendo aos esforços que Bruxelas aplicou para que este reforço não fosse considerado ajuda de Estado. Num comunicado das Finanças pode ler-se que «se concluiu esta quinta-feira a segunda fase de recapitalização do banco público», através da entrada de dinheiro parte do Estado, no montante de 2,5 mil milhões de euros. Um dossier que decorre de um acordo q

destaques