SEGUNDA-FEIRA, 27-02-2017, ANO 18, N.º 6239
(Foto Sérgio Miguel Santos)
Lisboa
Pavilhão Carlos Lopes remodelado reabre este sábado
19:34 - 16-02-2017
O requalificado Pavilhão Carlos Lopes, localizado no Parque Eduardo VII, em Lisboa, reabre este sábado, 14 anos após ter encerrado por falta de condições de segurança.

As obras de remodelação, no valor de oito milhões de euros, arrancaram há cerca de um ano e estão, finalmente, concluídas.

O pavilhão foi inaugurado em 1920 e encerrou em 2003.

Chegaram a ser projetadas alternativas para o espaço municipal (temporariamente cedido à Associação de Ténis de Lisboa), como a criação de um museu do desporto ou um centro de congressos, mas nenhuma avançou, pelo que a Câmara encarregou o Turismo de Lisboa de o reabilitar. Com sucesso.

Este espaço, com capacidade para receber 2000 pessoas, já reúne condições para acolher congressos.

As restantes salas, com dimensões que rondam os 200 metros quadrados, também poderão ser usadas para lançamento de livros.

A reinauguração acontece no dia em que se assinala o 70.º aniversário do ex-atleta e campeão olímpico da Maratona Carlos Lopes (em 1984), que venceu provas como o Campeonato do Mundo de Corta-mato (1976 e 1984), a Corrida de São Silvestre de São Paulo, Brasil (1982 e 1984) e a maratona de Roterdão (Holanda/1985).

Já a exposição permanente foi coordenada pelo campeão olímpico e conta com 300 peças por ele cedidas, como troféus, medalhas e roupa desportiva.
Redação

comentários

0
Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter
Faça um comentário (máx: 300)

mais do dia

Angola O antigo ministro dos Negócios Estrangeiros de Portugal António Martins da Cruz pede «bom senso» e «recato» na forma como a Justiça portuguesa está a conduzir o processo em que é arguido o vice-Presidente angolano, Manuel Vicente. A posição foi transmitida numa declaração emitida pela Televisão Pública de Angola (TPA), na sequência do comunicado emitido sexta-feira pelo Ministério das Relações Exteriores e classificando como «inamistosa e despropositada» a forma como as autoridades portugues
Angola Frequentar o ensino superior em Angola vai custar este ano, pelo menos, 260.000 kwanzas (1.400 euros) a cada estudante, só em propinas, apesar das dificuldades financeiras generalizadas no país. Numa ronda feita pela Lusa pelas universidades da capital angolana, a poucos dias da abertura oficial do ano letivo de 2017 no ensino superior em Angola (março a dezembro), foi possível encontrar preços de propinas mensais (10 meses) que variam entre os 26.000 e os 36.000 kwanzas (148 a 205 euros).
Cabo Verde O ministro da Agricultura e Ambiente de Cabo Verde pediu hoje uma maior presença da Greenpeace no país no sentido de ajudar a reforçar a monitorização das águas e a exploração dos recursos de pesca do arquipélago. «Cabo Verde tem uma Zona Económica Exclusiva (ZEE) que é cerca de 180 vezes mais extensa do que a parte terrestre, o que significa que precisamos de ter uma atitude responsável e monitorizar as nossas águas. A atuação da Greenpeace e de outras organizações, em parceria com entidade

destaques