SÁBADO, 25-03-2017, ANO 18, N.º 6265
Foto genérica (D.R.)
Educação
Docentes de língua gestual querem deixar de ser considerados técnicos
19:45 - 11-01-2017
A Federação Nacional dos Professores (Fenprof) pretende convocar uma concentração à porta do Ministério da Educação, caso os professores de Língua Gestual Portuguesa (LGP) não deixem de ser considerados técnicos especializados e passem a ser classificados de docentes em concursos.

O secretário-geral da federação, Mário Nogueira, adiantou que se na reunião da próxima sexta-feira, a última reunião regular do processo negocial de revisão do diploma do concurso de professores, não ficar consagrado em ata negocial a criação de um grupo de recrutamento para estes docentes haverá uma concentração no dia 17 de janeiro.

A criação deste novo grupo de recrutamento deverá ter efeitos a partir do próximo concurso, ou seja, para o próximo ano letivo, permitindo que já em setembro estes docentes sejam contratados como professores.

Redação

Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter

mais do dia

Itália O primeiro-ministro António Costa disse este sábado que tem esperança que a «renovação de votos» do Tratado de Roma, feita esta manhã pelos líderes da União Europeia por ocasião dos 60 anos do projeto europeu, se traduza em «respostas concretas». «É muito importante que esta celebração que hoje aqui fazemos possa continuar amanhã e para que isso aconteça é fundamental podermos responder de uma forma positiva àquilo aos anseios, angústias, o medo que muitos cidadãos têm e para os quais a União
Luxemburgo Uma mulher de nacionalidade portuguesa foi assassinada pelo filho na sexta-feira em Bettembourg, localidade luxemburguesa, segundo o Jornal do Luxemburgo. Segundo o jornal editado em português, o jovem terá disparado alguns tiros com os pais a dormir, na madrugada de sexta-feira. O jovem teria já registo criminal ligado à droga.
Finanças O comissário europeu dos Assuntos Económicos, Pierre Moscovici, afirmou que «Portugal vai sair em breve» do procedimento por défice excessivo (PDE). «Durante a crise, mais de 10 países estavam sob procedimento por défice excessivo, agora restam três. Portugal sairá em breve, a França em 2017 e a Espanha em 2018», declarou o comissário, numa entrevista ao jornal italiano La Repubblica, no dia em que os chefes de Estado e de Governo da União Europeia celebram, em Roma, o 60.º aniversário dos T

destaques