DOMINGO, 19-02-2017, ANO 18, N.º 6231
Dylann Roof (AP)
Estados Unidos
Autor de massacre em igreja de Charleston condenado à morte
23:46 - 10-01-2017
O autor confesso do massacre com motivações racistas de 2015, numa igreja de Charleston, na Carolina do Sul, nos Estados Unidos, foi condenado à morte.

Dylann Roof foi responsável pela morte de nove afro-americanos, que assumiu posteriormente que queria provocar uma «guerra racial» e nunca mostrou arrependimento pelos seus atos.

«Na minha confissão ao FBI, disse-lhes que tinha de o fazer. Senti que tinha de o fazer quando o disse e ainda sinto o mesmo», disse.

O jovem de 22 anos optou por não apresentar provas nem pedir prisão perpétua, escolhendo defender-se a ele próprio.

«Tenho o direito de vos pedir que me condenem a uma pena de prisão perpétua [o que, a confirmar-se, evitaria a sua condenação à morte], mas não tenho certeza que bem é que isso faria a qualquer pessoa», afirmou.

A decisão foi tomada por um grupo de jurados, que estiveram menos de três horas reunidos para decidirem a sentença de Roof.
Redação

Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter

mais do dia

Angola A União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA) afirmou este domingo, em comunicado, que a anunciada saída do Presidente da República, das listas do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) às eleições gerais, «não altera nada», porque José Eduardo dos Santos continuará a «dirigir o país, agora no banco traseiro, tendo, aliás, alugado um novo motorista». A posição surge expressa no comunicado divulgado hoje pelo comité permanente da Comissão Política do maior partido da
Angola A União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA) afirmou este domingo, em comunicado, que a anunciada saída do Presidente da República, das listas do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) às eleições gerais, «não altera nada», porque José Eduardo dos Santos continuará a «dirigir o país, agora no banco traseiro, tendo, aliás, alugado um novo motorista». A posição surge expressa no comunicado divulgado hoje pelo comité permanente da Comissão Política do maior partido da
Estados Unidos Após a demissão (forçada) do conselheiro Mike Flynn, Donald Trump enfrenta mais problemas na equipa de Segurança Nacional, isto porque o assessor sénior Craig Deare foi afastado após criticar o presidente. Este afastamento é só mais um dos muitos problemas que o presidente Trump tem tido para constituir uma equipa na área da Segurança. Uma fonte da administração, citada pelo WSJ, justifica o afastamento de Craig Deare — que era diretor da Conselho de Segurança Nacional para o hemisfério oc

destaques