DOMINGO, 19-02-2017, ANO 18, N.º 6231
Ivanka e o irmão Donald junto ao pai (AP)
Estados Unidos
Filha de Donald Trump abandona cargos nas empresas para estar em Washington
09:13 - 12-01-2017
Ivanka Trump, a filha mais velha do presidente eleito, vai tirara partida da tomada de posse do pai uma licença dos cargos executivos na Trump Organization, empresa que gere com o pai, e na sua própria marca de joias, para seguir com o marido Jared Kushner para Washington, uma vez que este foi nomeado conselheiro da Casa Branca.

Esta separação de cargos sugere um esforço para que a lei de ética seja cumprida. Os irmãos, Donald e Eric vão tomar conta da empresa, segundo também foi ontem anunciado pelo próprio Trump em conferência de imprensa.

Em comunicado publicado na sua página de Facebook, Trump sublinha que, para já, vai dedicar-se à educação dos três filhos.
Redação

Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter

mais do dia

Angola A União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA) afirmou este domingo, em comunicado, que a anunciada saída do Presidente da República, das listas do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) às eleições gerais, «não altera nada», porque José Eduardo dos Santos continuará a «dirigir o país, agora no banco traseiro, tendo, aliás, alugado um novo motorista». A posição surge expressa no comunicado divulgado hoje pelo comité permanente da Comissão Política do maior partido da
Estados Unidos Após a demissão (forçada) do conselheiro Mike Flynn, Donald Trump enfrenta mais problemas na equipa de Segurança Nacional, isto porque o assessor sénior Craig Deare foi afastado após criticar o presidente. Este afastamento é só mais um dos muitos problemas que o presidente Trump tem tido para constituir uma equipa na área da Segurança. Uma fonte da administração, citada pelo WSJ, justifica o afastamento de Craig Deare — que era diretor da Conselho de Segurança Nacional para o hemisfério oc
Equador Os centros eleitorais do Equador abriram este domingo as portas para eleger o sucessor do atual presidente, Rafael Correa, e dos 137 deputados da Assembleia Nacional e ainda cinco representantes no Parlamento Andino. Um total de 12,8 milhões de eleitores são chamados a optar entre o modelo de Socialismo do século XXI, há 10 anos no poder, e uma oposição dividida, mas convencida da possibilidade de governar caso haja segunda volta. Em simultâneo, decorrerá também um referendo promovido pelo

destaques