SEGUNDA-FEIRA, 27-02-2017, ANO 18, N.º 6239
Estados Unidos
Memorando de Trump propôs 100 mil oficiais da Guarda Nacional à caça de imigrantes
17:22 - 17-02-2017
Um memorando da administração de Donald Trump, citado pela agência Associated Press, sugere adotar um plano para destacar cerca de 100 mil oficiais da Guarda Nacional (GN) para deterem imigrantes indocumentados, incluindo milhões que vivem perto da fronteira com o México.

Mas, logo a seguir, um porta-voz da Casa Branca desmentiu a notícia, dizendo que «não era necessário destacar a Guarda Nacional».

«Isso é 100% mentira», afirmou Sean Spicer, acrescentando que não se trata «de um documento da Casa Branca».

Todavia, a agência AP diz que este documento, datado de 25 de janeiro, está assinado pelo Secretário de Segurança Interna, John Kelly, antigo oficial da marinha.

«O memorando de 11 páginas apela a uma militarização sem precedentes das detenções de imigrantes, acrescenta a agência».

Estão incluídos os quatro estados que fazem fronteira com o México: Califórnia, Arizona, Novo México e Texas) mas também os estados contíguos de Oregon, Nevada, Utah, Colorado, Oklahoma, Arkansas e Louisiana.

Segundo a proposta que consta do memorando citado pela AP, os governadores dos respetivos estados podem optar por destacarem o seu próprio policiamento.

A agência lembra que o corpo da Guarda Nacional já foi usado para policiar a fronteira entre México e EUA.

Esta nova polémica chega numa altura em que as medidas de Trump anti-imigração estão a ser questionadas.

Esta quinta-feira, foi organizado um protesto em todo o país sob o tema de ‘Um Dia Sem Imigrantes’, em que milhares faltaram aos empregos.
Redação

Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter

mais do dia

Angola O antigo ministro dos Negócios Estrangeiros de Portugal António Martins da Cruz pede «bom senso» e «recato» na forma como a Justiça portuguesa está a conduzir o processo em que é arguido o vice-Presidente angolano, Manuel Vicente. A posição foi transmitida numa declaração emitida pela Televisão Pública de Angola (TPA), na sequência do comunicado emitido sexta-feira pelo Ministério das Relações Exteriores e classificando como «inamistosa e despropositada» a forma como as autoridades portugues
Angola Frequentar o ensino superior em Angola vai custar este ano, pelo menos, 260.000 kwanzas (1.400 euros) a cada estudante, só em propinas, apesar das dificuldades financeiras generalizadas no país. Numa ronda feita pela Lusa pelas universidades da capital angolana, a poucos dias da abertura oficial do ano letivo de 2017 no ensino superior em Angola (março a dezembro), foi possível encontrar preços de propinas mensais (10 meses) que variam entre os 26.000 e os 36.000 kwanzas (148 a 205 euros).
Cabo Verde O ministro da Agricultura e Ambiente de Cabo Verde pediu hoje uma maior presença da Greenpeace no país no sentido de ajudar a reforçar a monitorização das águas e a exploração dos recursos de pesca do arquipélago. «Cabo Verde tem uma Zona Económica Exclusiva (ZEE) que é cerca de 180 vezes mais extensa do que a parte terrestre, o que significa que precisamos de ter uma atitude responsável e monitorizar as nossas águas. A atuação da Greenpeace e de outras organizações, em parceria com entidade

destaques