SEGUNDA-FEIRA, 24-07-2017, ANO 18, N.º 6386
Liga Árabe convoca reunião urgente sobre situação em Jerusalém
Israel Esta convocatória foi proposta pela Jordânia para abordar «agressões e as últimas medidas israelitas em Jerusalém» e na Esplanada das Mesquitas, revelou Mahmud Afifi, porta-voz da Liga Árabe. Cinco palestinianos e três israelitas morreram nos últimos dois dias, depois de terem começado os protestos contra as novas medidas de segurança que foram impostas por Israel em relação à Esplanada das Mesquitas. «Jerusalém é uma linha vermelha que os árabes e os muçulmanos não permitem que seja tocada», afirmou em comunicado o secretário-geral da Liga Árabe, Ahmed Abul Gheit. Ahmed Abul Gheit insistiu que com estas medidas, o país «tenta impor uma nova realidade em Jerusalém e na Esplanada das Mesquitas» e pediu à comunidade para intervir no sentido de pressionar o governo a mudar de ideias.
Cientistas encontram material nuclear fundido em Fukushima
Japão Um grupo de cientistas encontrou material nuclear fundido dentro de uma estrutura do terceiro reator nuclear de Fukushima, no Japão. De acordo com o The Guardian descoberta da passada sexta-feira foi a primeira através de um robô equipado com uma câmara desde o acidente nuclear de 2011. Em 2011 a central foi destruída na sequência de um sismo, precedido por um tsunami. Por causa do elevado nível de radioatividade e dos estragos, ainda não foi possível encontrar material nos dois reatores. O terceiro reator é coberto por material com uma cor alaranjada que chega a ter um metro de espessura.
Fretilin vence eleições por margem de mil votos
Timor Leste A Fretilin venceu as eleições legislativas timorenses do passado sábado com uma vantagem de cerca de mil votos relativamente ao CNRT, segundo a contagem divulgada pelo Secretariado Técnico da Administração Eleitoral. A Fretilin obteve 168.422 votos e o CNRT conseguiu 167.330. Desde início que a Fretilin liderou a contagem, mas durante este domingo os responsáveis do CNRT chegaram a reivindicar a vitória baseados nos números da sua própria contagem.
23-07-2017 - 20:48
Embaixador da Rússia regressa a Moscovo
Estados Unidos O embaixador russo nos Estados Unidos, Serguei Kislyak, regressou a Moscovo após quase uma década como representante diplomático, informou a embaixada. Serguei Kislyak, dirigia a embaixada de Washington desde 2088 «concluiu a sua missão» no passado sábado, informou através do Twitter a embaixada. «Até à chegada de um sucessor, o ´número dois´ da embaixada, Denis V. Gonchar, será o encarregado de negócios interino», pode ler-se. No entanto, a embaixada não avançou as razões da saída de Kislyak, mas nas últimas semanas já circulavam rumores sobre o seu regresso a Moscovo. Os contatos entre Serguei Kislyad e elementos da campanha e da equipa de transição de Trump, estão a ser analisados pelo Congresso norte-americano e pelo procurador especial Robert Mueller. Kislyak reuniu-se de forma discreta com o procurador-geral, Jeff Sessions, com o genro e assessor de Trump, Jared Kushner, com o ex-assessor de segurança nacional Michael Flynn e com um outro elemento da campanha, Carter Page.
Pelo menos um morto em ataque a embaixada israelita
Jordânia A embaixada de Israel em Amã, na Jordânia, foi alvo de um ataque este domingo. De acordo com o The Independent, um jordano morreu e um israelita ficou ferido. A embaixada foi encerrada e as autoridades estão no local, mas ainda não se sabe os motivos deste ataque. Este acontecimento surge na sequência do aumento da tensão entre os palestinianos e as autoridades israelitas depois de Israel ter aumentado as medidas de segurança na Esplanada das Mesquitas. Notícia atualizada às 20.24 horas
Mais segurança na Esplanada das Mesquitas intensifica confrontos
Israel A tensão entre palestinianos e israelitas continua a crescer à medida que se intensificam os confrontos entre manifestantes e a polícia em Jerusalém Oriental e na Cisjordânia. A vaga de violência teve origem na decisão das autoridades israelitas em impor novas medidas de segurança à entrada da Esplanada das Mesquitas. O país justificou a decisão com base numa tentativa de controlar a entrada de armas no local. Foram também implementados detetores de metal na entrada e instaladas câmaras de vigilância, além de que os homens muçulmanos com menos de 50 anos foram proibidos de entrar na cidade. Estas medidas não foram bem aceites pelos palestinianos.
Governo apoio lei para ampliar sanções à Rússia
Estados Unidos Donald Trump apoia um projeto anunciado no passado sábado pelo Congresso para aumentar as sanções à Rússia devido em parte à alegada interferência nas eleições dos Estados Unidos. «Apoiamos o projeto de lei tal como está agora», disse Sarah Sanders, porta-voz da Casa Branca, numa entrevista à ABS News. A Casa Branca tinha-se oposto a uma versão anterior do projeto devido ao plano que limitava a capacidade de Trump para levantar as sanções ao país. O atual projeto mantém o limite, mas se o presidente norte-americano quiser suspender as restrições ou fazer mudanças relativamente à Rússia, deve informar o Congresso e este tem 30 dias para decidir se permite. A porta-voz afirmou que a administração de Trump «apoia medidas duras para a Rússia, em particular a imposição destas sanções». «A legislação original estava mal concebida, mas temos podido trabalhar com a Câmara dos Representantes e com o Senado e a administração está satisfeita por ter feito as mudanças que eram necessárias», disse Sarah Sanders. O novo projeto impõe sanções à Rússia pela sua interferência nas eleições presidenciais de 2016, pela atividade militar no leste da Ucrânia e pela anexação da Crimeia em 2014.
Donald Trump considera que tem «plenos poderes para perdoar»
Estados Unidos O presidente norte-americano voltou a usar o Twitter para se expressar e em tom de aviso, Donald Trump assume que tem «plenos poderes para perdoar». Este aviso acontece depois de o Washington Post ter noticiado que Donald Trump estaria a estudar a hipótese de conceder perdão presidencial a si próprio, aos seus familiares e aos membros do seu gabinete que estão envolvidos nas investigações do FBI sobre a alegada influência russa nas eleições presidenciais que Trump venceu. Apesar de ainda não existirem conclusões, o presidente dos Estados Unidos sugere que poderá agir contra o resultado de uma investigação que o próprio critica. Este mecanismo de perdão presidencial nunca foi usado por qualquer outro presidente norte-americano.
«Não é do interesse de ninguém que esta crise se prolongue», diz Presidente
Turquia O Presidente da Turquia considerou este domingo que prolongar a crise no golfo pérsico «não é do interesse de ninguém». Recep Erdogan efetua uma viagem pela região para tentar apaziguar a tensão entre a Arábia Saudita e o Qatar. «Não é do interesse de ninguém que esta crise se prolongue», afirmou durante uma conferência de imprensa em Istambul antes da viagem para Riade, acrescentando que «o mundo muçulmano necessita de cooperação e de solidariedade, não de novas divisões». Recep Erdogan inicia este domingo uma viagem pela Arábia Saudita, Koweit e Qatar. A Arábia Saudita, os Emirados Árabes Unidos, o Bahrein e o Egito cortaram relações, no passado mês de junho, com o Qatar acusando o país de apoiar o terrorismo e de proximidade ao Irão.
Congresso avança com sanções contra a Rússia
Estados Unidos O Congresso dos EUA chegou a acordo para aplicar sanções à Rússia pela interferência nas eleições presidenciais de novembro do ano passado, que ditaram a eleição de Donald Trump, e para limitar a capacidade do presidente de remover sanções contra Moscovo. Os negociadores chegaram a acordo no Congresso e o pacote de sanções contra a Rússia, não esquecendo o Irão e a Coreia do Norte, que estava em stand by na Câmara dos Representantes depois de passar no Senado com 98 votos a favor e dois contra, deve mesmo chegar às mãos de Donald Trump. Entretanto, a União Europeia já se mostrou preocupada com as consequências da ação e pede coordenação aos EUA. «Estamos preocupados que as medidas discutidas pelo Congresso dos EUA possam ter consequências indesejadas, não apenas no que diz respeito à unidade transatlântica e no G7, mas também para os interesses económicos e de segurança energética da União Europeia. Este impacto pode ser potencialmente abrangente e indiscriminado, incluindo no que diz respeito aos esforços de diversificação energética», pode ler-se num comunicado da União Europeia.
Emigrante português morre em despiste
Espanha Um emigrante português, residente em França, morreu na sequência de um despiste no município espanhol de Briviesca, em Burgos, segundo o Serviço de Emergência de Castela e Leão, noticiou a imprensa local. A vítima mortal, de 37 anos, regressava ao nosso País para passar férias quando o carro em que seguia com mulher e cinco filhos se despistou e capotou. O condutor terá perdido o controlo da viatura, um monovolume de nove lugares, acabando por cair numa valeta. A mulher, de 32 anos, e os filhos, três rapazes e duas raparigas, foram levadas para o Hospital Universitário de Burgos por precaução.

destaques