QUINTA-FEIRA, 23-03-2017, ANO 18, N.º 6263
Donald Trump (AP)
Estados Unidos
Ex-espiões britânicos são autores de relatório sobre Trump
23:53 - 11-01-2017
Os autores do relatório sobre as ligações à Rússia do presidente dos Estados Unidos eleito, Donald Trump, são ex-espiões britânicos que trabalham como consultores do setor privado.

O Wall Street Journal avança que o relatório revela que Moscovo conspirou durante anos para estabelecer relações com Donald Trump e que possui vídeos chocantes com cenas de sexo que o envolvem em Moscovo.

Segundo o mesmo jornal, o documento de 35 páginas teve origem na empresa Orbis Business Intelligence, com sede em Londres.

A imprensa norte-americana noticiou que o relatório foi elaborado por um antigo elemento do MI-6, os serviços secretos externos do Reino Unido, e revela que os serviços de informações russos, dirigidos pelo presidente Vladimir Putin, tentaram apoiar a campanha de Trump e prejudicar a sua adversária, Hillary Clinton, nas eleições presidenciais de novembro passado.

Ainda de acordo com o documento, a campanha de Trump manteve contacto regular com autoridades e operacionais russos, e Kremlin tem provas incriminatórias sobre o multimilionário que podem ser usadas para o chantagear.

Os serviços de informações norte-americanos concluíram, sem apresentar provas, na investigação que efetuaram, que Vladimir Putin deu ordens para uma campanha de apoio a Trump contra Hillary Clinton.

Redação

Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter

mais do dia

País O Governo propôs aos parceiros sociais que os trabalhadores com, pelo menos, 48 anos de descontos para a Segurança Social e 60 anos de idade se possam reformar antecipadamente sem qualquer penalização. O novo regime, para entrar em vigor no próximo ano, foi esta quarta-feira apresentado às confederações patronais e sindicais pelo ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva. O executivo propôs ainda que os trabalhadores com menos de 48 anos de carreira contribut
Europa O presidente do Eurogrupo, o holandês Jeroen Dijssebloem, disse, esta quarta-feira, que não tem intenção de se demitir do cargo, em resultado da polémica aberta pelas fortes declarações a um jornal alemão, em que alude a gastos com «copos e mulheres» por parte dos países do Sul da Europa. «O meu estilo é direto e, se as pessoas tomaram as minhas declarações como uma ofensivas, lamento profundamente», disse Dijssebloem, citado pela agência Reuters. Numa entrevista ao jornal alemão ‘Frankf
Síria Um ataque aéreo da coligação liderada pelos EUA, tendo como alvos posições do Estado Islâmico (EI), provocou, esta quarta-feira, 33 mortos numa escola junto a Raqqa, cidade sob controlo da organização terrorista. Este é o segundo ataque norte-americano que causa, maioritariamente, vítimas civis, depois de no último sábado, um bombardeamento ter morto 52 pessoas numa mesquita. Vários ativistas e organizações humanitárias vieram já condenar o ataque, afirmando que os bombardeamentos pioraram

destaques