DOMINGO, 22-01-2017, ANO 17, N.º 6203
Revista de Imprensa
«Europa não quer regresso de jihadista e apoia julgamentos na Síria e no Iraque» - Diário de Notícias
07:35 - 12-01-2017
«Cerca de 1500 combatentes terroristas já regressaram à Europa, mas o número de condenações é muito reduzido.»

«As autoridades da União Europeia (UE) defendem que os jihadistas dos Estados membros que se juntaram ao Daesh possam ser julgados e cumpram penas na Síria, no Iraque ou noutros países da região como a Jordânia e o Líbano, evitando que regressem aos seus países de origem.»

«Os julgamentos teriam lugar em tribunais especiais, nos quais peritos internacionais apoiariam os advogados e juízes locais. Esta é uma das medidas propostas pelo coordenador de luta antiterrorista da UE, Gilles de Kerchove, discutida, no final do ano passado, com os ministros da administração interna e da justiça europeus.» DN 12/1/2017
Redação

Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter

mais do dia

Vaticano O Papa alertou, este sábado, para «os perigos de, em tempos de crise, se procurar um salvador que promete devolver a identidade aos povos construindo muros», numa alusão a Donald Trump, 45.º presidente dos EUA. Numa entrevista ao jornal espanhol El País, Francisco lembra momentos na história em que os povos cederam a populismos fáceis, «porque estavam em crise e procuravam uma identidade, como o caso da ascensão de Hitler na Alemanha dos anos 30». Sobre Donald Trump, que prometeu constru
Funchal O presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, disse, este sábado, no Funchal, capital da Região Autónoma da Madeira, que nunca viu «governo tão revanchista na história económica do País como o do PS», acusando-o de «reverter todas as reformas do passado». «O que constitui o cerne do programa do governo é, no essencial, reverter reformas que vieram do passado, quando devíamos estar a acrescentar reformas para o futuro que apurassem as expectativas dos investidores e que trouxessem mais confiança»
Estados Unidos Mulheres (e muitos homens…) de todo o Mundo saíram à rua para unir a voz contra Donald Trump. A Marcha das Mulheres foi iniciativa global e em Washington o discurso da cantora Madonna foi arrebatador, teve um poder imenso, tão fraturante que levou a CNN a interromper a emissão devido à linguagem dura da cantora. A mais inesperada das frases da estrela pop foi esta: «Sim, estou chateada. Sim, estou furiosa. Sim, pensei muito em fazer explodir a Casa Branca, mas sei que isso não ia mudar nada.

destaques