QUINTA-FEIRA, 30-03-2017, ANO 18, N.º 6270
Coreia do Norte
«Se uma bala for disparada responderemos com ataque nuclear aos EUA e Coreia do Sul» - Kim Jong Un
19:11 - 19-03-2017
A Coreia do Norte ameaçou, este domingo, os EUA que está pronta a entrar num confronto nuclear, caso os EUA mostrem qualquer sinal de agressão.

O ministério de negócios estrangeiros fez chegar à imprensa as palavras do governo de Pyongyang.

«O exército norte-coreano irá destruir todos os agressores com misseis nucleares, de forma a defender a felicidade e segurança do seu povo, caso os EUA ou a Coreia do Sul disparem uma única bala.»

As ameaças vêm em resposta aos exercícios militares realizados pelos EUA e a Coreia do Sul, em Seoul, algo que a Coreia do Norte vê como uma ameaça.
Redação

Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter

mais do dia

Justiça O Ministério Público acusou, esta quinta-feira, Pedro Dias da prática de «dois homicídios qualificados sob a forma consumada, dois homicídios qualificados sob a forma tentada e três crimes de sequestro». O arguido, suspeito da prática dos crimes de Aguiar da Beira, distrito da Guarda, foi ainda acusado dos crimes «de roubo de automóveis, de armas da GNR e de quantias em dinheiro, bem como de detenção, uso e porte de armas proibidas», lê-se num comunicado publicado no site da Procuradoria-Gera
União Europeia Depois de Donald Trump, presidente dos EUA, incentivar outros países europeus a seguirem o exemplo do Reino Unido (que vai sair da União Europeia), o presidente da Comissão Europeia respondeu com ironia. «O recém-eleito presidente está feliz com o ‘Brexit’ e encorajou outros países a fazer o mesmo. Se continuar assim, eu vou promover a independência dos estados de Ohio e do Texas», disse Jean-Claude Juncker, num discurso no Congresso do Europeu Popular Europeu, que está a decorrer em Malta.
Economia O processo de recapitalização da Caixa Geral de Depósitos (CGD) está fechado e o passo seguinte será a reestruturação do banco público atendendo aos esforços que Bruxelas aplicou para que este reforço não fosse considerado ajuda de Estado. Num comunicado das Finanças pode ler-se que «se concluiu esta quinta-feira a segunda fase de recapitalização do banco público», através da entrada de dinheiro parte do Estado, no montante de 2,5 mil milhões de euros. Um dossier que decorre de um acordo q

destaques