QUINTA-FEIRA, 23-02-2017, ANO 18, N.º 6235
Idosos que se mudem para casa dos filhos perdem isenção de IMI
País
Idosos que se mudem para casa dos filhos perdem isenção de IMI
10:33 - 12-01-2017
Os proprietários de imóveis de baixo valor e com poucos rendimentos que deixem a sua casa para ir morar para num lar ou para casa dos filhos deixam de beneficiar da isenção de IMI.

Isto porque o código do Imposto Municipal sobre Imóveis, IMI, faz depender a atribuição da isenção deste imposto do domicílio fiscal e a lei que regula o cartão do cidadão faz com que a morada que consta naquele documento sirva para todas as relações das pessoas com o Estado.

Atualmente estão isentos de IMI os imóveis destinados à habitação própria e permanente das famílias cujos rendimentos brutos anuais não superem 15.295 euros e que sejam proprietários de prédios cujo valor patrimonial tributário (VPT) global seja no máximo de 66.500 euros.
Redação

Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter

mais do dia

Espanha As autoridades espanholas divulgaram esta quinta-feira a existência de um surto de gripe das aves no país. O surto desta doença altamente contagiosa afetou uma exploração de patos na Catalunha e levará ao abate de cerca de 17 mil aves. Para além da exploração onde foi confirmada a doença, há outras nove que estão a ser investigadas por precaução. O vírus H5N8, conhecido como gripe das aves, tem atingido várias zonas da Europa e do Médio Oriente ao longo de 2016, levando ao abate de c
Guiné-Bissau O presidente da República da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, convocou para 2 de março uma reunião do Conselho de Estado para analisar a crise política no país. A reunião do Conselho de Estado (órgão de consulta do Presidente da República, mas cujo parecer não é vinculativo) está agendada para as 16.00 horas (mesmo hora em Lisboa) e nela tomarão parte os titulares dos órgãos de soberania, líderes de partidos com assento parlamentar e representantes das bancadas no Parlamento. Têm ainda assent
Coimbra O Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Coimbra está a investigar um alegado desvio de fundos de cerca de dois milhões de euros, entre 2006 e 2014, do Instituto de Medicinal Legal e Ciências Forenses (INMLCF) para associações de direito privado à qual alegadamente estariam associados dirigentes do Instituto. Segundo o site Observador, o ponto de partida da investigação é um relatório ordenado pelo anterior Conselho Diretivo do INMLCF, liderado pelo desembargador Francisco Brízid

destaques