QUARTA-FEIRA, 01-07-2015, ANO 16, N.º 5632
As melhores imagens da apresentação de Jorge Jesus
Sporting Jorge Jesus foi esta quarta-feira oficialmente apresentado como treinador do Sporting no Estádio José Alvalade. Fotos ASF/Sérgio Miguel Santos
«Esperança num Sporting renascido» - Jaime Marta Soares
Sporting Jaime Marta Soares, presidente da Mesa da Assembleia Geral do Sporting, acredita que a chegada de Jorge Jesus a Alvalade vai dar um novo estímulo ao projeto da Direção presidida por Bruno de Carvalho. Impressionado com a entusiástica moldura humana que assistiu `in loco` à apresentação do novo treinador, o dirigente destacou o «sentimento de confiança sportinguista» e a «esperança num Sporting renascido». «Estamos todos muito unidos em torno de um projeto, de um presidente e de um futuro q
«Fico muito grato por ter recebido o prémio» - William Carvalho
Sub-21 Depois de ter sido eleito pela UEFA como o melhor jogador do Europeu de sub-21, William Carvalho revelou que o esforço ao longo da prova foi recompensado com o galardão. «Fico muito grato por ter recebido o prémio individual, porque sempre dei tudo em prol do coletivo. Claro que estou muito contente por ter recebido este prémio», disse, em declarações ao site da Federação Portuguesa de Futebol. Por outro lado, o médio do Sporting enalteceu o desempenho da equipa das quinas, mostrand
Rodrigo Pinho e Crislan oficializados
SC Braga O SC Braga anunciou, esta quarta-feira, as contratações dos avançados brasileiros Rodrigo Pinho, até 2018/2019, e de Crislan, cujo vínculo se prolonga até 2019/2020. Além destes dois jogadores, os bracarenses já oficializaram Román, médio ofensivo espanhol (ex-Barcelona B), e as saídas de Rúben Micael (Shijiazhuang Yongchang, China), Éder (Swansea City, Premier League) e Sasso (emprestado ao Sheffield Wednesday, segundo escalão inglês).
Imprensa espanhola dá Arda Turan como certo no Barcelona
Espanha De acordo com o diário ‘Sport’, o Barcelona chegou a acordo com o Atlético Madrid para a contratação de Arda Turan, no seguimento de uma reunião, em Ibiza, entre Josep Bartomeu (presidente catalão) e Gil Marín (conselheiro delegado dos ‘colchoneros). A cláusula de rescisão do médio turco é de 41 milhões de euros, sendo que o jogador chegaria por uma quantidade inferior, desconhecendo-se ainda os parâmetros do contrato de Arda Turan.
Seleção acarinhada no regresso a Portugal (fotos)
Sub-21 Pouco passava das 5 da madrugada quando a Seleção Nacional de sub-21 passou na zona de chegadas do aeroporto de Lisboa. Apesar da derrota na final do Campeonato da Europa, diante da Suécia, a comitiva foi acarinhada, sobretudo por amigos e familiares. O treinador Rui Jorge admitiu que ainda custa falar sobre a derrota, mas salientou o desempenho da equipa: «Apesar de ainda custar falar disso, acredito que amanhã vamos acordar e perceber o que fizemos de bom.» Sérgio Oliveira, capitão da eq
Jesus prepara época na Academia
Sporting Jorge Jesus apresentou-se esta terça-feira na Academia, em Alcochete, para preparar a época de estreia como treinador do Sporting. Além de ter tido o primeiro contacto com o plantel, o novo timoneiro dos leões participou igualmente em reuniões de trabalho com os restantes elementos da equipa técnica.
«Estou preparado para o que vier» - Nani
Manchester United Depois de uma época de emoções fortes ao serviço do Sporting, Nani diz-se pronto para abraçar um novo desafio na carreira. Apesar de estar vinculado ao Manchester United, o internacional português, que tem sido apontado como potencial reforço do Fenerbahçe, de Vítor Pereira, desconhece o que o futuro lhe reserva na próxima temporada. «Vim com contrato de um ano e tenho de voltar ao meu clube. Não é rejeitar o Sporting ou não querer voltar a jogar na Liga portuguesa. Toda a gente sabe c
Mourinho e a saída de Cech: «Estou orgulhoso com a decisão do clube»
Chelsea José Mourinho rendeu-se à nobreza do gesto de Roman Abramovich de autorizar a transferência de Petr Cech do Chelsea para o Arsenal. «Petr foi um grande profissional do Chelsea durante onze anos, ajudou o clube a ganhar quase tudo o que havia para ganhar. Sempre disse que queria que ele ficasse, mas compreendo a necessidade de Petr jogar todas as semanas numa equipa de topo. Por vezes tens de respeitar o desejo de alguém que granjeou grande respeito por tudo o que fez pelo clube. Apoio a decis
Pepa é o novo treinador
Feirense É oficial: Pepa é o novo treinador do Feirense. O técnico orientou a Sanjoanense nas últimas duas épocas, onde subiu a equipa ao Campeonato Nacional de Seniores e alcançou a manutenção no ano passado. «Este clube acarreta uma grande responsabilidade e uma grande ambição. Não posso falar de um gigante adormecido, porque o Feirense é um gigante, não só no distrito de Aveiro, com no futebol português. Este clube é uma referência», disse, em conferência de imprensa. Noutro âmbito, o início dos
Gundogan renova até 2017
Borussia Dortmund O Borussia Dortmund anunciou esta quarta-feira a renovação de contrato com Ilkay Gundogan até junho de 2017. A prorrogação do vínculo coloca um ponto final na especulação em torno do futuro do médio de 24 anos, de quem se dizia estar de saída do clube germânico neste defeso. Gundogan ingressou no Dortmund em 2011, oriundo do Nuremberga.
Jovem reforço para Leonardo Jardim
Lyon Farès Bahlouli, é o novo reforço do Mónaco para a época de 2015/2017, segundo o jornal online ´Goal´. Estima-se que o clube orientado pelo português Leonardo Jardim irá pagar ao seu rival, Lyon, cerca de três milhões de euros pelo médio ofensivo de 20 anos. Bahlouli, internacional sub-21 de França, era também seguido pela Juventus mas o Mónaco convenceu o jogador que assinou um contrato válido por cinco anos. Farès poderá concorrer por um lugar com o jovem português, Bernardo Silva, atu
Shaqiri contratado por valor recorde
Stoke City O Stoke City chegou a acordo com o Inter para a contratação de Xherdan Shaqiri por 16,9 milhões de euros, valor recorde no clube inglês. O internacional suíço, de 23 anos, ingressara no emblema italiano no passado mês de janeiro, proveniente do Bayern, tendo marcado três golos em 20 jogos pelos nerazzurri. Os 16,9 milhões de euros fazem de Shaqiri o jogador mais caro da história do Stoke City, superando os cerca de 14 milhões de euros investidos na contratação de Peter Crouch ao Tot
Alexandre Alfaiate e Flávio Silva confiantes para a nova época
Benfica B Alexandre Alfaiate e Flávio Silva foram os porta-vozes da ambição da equipa B do Benfica para a nova temporada. «Estou cá há muitos anos e quero transmitir a mística e os valores do clube aos meus companheiros. As expectativas são mais ou menos iguais às da época passada, ou seja, os objetivos serão ser a melhor equipa B e praticar bom futebol. Temos muitos jogadores jovens, mas muita qualidade», afirmou o lateral-direito, em declarações à BTV. Aos olhos de Alfaiate, a estabilidade
Karim Rekik irá reforçar o Marselha
Manchester City Karim Rekik, jovem central de 20 anos, está perto de assinar pelo Marselha, de França, numa transferência que irá rondar os cinco milhões de euros. O jogador holandês fez apenas três jogos pelo Manchester City, sendo emprestado nas últimas duas épocas ao PSV Eindhoven, onde se sagrou campeão holandês na época de 2014/2015.
Inter anuncia contratação de Miranda
Itália Miranda já é jogador do Inter de Milão. O defesa-central brasileiro passou nos exames médicos e assinou um contrato válido por três temporadas, com mais uma de opção, numa transferência que rende 15 milhões de euros aos cofres do Atlético Madrid. De acordo com a jornal espanhol Marca, Miranda chega a título de empréstimo nas próximas duas épocas, com obrigação de compra por parte do Inter no ano seguinte.
Cech desvaloriza ameaças
Arsenal Consumada a transferência para o Arsenal, multiplicaram-se nas redes sociais ameaças à integridade física de Petr Cech, alegadamente por parte de adeptos do Chelsea. «Os verdadeiros adeptos enviaram-me mensagens de agradecimento, sabem valorizar o legado que deixei no clube. Algumas pessoas deixaram mensagens negativas, mas esses não são os verdadeiros simpatizantes do Chelsea», desvalorizou o checo em declarações à Imprensa britânica.
Osvaldo livre de contrato
Southampton O Southampton libertou o avançado italo-argentino Pablo Osvaldo, que tinha contrato por mais duas épocas com o clube. Osvaldo custou cerca de 20 milhões de euros aos saints no verão de 2013, mas marcou apenas três golos em 14 jogos na Premier League. Em janeiro de 2014 teve um desentendimento com o português José Fonte, sendo suspenso pelo clube. Passou então por sucessivos empréstimos (Juventus, Inter Milão e Boca Juniors), ficando agora livre para decidir o seu futuro.
«Acredito que um dia vou para o céu» - Joseph Blatter
FIFA Em entrevista à revista alemã e citado pelo jornal online inglês ´The Guardian´, Joseph Blatter, presidente da FIFA (órgão que coordena o futebol a nível mundial), reafirma que não está relacionado com qualquer ato de corrupção e acredita que um dia irá para o céu. «Tenho a consciência limpa. Se alguém me acusar de ser corrupto, pergunto-lhe se sabe o significado dessa palavra. Quem me chama corrupto terá de prová-lo, mas ninguém pode provar isso, porque eu não sou corrupto», afirmou convicto
Swansea oficializa Éder por três anos
SC Braga O Swansea City oficializou esta quarta-feira a contratação de Éder ao SC Braga para as próximas três épocas, num negócio a rondar os 7 milhões de euros. O avançado internacional português não terá tarefa fácil no conjunto galês, já que o treinador Garry Monk também conta com Bafétimbi Gomis e André Ayew nas opções de ataque. «Estou muito feliz por ter assinado pelo Swansea. É um grande clube e acredito que aqui posso evoluir como futebolista», revelou Éder ao site oficial do clube.
Danny Blind sucede a Hiddink na seleção
Holanda Danny Blind é o novo selecionador da Holanda, sucedendo no cargo a Guus Hiddink. O antigo jogador do Ajax e até agora adjunto na seleção assinou contrato válido até 1 de agosto de 2018. «Vou trabalhar para podermos estar no Campeonato Europeu do próximo ano, esse é o meu único objetivo», afirmou Blind, aludindo à prestação modesta até ao momento da seleção holandesa na fase de qualificação (apenas três vitórias, contra um empate e duas derrotas). A estreia de Blind está marcada para 3 de s
Cinco portugueses no onze ideal do Europeu
Sub-21 José Sá, Raphael Guerreiro, William Carvalho, Bernardo Silva e Ivan Cavaleiro foram escolhidos pela UEFA para integrar o onze ideal do Campeonato da Europa de sub-21, que terminou ontem em Praga (República Checa). A escolha foi feita pelo grupo de observadores técnicos da UEFA, que colocou ainda no onze os suecos Victor Lindelof (jogador do Benfica), Helander e Lewicki, que se sagraram campeões europeus, após vitória nas grandes penalidades sobre Portugal. O dinamarquês Jannik Vestergaard,
Mais duas renovações no Benfica
Futsal Ré e Jefferson são os mais recentes jogadores do Benfica com novos contratos, seguindo os passos de Juanjo, Bebé, Bruno Coelho e Alessandro Patias. Ré chegou na última época ao Benfica, proveniente dos Leões de Porto Salvo, enquanto Jefferson tinha trocado o Póvoa Futsal pelo clube da Luz.
Djokovic avança em Wimbledon
Ténis O número 1 mundial voltou a não enfrentar dificuldades na segunda ronda do torneio de Wimbledon, levando de vencida o finlandês Jarkko Nieminen pelos parciais de 6-4, 6-2 e 6-3, ao cabo de pouco mais de hora e meia. Detentor do título do torneio britânico, Djokovic vai agora ter pela frente o australiano Bernard Tomic, 27.º cabeça de série, que também hoje afastou o francês Pierre-Hugues Herbert por 7-6 (7/3), 6-4 e 7-6 (7/5). Quem também avançou para a terceira ronda foi o francês Richard
Paulo Vinícius assina por uma época
Boavista O Boavista anunciou a contratação do defesa brasileiro Paulo Vinícius, que regressa assim ao futebol português, onde já representou Santa Clara, Olhanense, UD Leiria e SC Braga. O defesa, atualmente com 30 anos, estava ligado ao Operário de Mato Grosso, do Brasil, mas não enjeitou o convite para representar o clube do Bessa. «É um orgulho enorme vestir a camisola do Boavista e vou dar tudo em campo por este clube», afirmou.
Vila-condenses anunciam mais três reforços
Rio Ave O Rio Ave anunciou, esta quarta-feira, a contratação de mais três reforços: o guarda-redes Rui Vieira (Marítimo) e os avançados Kizito (Covilhã) e José Pedro (Limianos). Rui Vieira, 23 anos, assinou contrato por duas épocas, Kizito (21) por três e José Pedro (22) por quatro. Juntam-se a Aníbal Capela, José Postiga, Pedrinho, Yazalde e Guedes como reforços anunciados pelo clube.
Estádio Municipal do Fontelo chumbado pela Liga
Académico O Estádio Municipal do Fontelo, em Viseu, foi chumbado pela Liga de Clubes, deixando assim o Académico em risco de iniciar a época na Liga 2 em campo emprestado. Os técnicos da Liga estiveram no recinto na terça-feira e concluíram que algumas alterações que eram exigidas não foram efetuadas, nomeadamente a instalação do sistema de videovigilância, a execução de obras nos balneários e nos camarotes e a instalação de torniquetes de controlo individual de entrada no estádio. O estádio terá de
Víctor Fernández pode assumir direção da formação
Real Madrid O espanhol Víctor Fernández, que orientou o FC Porto na época 2004/2005, poderá assumir o cargo de Diretor de Formação do Real Madrid, segundo noticia o jornal espanhol As. A referida fonte garante que as negociações estão muito avançadas e Víctor Fernández poderá ser anunciado pelo Real Madrid nos próximos dias. A ideia dos responsáveis merengues será que Víctor Fernádez coordene todo o futebol de formação do Real Madrid, dando uma estrutura homogénea a todas as equipas, unificando
Negredo fica em definitivo no Valência
Manchester City O Manchester City confirmou que o Valência exerceu o direito de opção de compra sobre o avançado Álvaro Negredo, que na última época já esteve ao serviço do clube espanhol por empréstimo. Negredo, 29 anos, terá custado agora ao Valência 27 milhões de euros, mesmo apesar de ter marcado apenas 7 golos na última época.
«Ficaremos satisfeitos se tivermos Éder», diz treinador do Swansea
SC Braga James Beattie, membro da equipa técnica do Swansea, assume que o internacional português Éder está muito perto de ser reforço do clube. «Se tivermos Éder ficaremos satisfeitos», afirmou Beattie, citado pelo jornal South Wales Evening Post, explicando que o avançado português vai ainda cumprir exames médicos pelo clube. O acordo com o SC Braga já está fechado por verba a rondar os 7 milhões de euros, conforme já foi noticiado por A BOLA.
Sporting contrata ex-benfiquista Tuco
Hóquei em patins O argentino Esteban Abalos, conhecido por Tuco, que alinhou nas últimas cinco épocas pelo Benfica, é reforço da equipa de hóquei em patins do Sporting. «Fiquei muito interessado quando falei com os responsáveis do clube e acredito muito no grupo e nos seus jogadores. Gosto de desafios importantes e aliciantes. O hóquei em patins do Sporting está a subir, já conseguiu ganhar títulos e queremos reforçar isso esta época», afirmou o jogador, de 35 anos, citado pelo site do clube. Depois
Benfica renova com Alessandro Patias
Futsal O Benfica anunciou a renovação de contrato com Alessandro Patias, que fica agora ligado ao clube até 2017. «É um privilégio poder alongar a ligação ao clube. Quero muito continuar a vencer com este emblema histórico ao peito e sinto que poderei colaborar para as muitas conquistas que, juntos, temos pela frente», referiu o pivot, citado pelo site do clube. Nascido no Brasil, mas com nacionalidade italiana, o jogador, de 27 anos, chegou ao Benfica no verão passado, tendo contri
Salazar ganhava 25 contos, Eusébio ganhava 4 (OK, Eusébio ganhava mais, depois, com prémios e luvas e... golos a dois contos)
Estrela de Diamante É a parte 5. Com Eusébio a caminho do Panteão, relembramos-lhe Eusébio – o Eusébio Como Nunca se Viu do livro que A D. Quixote publicou em parceria com A Bola. Mas mesmo que já o tenha lido o livro, não deixe de ir até ao fim – porque, aqui, há muito de novo para ler sobre o Eusébio e o país do Eusébio, o mundo do Eusébio. E não deixe também de atirar os olhos à galeria de fotos – porque para ver o Eusébio como o Eusébio nunca se viu há mais, muito mais ainda, nem o imagina... Em 1951 António Oliveira Salazar tinha um ordenado de 15 contos mensais. Dez anos depois, aumentou-se para 25 e por 25 contos se deixou ficar até morrer a 27 de julho de 1970. Presidente do Conselho deixara de ser mais de um ano antes, entrou Marcelo Caetano para o seu lugar – e Salazar continuou em São Bento, convencido de que continuava a governar o país, numa farsa com toque de Shakespeare, chamando ministros que já não o eram a despacho, dando entrevistas... Quando ainda o era, passava as férias no Forte de Santo António da Barra. (Fazia questão que pagar do seu bolso a renda da parte que ocupava, o valor estipulava-se anualmente de acordo com os preços em vigor nas pensões da Costa do Sol, porque o Estado já lhe dava São Bento para viver, dizia...) Salazar destestava que mulheres fumava, mas não detestava a Cilinha que fumava... Era lá, em São João do Estoril que estava numa manhã quente de 1964 – quando recebeu em visita Cecília Supico Pinto. Nunca o escondeu, detestava que as mulheres fumassem, achava que era um hábito comunista: - ... detestável como eles. Ela fumava – e fora despedir-se dele, antes de viajar para Angola, onde a guerra se espicaçara. Encontrou-o com um pé partido, mostrou-lhe, consternada, a sua preocupação, Salazar retorquiu-lhe: – Oh, menina! O meu pé não tem importância nenhuma, se fosse o do Eusébio, aí sim, aí é que podia ser um desastre nacional! e ela deixou-se levar, enleante, na jogada dele: – Ora aí está uma boa história para eu contar aos rapazes, como eles hão-de gostar Sr. Dr... Não, não eram só os cigarros, também foi o disco com o Eusébio... Cecília Supico Pinto era a Cilinha do Movimento Nacional Feminino. O MNF que mobilizou mais de 300 mil «madrinhas de guerra», distribuiu milhões de maços de cigarros, promoveu campanhas de aerogramas para «levantar a moral dos soldados», lançou um disco de Natal com Amália e Eusébio, Joaquim Agostinho e Hemínia Silva, Florbela Queirós e Francisco Nicholson: - De início, quando chegava às matas africanas, perguntava: Quem é do Benfica? Era metade. Quem é do Sporting? Era a outra metade? Quem é do Belenenses? Era só um, que era do meu clube – então eu dava grande abraço a esse. Como o «telégrafo de mato» era muito rápido passado algum tempo, quando eu perguntava: Quem é do Porto? Quem é do Boavista?. Nada. Quem é do Belenenses? Eram todos do Belenenses e lá tinham eu de andar em abraços e mais abraços, abraços sem fim. Nós sabíamos que isso era o que eles mais queriam, levávamos-lhes bolas de futebol, que comprávamos com os donativos que recebíamos. Outras vezes eram os próprios clubes que nos as davam. Equipamentos desportivos. Também livros. Os que mais gostavam eram os policiais e romances, o Amor de Perdição de Camilo, os do Eça de Queirós. O jogo preferido era o monopólio. Na mata, abriam as latas de atum e de salsicha à pancada, com a G-3 e com pedras, e muitas vezes eram detectados por causa desse barulho e sofriam emboscadas. Começámos então a enviar-lhes abre-latas. Também oferecíamos taças para os campeonatos de futebol entre unidades. Mandávamos cassetes, gravávamos programas. Houve um que teve especial sucesso: um Sporting-Benfica em matraquilhos com o Eusébio, o Simões, o Damas - e o Artur Agostinho a fazer o relato. Muitas vezes eu ia com o camuflado, outras levava só uma saia e uma blusa quando percebi que fartos de camuflados estavam eles... O tio que também foi ministro e antes de ser ministro foi recordista de salto em altura... Cecília Supico Pinto era sobrinha de José Frederico Casal Ribeiro Ulrich. Que só não aceitou o cargo de presidente da Comissão de Obras do Estádio do Restelo porque era então Ministro da Obras Públicas. Sugeriu que dessem o cargo a Henrique Tenreiro. Deram. Nos tempos de estudante no IS Técnico, Ulrich fez atletismo no CIF, foi campeão de salto em altura: - Quando era pequenina, chamavam-me O Quadradinho, porquê não sei. O meu tio José Frederico sempre que me via contava que um dia me chamou: Ó Quadradinho… - e que eu lhe respondi: Não lhe admito intimidades, ouviu?! Tinha três anos e já era assim…Salazar adorava-me pela minha frontalidade, por lhe dizer o que mais ninguém lhe dizia. E pelas anedotas que lhe contava, chorava a rir... Dos Pinto Basto ao fado e o marido... «selecionador nacional» (mas não, não era do futebol, era do que fazia na política...) A juventude passou-a Cilinha em Cascais – entre Palmelas, Avilezes, Galveias, Pinto Bastos, dos Pinto Basto que vinham da família de Guilherme, o Pinto Basto que introduziu o futebol em Portugal e transformou o ténis na Parada num glamour que nunca mais se perdeu: - Era praia, era patinagem, eram os cavalos. Com os namorados jogava-se ao prego na areia, agora dá vontade de rir, era a coisa mais inocente do mundo, e nem se davam as mãos, íamos ao cinema sempre com as precetoras. Ganhou fama a cantar o fado, quis ser enfermeira - e em Abril de 1945 casou-se com Luís Supico Pinto, 13 anos mais velho. Salazar pô-lo a seu Ministro da Economia, depois puxou-o a presidente da Câmara Corporativa – e achava-se que era a eminência parda do regime, havia quem o tratasse por... «seleccionador nacional» pela influência que tinha nas escolhas de governantes (e não só...) se mais vezes não foi ministro, foi porque não quis... Rebentou-lhe uma mina aos pés, salvou um soldado, o brigadeiro do hipismo promoveu-a... Uma vez Cecília Supico Pinto ia de Jipe na mata - e rebentou uma mina: - Foi cada um para seu lado, mortos, braços, pernas... Não fui das mais feridas, apanhei uns estilhaços, ficaram-me para sempre... Não, não foi o maior medo da minha vida. Esse foi no Guileje, na Guiné. Pus a mão sobre uma mina e... tiveram de me puxar o braço para cima muito devagarinho para eu me levantar... Nessa altura, tratavam-me como um soldado. Depois, também na Guiné, um sargento quase a acabar a comissão ficou esmagado debaixo de um camião durante um ataque. Estava moribundo e os enfermeiros da unidade queriam dar-lhe morfina. Eu não deixei. Pedi cobertores e botijas, mandei que o evacuassem para Bissau. Graças a Deus salvou-se – e então o comandante da unidade, o brigadeiro Henrique Calado, aquele que ganhava os concursos hípicos todos, promoveu-me - e toda a gente passou a chamar-me primeiro-cabo Pinto... ...
Estrela de Diamante É a parte 4. Com Eusébio a caminho do Panteão, relembramos-lhe Eusébio – o Eusébio Como Nunca se Viu do livro que A D. Quixote publicou em parceria com A Bola. Mas mesmo que já o tenha lido, não deixe de ir até ao fim – porque, aqui, há muito de novo para ler sobre o Eusébio e o país do Eusébio, o mundo do Eusébio. E não deixe também de atirar os olhos à galeria de fotos – porque para ver o Eusébio como o Eusébio nunca se viu há mais, muito mais ainda, nem imagina... Porque nesse Portugal de Salazar o «respeitinho era muito bonito», se, vinda do fundo da sua rebeldia uma aluna se atrevesse a entrar num liceu (onde rapazes e raparigas se não misturavam...) de minissaia e sem meias, tinha por certo o que a esperava: raspanete da diretora que julgando o «ato obsceno» a expulsava das aulas. Também acontecia amiúde: se uma estudante da Faculdade de Letras fosse apanhada pelo polícia de giro a fumar na paragem do autocarro do Campo Grande (e havia algumas que eram...), ouvia-o papaguear-lhe alínea de uma portaria municipal que considerava que era «atentado ao pudor mulher fumar na via pública» - e via-o passar-lhe multa de 20 escudos. O tabaco era obsessão como o sexo antes do casamento para a MPF e havia cigarros Benfica, cigarros Sporting... O tabaco era como o sexo antes do casamento uma das muitas obsessões da Mocidade Portuguesa Feminina: em todas as suas publicações se aconselhavam as «raparigas de boa moral» a «resistirem à tentação do cigarro», que era um «escândalo», uma «modernice dispensável» - e só para homens, mas só às vezes... Havia os SG: Gigante, Filtro ou Ventil, havia os Sintra, os Kayak, os Ritz, os Negritas, os Populares e os Provisórios, os Orfeu, os Além Mar e os Santa Justa – e ainda havia outras marcas, a tocarem mais ao sentimento: os cigarros 1X2, os cigarros Sporting e os cigarros Benfica. No maço dos Sporting dizia-se que era tabaco «suave e aromático», no maço dos Benfica dizia-se que era tabaco «forte e suave». Custavam entre 3 escudos e 50 centavos e 5 escudos – e, Eusébio não fumava, mas se quisesse podia, no futebol, o fumar não se proibia, não se castigava – a não ser que surgisse, insólito e caprichoso, algum treinador a deixar-se levar pelo espírito da MPF. E foi o que aconteceu com o Belenenses – nesse ano de 1963. 500 escudos de multa para quem fumasse. Não, não era no Benfica - e Eusébio nem fumava... Graças a golos de Eusébio e José Augusto, Portugal fora ganhar à Bélgica por 2-1 e a vitória valeu a cada jogador prémio de 4000 escudos - e nessa mesma noite, o Belenenses empatou na Irlanda com o Shelbourne para a Taça das Cidades com Feira. Tinha um treinador austríaco de maus fígados: Franz Fuchs. Antes da partida, chamara os pupilos a uma reunião de emergência para lhes revelar que a partir daquele instante quem fosse apanhado a fumar pagava multa de 500 escudos. Os jogadores não lhe suportaram a tirania, dois meses depois foi despedido – e voltou a liberdade de fumo. E por A Bola continuaram a aparecer em teto ou em rodapé de alguma página de A Bola anúncios a rasgá-las aos cigarros 1X2. O Totobola era tão passional que servia de chamariz a quase tudo – e em e A Bola também se podia ler: Acerta no Totobola Quem Toma Vitacola (Vitacola era um «energético natural supersaudável» - e uma lata para 25 dias custava 20 escudos...) ...

PORTUGUESES

EMIGRANTES

RÚBEN GUERREIRO: O EXEMPLO DO PORTUGUÊS QUE OS AMERICANOS DESEJAM. Tem 20 anos, já é um exemplo a seguir. Rúben Guerreiro pedala desde que se lembra. Na estante de casa tem um troféu de campeão nacional que venceu aos 18 anos. Começou no BTT e, hoje, o ciclismo é a sua profissão. Nos EUA, no AXEON Cycling Team, todos o adoram. É o primeiro e único português a vestir a camisola do grupo do Estado do Colorado, mas a equipa técnica já confessou a Rúben estar interessada em mais portugueses. O exemplo luso parece ter convencido os americanos. O menino do Barreiro que compete como gente grande Nasceu no Barreiro, Lisboa, em 1994. Aos 11 anos Rúben Guerreiro já pedalava, ingressou pelo Mato Cheirinhos (1 ano) e no Alcobaça recebeu o maior prémio nacional da categoria, em juniores. Ao longo dos anos, poucos para quem ainda tem o futuro pela frente, o ciclista foi levando os desafios cada vez mais a sério. Depois do Alcobaça o percurso foi percorrido até Santa Maria da Feira. Dois anos e o acumular de uma bagagem que o fez voar para os Estados Unidos. O agente português João Correia a viver do outro lado do Atlântico intermediou a ida de Rúben para a América, e apesar de ter assinado contrato em outubro passado só começou a competir pela equipa em março. Uma das primeiras provas do ciclista ao serviço do AXEON foi na Costa Vicentina portuguesa e Rúben ficou em primeiro lugar. Durante dois meses as principais competições foram na Europa. O jovem diz com modéstia que «esta época tem corrido bem», depois de no último sábado ter conquistado o segundo lugar do campeonato nacional de estrada, em Braga. «Ciclismo é a competição mais dura do mundo» Descanso. Descanso é palavra-chave para Rúben, que reconhece que o «ciclismo é a prova mais dura do mundo. Sem descanso ninguém aguenta treinar entre quatro a cinco horas seguidas». Ao todo, por semana os treinos equivalem a 21/22 horas. Agora, de férias em Portugal a preparar a Tour de Utah (EUA) que não é mais que um preparativo para a Tour de Lavenir, conhecida como Volta à França do Futuro, Rúben treina, habitualmente na Serra da Arrábida, com o companheiro Rafael Reis que é «como um braço direito». A privação de uma vida normal «Tenho de me privar de uma vida normal, se quero ter o máximo de rendimento. Não posso sair à noite», admitiu. As saídas, o álcool, são luxos dos quais Rúben não pode desfrutar. A vida de ciclista não é compatível com a idade das loucuras. O jovem disse que a comida americana é muito boa, principalmente, a comida mexicana que encontrou nos Estados Unidos. A verdade é que, muitas vezes, as saladas e uma dieta vegetariana têm de ser opção. O sucesso é resultado daquilo que se abdica de fazer. Claro está que as saudades de estar com os amigos, com a família, e as praias portuguesas fazem falta a quem está longe, mas o sonho é energia para continuar na corrida. Grandes individualidades, equipas nem por isso Para quem conhece duas formas de encarar o ciclismo tão distintas, como é o caso de Portugal e dos Estados Unidos, diz que Portugal é rico em bons ciclistas e não fica atrás dos americanos no que toca a talentos. Em relação a equipas, a situação muda e, «os portugueses restringem-se a muito poucos grupos. A organização lusa também poderia ser melhor... Volta à França do Futuro e o sonho de pedalar até aos 40 Para além de ser ciclista profissional, Rúben Guerreiro considera-se um adepto da modalidade. Ainda agora começou a carreira do jovem, mas o segredo, afirma, é pensar sempre na próxima corrida, sem grandes planos futuros. Poder contar as experiências de uma carreira que termine aos 40/45 anos é o maior sonho de quem quer vencer a Volta à França do Futuro. A promessa continua a pedalar... ...
MANUEL CURTO, AS SAUDADES DO SOL E O RESTAURANTE EM ALGÉS QUE PROMETE SER UM SUCESSO. Fez grande parte da formação no Benfica, passou pela equipa B há quase 10 anos, vestiu a camisola do Estoril e, em 2013, decidiu aventurar-se pela primeira vez no estrangeiro, longe bem longe, no Cazaquistão, onde representou o Taraz. No ano seguinte, nova mudança de clube, país e de estilo de vida, rumo à Polónia e ao Zaglebie Lubin. No início da época que findou, assinou pelo Lierse, da 1.ª Divisão da Bélgica, mais uma mudança, agora para o país das 1001 cervejas. Foi por lá, na pequena cidade de Lier, pouco mais de 35 mil habitantes, no norte do país, que recebeu a melhor notícia em 28 anos de vida: ia (e vai) ser pai! Do Francisco, que é esperado no mês de novembro. O médio confessa que gostava que o primogénito nascesse em Portugal, até porque é em Portugal que o espera outro grande desafio: aventurar-se no mundo da restauração. E também já tem nome o outro menino dos olhos de Manuel Curto, chama-se NATÁBUA, vai estar instalado no renovado Mercado de Algés - vai ser uma espécie de irmão gémeo do de Santos - e, entre muitas outras iguarias, o proprietário desvenda algumas das especialidades da casa, todas, sem exceção, servidas numa tábua. «Optámos por não ter pratos, quem lá for vai ter mesmo de comer numa tábua e garanto que não se vai arrepender. Em primeiro lugar porque vai gostar da experiência, depois porque vai ter a oportunidade de, entre muitos outros pratos, provar bifes de javali, espadarte ou cavalo, carne muito apreciada na Bélgica e prato tradicional», explica Manuel Curto, algo ansioso pelo dia da inauguração, já no próximo mês, em que, feliz coincidência, vai completar 29 anos, mais concretamente a 9 de julho. À procura de um lugar ao sol Na Bélgica um dos choques iniciais, para quem nasceu num país cheio de luz, foi a quase ausência de sol ao longo do ano. «Acordar todos os dias e raramente ver sol mexeu muito comigo. Depois, para piorar ainda mais o cenário, o frio extremo. Curioso: em Portugal queixamo-nos muito mas, agora mais do que nunca, tenho a certeza de que vivemos num paraíso à beira-mar», assinala, sempre muito elogioso em relação ao povo belga. «São extremamente acolhedores, simpáticos e solícitos. Não tem nada a apontar a ninguém, talvez apenas uma coisa: uma das especialidades nacionais são os mexilhões mas garanto que os faço melhor do que eles! E não estou a brincar, afinal vou ter um restaurante e tenho feito alguns estágios culinários», completa. Prioridade aos portugueses Por tudo isto e muito mais (o bebé, o restaurante, as saudades da praia, do sol, da família, dos amigos), Manuel Curto confessa que gostava de voltar a Portugal. Vontade não lhe falta e propostas de trabalho do estrangeiro também não, só que estabeleceu como prioridade regressar. «Tenho clubes interessados, porém, dou prioridade aos portugueses. Tenho 28 anos, ganhei experiência e calo nestas passagens pelo Cazaquistão, Polónia e Bélgica, mas o meu desejo é prosseguir a carreira em Portugal. Sou paciente e estou disponível para um projeto ambicioso», finalizou. ...
MARCO MEIRELES: DO GELO DA FINLÂNDIA AO CALOR DO BRASIL ATÉ AO TÍTULO DE CAMPEÃO EM MACAU. Nasceu na Amadora há 15 anos e cedo começou a lutar pelo sonho de criança: vingar no futebol. Marco Meireles começou a jogar no CAC Pontinha, mas foi no FC Porto que cumpriu a formação. Faz parte da fornada de Ukra, Candeias, Castro e Josué. Seguiu para a Madeira, ainda com idade de júnior, por empréstimo dos dragões, para jogar no Nacional, onde acabou por se estrear como sénior e assinar contrato profissional. Mas, o azar bateu-lhe à porta. Partiu um pé, ficou seis meses sem jogar. Seguiram-se novos rumos, nomeadamente Machico, Aljustrelense e Ribeira Brava. Neste último clube passou pela má experiência de estar meio ano sem receber e foi quando decidiu partir à aventura. Há três anos foi jogar para a Finlândia, na 2.ª Divisão, ao serviço do Sporting Kristina, onde permaneceu oito meses. Em 2014 aceitou o convite do treinador português Paulo Fernandes para ingressar no Grémio Barueri, do Brasil, onde cumpriu nove jogos na luta pela subida da Série C à D, meta que não foi alcançada e o médio acabou por deixar terras de Vera Cruz. Em Macau, onde chegou há sete meses, conheceu a glória de sagrar-se campeão ao serviço do Benfica local, que terminou o campeonato com 47 pontos, um de vantagem em relação ao segundo classificado, o Windsor Arch Ka I. «Agradaram-me as condições apresentadas para este projeto e decidi aceitar, até porque também conhecia o treinador, Bruno Álvares. Gosto muito de cá estar, a integração foi fácil e, embora o nível competitivo não seja muito elevado, a luta pelo primeiro lugar foi renhida. Estou muito feliz pelo título de campeão», realça Marco Meireles. O médio, que tem em Ricardo Quaresma um ídolo, ainda não perdeu a esperança de conseguir um bom contrato para voltar a jogar em Portugal: «É para isso que trabalho todos os dias. Ainda procuro a minha oportunidade nas ligas profissionais portuguesas.» Ao serviço do Benfica de Macau vai jogar a Liga dos Campeões Asiática, que encara como uma montra para, quem sabe, poder dar o salto para um clube superior. - Estou focado em fazer um bom trabalho e ajudar a equipa a conquistar a taça. Depois espero que surja alguma oportunidade para ingressar numa boa liga. A saudade da família, residente na Madeira, é o obstáculo mais difícil de contornar: «Desde pequeno que estou habituado a estar longe, mas custa sempre estar afastado da minha mulher e do meu filho. Estou sempre com a cabeça lá e à espera de poder conciliar as horas para poder falar com eles.» Cordas para apurar a tática Marco Meireles já viveu algumas peripécias e desafiado a escolher uma para partilhar com os leitores, o médio recorda um treino no Sporting Kristina, da Finlândia. - O treinador levava cordas para os treinos e atava-nos. O quarteto defensivo estava envolto nas cordas e os laterais tinhas de cobrir os extremos. Eram sempre uns atrás dos outros, por arrasto. Fiquei surpreendido com este método para apurar a tática risos. No Brasil a adaptação, claro está, foi fácil, ou não estivéssemos a falar do nosso país irmão. «O clima, a comida, a língua, tudo ajuda. Senti-me como se estivesse em casa», conta. Em Macau, onde a vida é bastante acelerada, diz não apreciar a comida chinesa, gosta de ver as placas de trânsito e as indicações nos transportes públicos escritas em português, perde a conta aos números de casinos existentes. «Macau não é muito maior do que a Madeira, mas tem muito mais habitantes, o que torna a vida por aqui frenética, tal como o trânsito. Como ocupo os tempos livres? Não tenho muitos, mas quando posso visito alguns monumentos, vou ao ginásio e tento descansar o máximo possível, pois treinamos duas vezes por dia», salienta. Recentemente, Marco Meireles teve oportunidade de estar mais perto da comunidade portuguesa: «Fomos a uma festa na Casa do Benfica de Macau e, pela primeira vez desde que cá estou, tive a possibilidade de estar com muitos portugueses. Foi uma sensação muito boa.» ...
SIDO JOMBATI E O SONHO CONQUISTADO A PULSO EM TERRAS DE SUA MAJESTADE. Sido Coelho Jombati é um daqueles casos em que a perseverança e força de vontade são a chave para a concretização de todos os sonhos. Ou pelo menos grande parte deles. Filho de mãe angolana e pai guineense, Sido nasceu e cresceu em Cascais. Os primeiros pontapés na bola foram dados nas camadas jovens do Sporting onde aprendeu ao lado de nomes como David Caiado, Fábio Paím, Luís Leal, entre outros. Aos 14 anos, então com idade de juvenil, foi dispensado pelos responsáveis leoninos, mas não baixou os braços. Em mãos tinha duas possibilidades: Estoril e Casa Pia. Escolheu a segunda porque era a que permitia conciliar o futebol com a escola. Naquele que para muitos é considerado um dos passos mais decisivos na carreira de um jovem futebolista – passagem de júnior a sénior – Sido decidiu arriscar e tentar a sorte em Inglaterra. Revela que na altura tinha a possibilidade de cumprir um período de testes no FC Porto B e ainda de assinar por três equipas da zona norte do País. Rejeitou esses cenários para «lutar por um sonho». Não foi sozinho. Com ele seguiu um primo que tinha saído dos juniores do Estrela da Amadora. Começou a aventura na 6.ª divisão inglesa ao serviço do Weymouth. «O início foi difícil mas aos poucos fui-me habituando ao país e à sua cultura que é um pouco diferente da nossa. Pensei várias vezes em regressar mas a verdade é que as condições que nos proporcionam aqui são difíceis de encontrar em outro lugar. Aqui vivem e amam o futebol. Prova disso é que o campeonato não pára nem no Natal nem no Ano Novo. Não passar o Natal em família há sete anos é uma das principais dificuldades», começa por contar a A BOLA o lateral direito português de 27 anos. «Aos 19-20 anos ainda estive para rumar a Chipre, Cazaquistão e França. No entanto, as condições que ofereciam nunca chegavam, nem de perto, aquilo que as equipas inglesas oferecem», acrescenta. O discurso de Sido é pautado por uma humildade genuína. Sem falsas modéstias. Viajou com 18 anos em busca do sonho de ser profissional de futebol e conseguiu concretizá-lo. Para isso teve de ultrapassar inúmeras barreiras. «O frio, a chuva e a alimentação» foram algumas dificuldades, mas nada se compara com o que se viu obrigado a fazer nos primeiros tempos em terras de Sua Majestade. «Cheguei fora das inscrições então tive de arranjar um part-time. Comecei por apanhar copos numa discoteca, limpar casas de banho e ainda trabalhar numa cadeia de supermercados. Isto tudo durante um ano. Mas não me importei porque quando se é jovem tem-se força de vontade. O pior era mesmo conciliar os horários com os treinos porque trabalhava de madrugada. Felizmente o meu pai enviava-me algum dinheiro e consegui ultrapassar essa fase graças a Deus», revela. O que mais gosto no futebol inglês? Os árbitros! Chegou para jogar a médio. Os ingleses viram nele potencial para outras andanças e fixou-se a lateral-direito e não ousou sequer fugir mais dessa posição. Descreve o futebol inglês como sendo mais físico e aponta uma característica que o diferencia de todos os outros campeonatos pelo mundo fora. «Pode parecer estranho vindo de um jogador, mas a verdade é que gosto muito dos árbitros. O que mais aprecio neles é o facto de deixarem jogar e também de ouvirem a opinião dos jogadores durante os 90 minutos. São fantásticos.» Liga e Liga 2 são as duas únicas competições com estatuto profissional no futebol português. Sido dá-nos a conhecer uma realidade completamente diferente. «Aqui qualquer jogador na 4.ª divisão é profissional. Na 5.ª e até mesmo na 6.ª também existem clubes profissionais. Os campeonatos amadores só começam a partir da sexta divisão, onde existem 40 equipas divididas em duas zonas: norte e sul». E será que os adeptos apoiam a sua equipa mesmo em escalões inferiores? Jombati responde prontamente. «Incrível! Não consigo precisar mas temos perto de quatro mil adeptos todos os jogos em casa. O histórico Portsmouth que agora compete na mesma divisão que nós tem uma média de 15 mil pessoas no estádio por jogo.» A caminhada começou precisamente na sexta divisão. Conseguiu a pulso subir até à quarta e já esteve por três vezes na linha da frente para ascender à terceira. Esta temporada foi um dos exemplos. O Wycombe Wanderers, clube que representa desde 2014 após três épocas no Cheltenham Town, assinou uma temporada de relevo – o treinador Gareth Ainsworth venceu inclusive o prémio para treinador do ano – pecando apenas no jogo da final do play-off de subida. «O futebol é mesmo assim. Já é a terceira vez que não subo nos play-offs. Agora em Wembley, com mais de 38 mil pessoas nas bancadas, estivemos a 10 segundos da subida e o adversário acabou por empatar e perdemos nos penalties», diz resignado. Os jogos marcantes: o Chelsea de Mourinho e o Tottenham do ídolo Giovanni dos Santos Dez temporadas em Inglaterra permitem um bom leque de histórias para contar divididas entre os mais de 190 jogos disputados. Os mais marcantes foram aqueles que colocaram Sido diante de equipas da Premier League. Bem perto de Mourinho e...Giovanni dos Santos. «Jogar contra o Chelsea num jogo de treino esta temporada faz parte do lote das boas experiências que já vivi aqui. Já joguei também contra Everton e West Ham, mas o jogo que mais me marcou foi diante o Tottenham para a Taça da Liga [n.d.r. 7 de janeiro de 2012]. O estádio estava cheio e no final ainda consegui ficar com a camisola do Giovanni dos Santos», conta o lateral que não teve o discernimento para falar com o técnico português José Mourinho. «Tive a oportunidade mas não falei com ele porque estava um pouco envergonhado. Estavam muitas pessoas à volta dele e por isso optei por não ir. Mas estou arrependido». Sem garantias de um futuro melhor em Portugal Sido visita Portugal sempre que a sua vida profissional o permite. São poucas as oportunidades, é certo, mas fruto do acaso no dia em que falamos com o lateral direito português o mesmo está de malas e bagagens prontas para partir rumo ao «nosso país». Para já garante-nos que vem só de férias até porque a estabilidade que encontrou fora de portas dificilmente encontrará em terras lusitanas. «Muito dificilmente volto para prosseguir a carreira. Se tivesse a vida organizada apanhava o primeiro avião mas tenho amigos que jogam e jogaram aí na Liga e ganhavam menos do que se estivessem aqui numa 6.ª divisão. Claro que gostava de ter a oportunidade de trabalhar no nosso país. Não escondo isso. Mas a verdade é que aqui consigo ter um futuro melhor», sublinha sem esconder que o esforço valeu mais pelo aspeto financeiro do que pelo fator profissional. «Sinceramente a nível financeiro talvez valeu este esforço de anos, mas a nível profissional nem de perto. Acho que se tivesse ficado em Portugal teria dado o salto. Ainda tenho 27 anos e se no futuro tiver a oportunidade de representar um clube na Liga ou na Liga 2 vou certamente ponderar. Agora vou ficando contente por ver grandes amigos a triunfarem aí». ...
 

sondagem

Seleção de sub-21 merecia ter vencido o Campeonato da Europa?

 

resultados

de ontem
Contratação do médio Imbula será bom negócio para o FC Porto?
  • 47%
  • 53%
  • Sim
  • Não