0 5 10 15 20 25 30 35 40 45 50 55 60 65 70 75 80 85 90

Benfica deixa liderança à mercê do FC Porto

Por Filipa Reis

Em dia de festa na Mata Real, com a inauguração da bancada norte, que deixa o estádio com lotação para 9 mil pessoas, o Benfica escorregou em vésperas do clássico, deixando, assim, a liderança do Campeonato à mercê do FC Porto.

O que começou por ser um teste de resistência para o Paços de Ferreira, tendo em conta a posse de bola (76 por cento) e o caudal ofensivo do Benfica, acabou por ser um verdadeiro pesadelo para os tricampeões.

Defendi acabou por chamar a si o protagonismo ao conseguir desviar do fundo das redes as bolas (quase) certeiras enviadas por Nélson Semedo, Pizzi, Jonas, Eliseu… Apanhou um grande susto, aos 26 minutos, com o estrondo que a bola fez ao bater no poste esquerdo, a remate de Eliseu, que encheu o pé! Respondeu bem o Paços, sem se acanhar, com uma excelente arrancada de Welthon, que Luisão cortou na hora H. Até ao intervalo o Benfica perdeu algum fulgor, o que permitiu ao Paços respirar mais desafogadamente, aguentando o nulo com que as equipas saíram para o período de descanso.

No reatamento foram os da casa a criar as primeiras ocasiões de perigo, primeiro foi Ivo Rodrigues, aos 47, a conduzir bem a bola, lançando Diego Medeiros, que passou por Lindelof, mas Ederson saiu-se aos pés do camisola 11, depois foi Diego Medeiros, aos 50, a passar por Nélson Semedo e, já na área, de ângulo apertado, a ver Ederson sacudir para canto. E o brasileiro voltou a ver-se em apuros, na sequência de um livre direto cobrado por Welthon, que o guardião defendeu a meias com o travessão. Agigantava-se o Paços de Ferreira perante um Benfica que começava a acusar em demasia a pressão.
Luisão ia apagando fogos aqui e ali, Rui Vitória viu-se obrigado a mexer, lançando Rafa, Cervi e, aos 80 minutos, Raúl Jiménez, mas nada amedrontou o Paços, que continuou em crescimento, tanto defensivamente como em contra-ataque.
Já em tempo de compensação, naquele que foi o último lance do jogo, na sequência de um livre direto cobrado por Pizzi, Jonas ganhou nas alturas, mas cabeceou para o chão e a bola acabou por cima das redes do travessão para desespero dos benfiquistas.

Certo é que numa altura crucial o Benfica escorregou, perdeu pontos na Mata Real, e, consoante o resultado do FC Porto amanhã, na receção ao V. Setúbal, as águias começaram a preparar o embate com os dragões com pouquíssima margem de manobra…