SÁBADO, 25-02-2017, ANO 18, N.º 6237
Donald Trump (AP)
Estados Unidos
Ex-espiões britânicos são autores de relatório sobre Trump
23:53 - 11-01-2017
Os autores do relatório sobre as ligações à Rússia do presidente dos Estados Unidos eleito, Donald Trump, são ex-espiões britânicos que trabalham como consultores do setor privado.

O Wall Street Journal avança que o relatório revela que Moscovo conspirou durante anos para estabelecer relações com Donald Trump e que possui vídeos chocantes com cenas de sexo que o envolvem em Moscovo.

Segundo o mesmo jornal, o documento de 35 páginas teve origem na empresa Orbis Business Intelligence, com sede em Londres.

A imprensa norte-americana noticiou que o relatório foi elaborado por um antigo elemento do MI-6, os serviços secretos externos do Reino Unido, e revela que os serviços de informações russos, dirigidos pelo presidente Vladimir Putin, tentaram apoiar a campanha de Trump e prejudicar a sua adversária, Hillary Clinton, nas eleições presidenciais de novembro passado.

Ainda de acordo com o documento, a campanha de Trump manteve contacto regular com autoridades e operacionais russos, e Kremlin tem provas incriminatórias sobre o multimilionário que podem ser usadas para o chantagear.

Os serviços de informações norte-americanos concluíram, sem apresentar provas, na investigação que efetuaram, que Vladimir Putin deu ordens para uma campanha de apoio a Trump contra Hillary Clinton.

Redação

Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter

mais do dia

Estados Unidos Um advogado amigo da família de Muhammad Ali afirmou que o filho da lenda do boxe foi detido no aeroporto da Florida por funcionários da imigração que lhe perguntaram se era muçulmano. Muhammad Ali Jr., de 44 anos, e a mãe, Khalilah Camacho-Ali, aterraram no aeroporto internacional de Fort Lauderdale a 7 de fevereiro, provenientes da Jamaica, contou Chris Mancini ao Courier-Journal, em Louisville, Kentucky. Segundo Mancini, as autoridades questionaram Ali Jr. durante quase duas hor
Guiné-Bissau Na hora dos ensaios do grupo Netos do Bandim, o chão treme com a força dos pés descalços a esmagar a terra, sem receio, e a levantar poeira que tapa o sol e rodopia com os dançarinos miúdos e graúdos. «Os guineenses são um povo alegre, aberto e quando ouvem o som dos tambores as pessoas aparecem», conta à Lusa Hector Cassama (conhecido como Negado), coordenador do grupo cultural que é um dos principais embaixadores artísticos do país. Quem atravessa a estrada da Zona 7 de Bissau orienta-se
Angola Angola tem atualmente 1.111 igrejas legalmente reconhecidas e outras 827 denominações religiosas ainda aguardam o reconhecimento, a maioria em Luanda, com um total de 721, segundo um relatório da Assembleia Nacional revelado hoje. O documento foi elaborado para apoio do debate mensal sobre a ´Laicidade do Estado, a Liberdade Religiosa e o Respeito pela Lei e os Direitos Fundamentais em Angola´, tema proposto pelo Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), partido maioritário. O rela

destaques