SEXTA-FEIRA, 24-02-2017, ANO 18, N.º 6236
Foto genérica (D.R.)
Educação
Docentes de língua gestual querem deixar de ser considerados técnicos
19:45 - 11-01-2017
A Federação Nacional dos Professores (Fenprof) pretende convocar uma concentração à porta do Ministério da Educação, caso os professores de Língua Gestual Portuguesa (LGP) não deixem de ser considerados técnicos especializados e passem a ser classificados de docentes em concursos.

O secretário-geral da federação, Mário Nogueira, adiantou que se na reunião da próxima sexta-feira, a última reunião regular do processo negocial de revisão do diploma do concurso de professores, não ficar consagrado em ata negocial a criação de um grupo de recrutamento para estes docentes haverá uma concentração no dia 17 de janeiro.

A criação deste novo grupo de recrutamento deverá ter efeitos a partir do próximo concurso, ou seja, para o próximo ano letivo, permitindo que já em setembro estes docentes sejam contratados como professores.

Redação

Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter

mais do dia

Madeira O Conselho do Governo Regional da Madeira aprovou, esta quinta-feira, a proposta de decreto legislativo regional que fixa o salário mínimo na região em 570 euros. A aprovação foi divulgada em comunicado pelo executivo social-democrata, liderado por Miguel Albuquerque. A proposta será agora enviada à Assembleia Legislativa da Região Autónoma da Madeira, na qual o PSD tem maioria, para votação. Atualmente, a retribuição mínima mensal na região é de 540,60 euros.
Política O ex-Presidente da República, Cavaco Silva, admite ter ficado «totalmente surpreendido» com o envolvimento do antigo primeiro-ministro José Sócrates num processo judicial, garantindo que nas reuniões que mantiveram nunca se apercebeu de «qualquer atuação legalmente menos correta». «Não tenho acompanhado esse processo, mas garanto que fiquei totalmente surpreendido», afirmou Aníbal Cavaco Silva quando questionado, na entrevista à RTP, sobre o facto de José Sócrates ter sido detido preventivam
Suécia Magdalena Andersson, ministra sueca das Finanças, disse, em entrevista ao jornal Expressen, ter manifestado o seu desacordo a Mário Centeno, ministro das Finanças de Portugal, em relação ao regime que isenta de tributação as reformas de pensionistas estrangeiros com residência no nosso País. Numa longa entrevista ao Expressen, a governante indica que teve «uma conversa séria» com Mário Centeno sobre este assunto na última reunião do Ecofin (Conselho para as Questões Económicas e Financeiras),

destaques