QUINTA-FEIRA, 25-05-2017, ANO 18, N.º 6326
Alemanha
Berlim considera que presidente turco foi ofensivo quando acusou Merkel de medidas nazis
23:56 - 19-03-2017
O governo de Berlim considerou, este domingo, que o presidente turco Recep Erdogan foi demasiado longe ao acusar a chanceler Angela Merkel de recorrer a «medidas nazis».

As relações entre Turquia e Alemanha em particular, e União Europeia (UE) no seu todo, atravessam uma grave crise quando se aproxima o referendo de 16 de abril, para reforçar os poderes de Erdogan, que acusou a chanceler alemã (Angela Merkel) de usar «medidas nazis», depois de impedir que ministros turcos fizessem campanha no país para o referendo sobre o reforço dos poderes de Erdogan.

O ministro alemão dos Negócios Estrangeiros, Sigmar Gabriel, citado pela agência AFP, considerou as declarações de Erdogan «chocantes».

«Somos tolerantes, mas não somos estúpidos. Por isso, fiz saber ao meu homólogo turco que foi ultrapassado um determinado limite», disse, em declarações ao jornal `Passauer Neue Presse`.

Segundo Erdogan, a crise nas relações com a EU nos últimos dias mostra «que se abriu uma nova página na luta que os países europeus estão a fazer contra a Turquia».
Redação

NOTÍCIAS RELACIONADAS
Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter

mais do dia

País A pesca de carapau com tamanho inferior ao mínimo de referência (os denominados jaquinzinhos) para os pescadores de arte-xávega foi autorizada pelo Governo, com a publicação em Diário da República de uma portaria do Ministério do Mar. O executivo de António Costa reconhece «o valor cultural e a considerável importância» para os pescadores da costa ocidental portuguesa e cria também uma comissão de acompanhamento e o controlo científico da espécie, que está «em bom estado». «É a primeira
País O Ministério Público (MP) arquivou o inquérito à morte de um homem no Hospital de São José, em Lisboa, em 2015, enquanto aguardava por uma cirurgia a um aneurisma cerebral, divulgou, esta quinta-feira, a Procuradoria-Geral Distrital (PGD) de Lisboa. «O MP determinou o arquivamento da participação pelos crimes de recusa de médico, intervenções e tratamentos médico-cirúrgicos e homicídio por negligência contra os profissionais de saúde e decisores políticos», pode ler-se no site oficial da PGD
Estados Unidos O presidente norte-americano, Donald Trump, apontou o dedo a «23 dos 28» países membros da NATO que não cumprem as suas «obrigações financeiras» e advertiu que 2% do PIB «é o mínimo exigível para reforçar a defesa coletiva». Na sua estreia em reuniões da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO), e naquela que foi a única intervenção pública durante a deslocação a Bruxelas (Bélgica), Trump, que discursava por ocasião da inauguração de um monumento evocativo dos ataques de 11 de setemb

destaques