SEGUNDA-FEIRA, 23-01-2017, ANO 17, N.º 6204
Foto genérica (D.R.)
Educação
Docentes de língua gestual querem deixar de ser considerados técnicos
19:45 - 11-01-2017
A Federação Nacional dos Professores (Fenprof) pretende convocar uma concentração à porta do Ministério da Educação, caso os professores de Língua Gestual Portuguesa (LGP) não deixem de ser considerados técnicos especializados e passem a ser classificados de docentes em concursos.

O secretário-geral da federação, Mário Nogueira, adiantou que se na reunião da próxima sexta-feira, a última reunião regular do processo negocial de revisão do diploma do concurso de professores, não ficar consagrado em ata negocial a criação de um grupo de recrutamento para estes docentes haverá uma concentração no dia 17 de janeiro.

A criação deste novo grupo de recrutamento deverá ter efeitos a partir do próximo concurso, ou seja, para o próximo ano letivo, permitindo que já em setembro estes docentes sejam contratados como professores.

Redação

Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter

mais do dia

Moçambique O grupo de credores da dívida pública de Moçambique avisou hoje que se reserva o direito de exigir «indemnização legal», no seguimento da falha do pagamento de quase 60 milhões de dólares da prestação de janeiro. «Na ausência da adoção de uma abordagem construtiva, incluindo o pagamento do cupão agora em incumprimento, por parte do Governo de Moçambique e dos seus consultores, o comité reserva todas as formas de indemnização legal», lê-se num comunicado hoje divulgado. De acordo com a nota
País A farmacêutica portuguesa Bial e o Governo assinam hoje, na Trofa, Porto, um contrato de investimento no valor de 37,4 milhões para investigação científica nas áreas dos sistemas nervoso central e cardiovascular. O contrato entre a farmacêutica e o Estado estende-se até 2018 e vem na sequência do Governo ter aprovado benefícios fiscais para investimentos industriais.
China A China pretende lançar no final deste ano uma nova sonda lunar, a Chang E-5, a primeira projetada para regressar à Terra, informou a Corporação de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (CASC). Esta missão, que será a primeira para recolher amostras de forma automatizada, vai ocorrer quatro anos depois do lançamento da última sonda lunar chinesa, que cessou operações em agosto passado. A Chang E-5, composta por quatro módulos, pesa 8,2 toneladas e partirá do centro espacial Wenchang, situado n

destaques