QUINTA-FEIRA, 25-05-2017, ANO 18, N.º 6326
Serviços da WhatsApp voltaram a funcionar
Tecnologia O serviço de mensagens WhatsApp já voltou a funcionar cerca das 00.00 horas, mas a interrupção do serviço ainda está por esclarecer. A interrupção do serviço foi relatada a partir daas 22 horas tanto em Portugal, como nos Estados Unidos, América Latina, África e noutros pontos da Europa. Ainda não foram divulgadas as causas da queda do serviço. A WhatsApp tem mais de 1000 milhões de utilizadores ativos e é uma das aplicações mais populares da internet.
Serviços da WhatsApp estiveram em baixo em diversas partes do mundo
Tecnologia Os serviços do popular serviço de mensagens WhatsApp, propriedade do Facebook, foram hoje interrompidos em várias partes do mundo, segundo utilizadores e vários sítios de monitorização das redes sociais. O site Downreport registou um forte aumento de queixas de suspensão de serviços da WhatsApp a partir das 17.00 horas locais na costa leste dos Estados Unidos (22.00 horas de Lisboa), tanto nos EUA, como em várias partes da Europa, América Latina e África. Nem a WhatsApp, nem a rede social Facebook informaram até ao momento as causas da queda do serviço. A WhatsApp tem mais de 1000 milhões de utilizadores ativos e é uma das aplicações mais populares da internet.
Apple promete abandonar matérias-primas
Óbito Em preparação para o Dia da Terra, a 22 de abril, a Apple prepara-se para fazer um compromisso com o ambiente, abandonando o uso e extração de matérias-primas, passando a recorrer apenas a materiais reutilizáveis. «Queremos conseguir produzir produtos só com materiais renováveis. Não sabemos como vamos fazê-lo, mas comprometemo-nos a fazê-lo», admitiu um porta-voz da empresa à revista Vice. A empresa também se compromete a usar apenas energia limpa nas suas fábricas, outra meta ambientalista que nunca foi tentada por empresas de Silicon Valley.
20-04-2017 - 22:32
Google lança ferramenta para verificação de factos
Tecnologia A Google disponibiliza a partir de hoje, e a nível global, um marcador de verificação de factos (´fact check´) no Google Notícias e no modo notícias da pesquisa Google, anunciaram os responsáveis da tecnológica. «Os factos interessam para as pessoas que procuram no Google informação credível com que podem contar. É por isso que demos vários passos para tornar mais fácil às pessoas encontrarem factos verificados quando procuram informação sobre alegações factualmente incertas sobre diversos temas como saúde, educação, entretenimento ou crime», anunciou o gestor de produto Justin Kosslyn e o investigador Cong Yu da multinacional tecnológica.
Twitter suspendeu desde 2015 mais de 636 mil contas em nome do combate «ao extremismo violento»
Tecnologia A Twitter Inc., empresa responsável pela rede social com o mesmo nome, suspendeu, desde 2015, mais de meio milhão de contas para combater o «extremismo violento» que tem vindo a ganhar força na plataforma. Entre julho e dezembro de 2016, foram removidas da rede social 376.890 contas «que promoviam terrorismo e violência», revelou a rede social através do seu Relatório de Transparência. Da totalidade de contas eliminadas, 74% foram eliminadas por uma tecnologia de «scan automático». No seu 10.º Relatório de Transparência, a empresa revela ainda os números de pedidos de remoção de conteúdo por violarem a legislação de certos países. No topo da lista estão a Turquia (3.076 pedidos) e a França (1.334). As autoridades portuguesas só fizeram um pedido.
Japonesa de 81 anos cria aplicação de SmartPhone
Tecnologia Masako Wakamiya tem 81 anos e tornou-se uma das pessoas mais velhas a criar uma aplicação de telefone. A aplicação chama-se Hinadan, um jogo ninspriado no festival japonês Hinamatsuri, o dia das bonecas no Japão. No jogo, os utilizadores têm de procurar as figuras certas, vesti-las e ordená-las na posição certa, como dita o festival. Wakamiya diz que decidiu criar Hinadan quando não conseguia encontrar aplicações destinadas a pessoas numa idade mais avançada. «Perdemos jogos contra pessoas mais jovens por falta de velocidade e tempo de reação e acredito que isso tinha que mudar», declarou á CNN. Primeiro Wakamiya tentou convencer empresas a fazer aplicações para idosos, porém ninguém mostrou interesse, obrigando Wakamiya a fazer uma sozinha. A aplicação demorou meio ano a ser criada e lançada no mercado, um feito tendo em conta que Wakamiya só começou a trabalhar com computadores aos 60 anos. Esta pode ter sido a primeira aplicação de Wakamiya, todavia já prometeu que não irá ser a última. A japonesa promete que já tem planos para mais jogos e aplicações: «Tenho imensas ideias e desejo de criar novas aplicações, infelizmente as minhas capacidades de programação são poucas. Tenho que melhorar.»
Google desenvolve novo tipo de inteligência artificial
Tecnologia A Google, a DeepMind desvendou, esta terça-feira, o seu novo projeto de inteligência artificial, o DeepMind AI . O programa já foi testado e conseguiu resolver problemas e tarefas tão bem como um humano graças a uma importante habilidade: lembrar-se de problemas antigos que resolveu e usar esse conhecimento para resolver novas tarefas. Embora represente um passo importante para a inteligência artificial, os cientistas responsáveis pelo projeto acreditam que ainda vai demorar a criar uma `verdadeira´ inteligência artificial. Para chegar a um A.I indistinguível de uma pessoa, os programas terão que ser capazes de usar a inteligência da mesma forma que os humanos quando encontram um novo problema. A habilidade de lembrar antigas técnicas e aplicá-las em novos problemas é uma característica humana que tem sido difícil de reproduzir em máquinas e programas de computador, continuando a ser um dos problemas mais difíceis no desenvolvimento de inteligência artificial. «Habitualmente programas de inteligência artificial fazem e sabem só fazer uma coisa muito bem», esclareceu um dos investigadores da o DeepMind. Independentemente de quanto falte para chegar a uma verdadeira inteligência artificial, os cientistas consideram este um passo importante para criar algo que pense como um humano.
Spotify alcançou esta semana 50 milhões de subscritores
Tecnologia O Spotify atingiu, esta semana, os 50 milhões de subscritores, o mesmo que dizer o número de utilizadores da plataforma de streaming que pagam pelo serviço. O anúncio surge apenas cinco meses e meio após o Spotify ter alcançado os 40 milhões de subscritores, tendo angariado mais 10 milhões um mês e meio mais rapidamente que na passagem dos 30 para os 40 milhões. Estes números permitem ao Spotify continuar a liderar o mercado do streaming, possuindo mais 30 milhões de subscritores do que a Apple Music, a principal rival.

destaques