SEGUNDA-FEIRA, 03-08-2015, ANO 16, N.º 5665
Investidor tailandês oficializa compra de 48% do clube
AC Milan O Milan já não pertence apenas à Fininvest, uma holding empresarial de Silvio Berlusconi. O presidente ‘rossonero’ assinou, este domingo, um acordo com o empresário tailandês Bee Taechaubol, no qual vendeu 48 por cento do clube a troco de 480 milhões de euros. Assim , Berlusconi manterá 52 por cento do emblema de San Siro e, portanto, a maioria, mas liberta-se de quase metade da propriedade. O acordo ainda não está finalizado, dado que só se concretizará com o pagamento dos 480 milhões de
«Temos de melhorar o aspeto defensivo» - Luis Enrique
Barcelona Na sequência da terceira derrota do Barcelona na pré-temporada, desta feita diante da Fiorentina (1-2), Luis Enrique revelou que os ‘blaugrana’ ainda têm muito para evoluir, sobretudo no setor mais recuado da equipa. «O resultado não me preocupa, mas sim outras coisas. Temos de melhorar a efetividade e o aspeto defensivos», sublinhou, em conferência de Imprensa. «Somos muito bons se estamos a 100 por cento, se não estamos, claro que deixamos de ser tão bons. Mas gostei de muitos aspetos do
«O golo vai chegar» - Radamel Falcao
Chelsea Apesar da derrota na Community Shield frente ao Arsenal, o avançado do Chelsea, Radamel Falcao, revelou que a equipa está no bom caminho para uma época de sucesso. «O Arsenal tinha vantagem no marcador e não nos deixaram muito espaço. Queriam manter o 1-0 e assim o fizeram. Tivemos oportunidades, mas não conseguimos marcar. Estamos a crescer a cada jogo, vamos dar luta esta temporada», disse, na zona mista do estádio de Wembley. O internacional colombiano, de 29 anos, estreou-se pelos b
Paulo Sousa vence Barcelona (2-1) na International Champions Cup
Fiorentina O Barcelona despediu-se da International Champions Cup com nova derrota, desta feita diante da Fiorentina (1-2), num encontro disputado em Florença. Ainda sem Messi nem Neymar, o melhor que os catalães conseguiram foi reduzir por intermédio de Luis Suárez, isto depois de Bernardeschi ter bisado para colocar a equipa de Paulo Sousa na frente do marcador. O Barcelona termina a participação nesta competição com balanço negativo: três derrotas frente a Fiorentina, Chelsea e Manchester United;
Nice vence Nápoles (3-2) com selo A BOLA TV
França O Nice venceu, este domingo, o Nápoles, por 3-2, num encontro disputado na Allianz Rivera e que contou com a transmissão em direto e em exclusivo d’A BOLA TV. Alassane Plea (8) inaugurou o marcador para a equipa da casa, mas o Nápoles respondeu e colocou-se em vantagem por intermédio de Callejón (14) e Mertens (20). Seri (39), ex-Paços de Ferreira, voltou a empatar a partida, um resultado que se verificava ao intervalo. No segundo tempo, o jogo decresceu de qualidade fruto do elevado nú
Clubes portugueses foram os que mais lucraram em transferências
Liga Segundo um relatório publicado pela FIFA, com base nos dados do Transfer Matching System (TMS), a Liga portuguesa está a ser mais lucrativa do mundo, tendo angariado 230 milhões de euros em vendas para o estrangeiro. O FC Porto só com Danilo (Real Madrid) e Jackson Martínez (Atlético Madrid) encaixou cerca de 67 milhões, enquanto o Benfica faturou 37 milhões com os passes de Ivan Cavaleiro, João Cancelo e Lima. O Sporting, por sua vez, vendeu Cédric (Southampton) por 6,5 milhões e Naby Sar
Wenger diz que primeira vitória sobre Mourinho foi importante... para a equipa
Arsenal Em 13 jogos contra José Mourinho, Arsene Wenger nunca tinha ganho. O francês garante que essas contas não o afetaram antes da Supertaça, onde acabou por ‘matar o borrego’ e conseguir o primeiro triunfo no frente a frente com o português. «Honestamente, tenho de dizer que isso não me afetou mentalmente. Mas uma vez que falavam sempre nisso nas conferências de imprensa, podia afetar a equipa. Foi importante para a equipa tirar esse aspeto do caminho», reconheceu Wenger em conferência de imprens
Alex Soares marca no empate (1-1) frente ao Nantes
Marítimo O Marítimo empatou, este domingo, a uma bola, frente ao Nantes e continua sem conhecer o sabor da derrota nos jogos de pré-temporada. No Estádio Saint Nazaire, Emiliano Sala adiantou os gauleses, mas os insulares empataram no minuto seguinte por Alex Soares. Após quatro vitórias e três empates, o Marítimo apresenta-se aos sócios e adeptos no Estádio dos Barreiros, na próxima sexta-feira, diante do Las Palmas.
«Muito contente com o meu primeiro golo» - Bueno
FC Porto Autor de um dos golos na vitória do FC Porto (3-0) sobre o Stoke City, Albert Bueno utilizou as redes sociais para expressar a sua felicidade. «Muito contente com o meu primeiro golo pelo FC Porto. Continuar a trabalhar para que cheguem muitos mais», escreveu o avançado espanhol na sua página oficial do Twitter.
Benteke marca na estreia com assistência de João Teixeira
Liverpool Christian Benteke, uma das transferências mais sonantes na Premier League neste defeso, estreou-se pelo Liverpool com um golo na vitória (2-1) sobre o Swindon Town. O avançado, que custou 46,5 milhões de euros ao clube de Anfield, abriu o marcador aos 48 minutos com um remate colocado de fora da área, após jogada construída por João Teixeira. O médio português esteve em ação durante os 90 minutos e criou vários lances de perigo mas as ocasiões foram desperdiçadas por Markovic, Emre Can e A
PSV vence Groningen (3-0) e conquista Supertaça
Holanda O PSV venceu, este domingo, o Groningen, por 3-0, e conquistou a décima Supertaça holandesa do seu historial, mais duas que o rival Ajax. Luuk de Jong (2) e Adam Maher fizeram os golos do conjunto orientado por Phillip Cocu, sendo que, perto do final, Andres Guardado ainda falhou uma grande penalidade.
Gotemburgo goleia antes de receber o Belenenses
Suécia O IFK Gotemburgo goleou em casa o Orebro, por 6-0, partida da 18.ª jornada do campeonato da Suécia que antecede a receção ao Belenenses na segunda ‘mão’ da 3.ª pré-eliminatória da Liga Europa. Gustav Engvall e Jakob Ankersen, com dois golos cada, foram os homens em destaque na equipa de Gotemburgo. O Belenenses parte para a Suécia em vantagem graças à vitória por 2-1 no jogo da primeira ‘mão’.
«O resultado não foi bom, mas estamos melhor» - Espírito Santo
Valência Apesar da derrota frente ao Colónia (2-3), o treinador do Valência, Nuno Espírito Santo, destacou o crescimento da equipa durante os jogos de pré-época. «O resultado não foi bom, mas estamos melhor. Gostei da atitude competitiva. Deixa-me muito feliz, depois de uma semana tão exigente a nível físico», reconheceu, em conferência de Imprensa. «Criámos muitas ocasiões de golo e controlámos a posse de bola. Os golos que sofremos é algo que temos de corrigir mas, no geral, gostei do desempenho
Derrota antecede deslocação do Altach a Guimarães
Áustria O Altach, adversário do Vitória de Guimarães na Liga Europa, foi derrotado (1-2) no campo do Áustria de Viena, em partida da 2.ª jornada do campeonato austríaco. O resultado atira o Altach para o último lugar do campeonato, ainda sem qualquer ponto conquistado. Este jogo antecedeu a deslocação do Altach a Guimarães, onde na próxima quinta-feira joga com o Vitória a segunda ‘mão’ da 3.ª pré-eliminatória da Liga Europa. Os austríacos partem em vantagem após o triunfo (2-1) em casa, na pri
Desportivo da Huíla derrota Académica do Lobito (1-0)
Angola O Desportivo da Huíla derrotou, este domingo, por uma bola sem resposta, o Académica do Lobito, resultado que não impediu o treinador da equipa vencedora, Ivo Traça, de se mostrar preocupado com o que considerou ser «ineficácia na hora de marcar golos». Em declarações à Imprensa após o final da partida, Ivo Traça prometeu «melhorias técnicas» na equipa para a próxima jornada, que o Huíla inaugura num jogo contra o 1.º de Agosto. Atualmente, o Desportivo da Huíla ocupa a 11.ª posição na tab
Resultados da 1.ª fase
Taça da Liga Resultados dos jogos da 1.ª fase da Taça da Liga já realizados. Oliveirense, Feirense, Leixões, Académico, Varzim, Oriental, Penafiel, Portimonense e Atlético são as equipas apuradas para a próxima ronda. Resultados: Sábado: Oliveirense-Farense, 1-1 (5-3) Domingo: Feirense-Covilhã, 2-1 Mafra-Leixões, 0-2 Gil Vicente-Académico, 1-1 (4-5) Chaves-Varzim, 0-2 Oriental-Freamunde, 1-1 (4-2) Penafiel-Olhanense, 2-
Casillas conhece «mito» das balizas
FC Porto Iker Casillas, jogador do FC Porto, partilhou, nas redes sociais, uma foto com um dos melhores guarda-redes alemães de sempre: Harald Schumacher. «Terminámos o nosso estágio por solo alemão e vamos regressar ao Porto. Hoje conheci um mito das balizas: Schumacher! Um prazer», escreveu Casillas, numa publicação na sua conta no Twitter. De realçar que a equipa portista venceu este domingo o Stoke City por 3-0, numa partida a contar para a Colónia Cup.
Aboubakar quer «continuar a ser aposta» de Lopetegui
FC Porto Vincent Aboubakar, autor de um dos golos na vitória do FC Porto (3-0) sobre o Stoke City, salientou a importância de ter regressado às boas exibições. «Foi um jogo típico de pré-época, com uma boa exibição coletiva. O nosso objetivo é preparar o início da Liga», disse o avançado camaronês ao Porto Canal. «Fico contente pelo golo, dá-me confiança. Agora resta-me continuar a trabalhar para continuar a ser uma aposta do treinador», acrescentou.
«Fiquei contente com a minha exibição» - Martins Indi
FC Porto Bruno Martins Indi mostrou-se satisfeito depois de ter realizado os primeiros 90 minutos da época na vitória (3-0) frente ao Stoke City. «Senti-me bem. Nos últimos minutos já estava muito cansado, mas tentei continuar concentrado. Fiquei contente com a minha exibição», revelou, em declarações ao Porto Canal. Apesar do triunfo, o defesa internacional holandês deu ‘um puxão de orelhas’ aos companheiros de equipa por não terem mantido o mesmo nível exibicional ao longo do encontro:
FC Porto vence Stoke City (3-0)
FC Porto O FC Porto venceu, este domingo, o Stoke City, por 3-0, com golos de Aboubakar (33), Bueno (38) e Brahimo (70, gp), no último encontro da Colónia Cup. Apesar do triunfo, os dragões ficaram no segundo lugar da competição, conquistada pelo Colónia.
Mourinho atirou medalha para a bancada
Chelsea José Mourinho não quis guardar a medalha que recebeu após a Supertaça de Inglaterra, perdida para o Arsenal. Atirou-a para a bancada antes de abandonar o relvado de Wembley. «Era a medalha do derrotado», justificou o treinador português depois do jogo, em declarações à BT Sport. A medalha caiu nas mãos de Bobby Gil, um rapaz de 10 anos. «É uma boa lembrança para ele», acrescentou Mourinho.
Filial do Belenenses vai ser reabilitada
Guiné-Bissau A sede do Clube Futebol «Os Balantas» de Mansoa, na Guiné-Bissau, filial do Belenenses de Portugal, vai receber obras de reabilitação, anunciou, este sábado, o primeiro-ministro, Domingos Simões Pereira. Alvo de bombardeamentos durante a guerra civil, a sede do clube estava há 16 anos em avançado estado de degradação e abandono. Além da sede do clube, está também prevista a requalificação do Estádio Corca Show.
Al-Taawon de José Gomes vence Go Ahead Eagles (3-1)
Arábia Saudita O Al-Taawon, equipa da I Liga da Arábia Saudita treinada pelo português José Gomes, derrotou o Go Ahead Eagles, por 3-1, no jogo de final de estágio realizado em Horst, na Holanda. Os jogadores de José Gomes revelaram-se superiores ao adversário, deixando boas indicações para a nova época que se avizinha. «Foi um excelente treino com o Go Ahead Eagles. Estivemos muito bem na construção de situações de finalização e fomos fortes a defender», defendeu o técnico luso em declarações ao seu site o
Libolo vence Domant FC (3-0) e reforça liderança
Girabola O Recreativo do Libolo derrotou este domingo, no Bengo, o Domant FC, por 3-0, em jogo a contar para a 19.ª jornada do Girabola-2015. Fredy foi autor de dois golos e Brito marcou o outro para os libolenses, todos no segundo tempo da partida. Com este triunfo, o Libolo reforça a liderança, somando assim 42 pontos. O segundo lugar da tabela classificativa pertence ao Benfica de Luanda, que tem 38 pontos.
Fognini perde a cabeça com Nadal (Vídeo)
Ténis Rafael Nadal conquistou hoje o torneio de Hamburgo, ao derrotar na final o italiano Fabio Fognini. O italiano mostrou descontentamento pelo facto do tenista espanhol demorar muito tempo a servir, e a preparar-se para a resposta. Fabio Fognini subiu o tom de voz, reclamou, mas no fim a vitória sorriu mesmo a Nadal.
Figuras do futebol no casamento de Jorge Mendes
Sociedade Várias figuras de futebol estão presentes no casamento de Jorge Mendes e de Sandra Mendes, numa cerimónia que se encontra a decorrer na Igreja São João Baptista, na Foz do Douro, cidade do Porto. Cristiano Ronaldo chegou à igreja por volta das 16 horas na mesma viatura em que seguia o noivo, Jorge Mendes, noticia a edição online do Jornal de Notícias. O craque português partilhou uma fotografia, através das redes sociais, em que surge com o amigo Ricardo Regufe. «Prontos para quebrar a
«Esta era a vitória que tanto ambicionava» - Filipe Cardoso
Volta a Portugal O português Filipe Cardoso (EFAPEL) não escondeu a satisfação por cruzar a meta em primeiro na Senhora da Graça, onde fechou a 4.ª etapa da Volta a Portugal. «Este esforço valeu a pena, esta era a vitória que tanto ambiciona», disse no final da tirada, admitindo que «as descidas acabaram por ajudar» e ter importância para o desfecho da corrida.
«Talvez tivéssemos um complexo com o Chelsea» – Wenger
Arsenal O treinador do Arsenal, Arsene Wenger, reconheceu que após o golo frente ao Chelsea jogaram mais defensivamente e essa situação estava ligada ao complexo que os «gunners» tinham com o Chelsea. «Sofremos muito fisicamente e o relvado não estava muito bom. Ganhámos vantagem e se calhar protegemos em demasia a vantagem, mas nós queríamos vencer a todo o custo», afirmou Wenger, em declarações à BT. Após 14 jogos contra José Mourinho o treinador francês conseguiu finalmente conquistar um
Filipe Cardoso vence no alto da Senhora da Graça
Volta a Portugal Vitória portuguesa no alto da Senhora da Graça! Filipe Cardoso (Efapel) foi o mais forte nos 160 quilómetros que ligaram Alvarenga a Mondim de Basto, na quarta etapa da Volta a Portugal. Jóni Brandão (Efapel) foi segundo, enquanto o camisola amarela Gustavo Veloso (W52-Quinta da Lixa) completou o pódio e reforçou a liderança, com 17 segundos de vantagem sobre Delio Fernández. Classificação da 4.ª etapa: 1. Filipe Cardoso (POR), Efapel, 04h 26m 14s 2. Jóni Brandão (POR), Efapel

classificações

Liga
Liga 2
1. ª jornada
2. ª jornada
classificação
1. ª jornada
2. ª jornada
classificação
21-08
Rio Ave
20:30
SC Braga
Sport TV1
22-08
Sporting
18:30
P. Ferreira
Sport TV1
22-08
Marítimo
20:45
FC Porto
Sport TV1
23-08
V. Guimarães
17:00
Belenenses
Sport TV1
23-08
Estoril
17:00
Moreirense
23-08
Nacional
17:00
União
23-08
Boavista
17:00
Tondela
23-08
Arouca
19:15
Benfica
Sport TV1
24-08
Académica
20:00
V. Setúbal
Sport TV1
15-08
SC Braga B
-
Gil Vicente
15-08
Freamunde
-
Varzim
15-08
SC Covilhã
-
Chaves
15-08
Feirense
-
Aves
15-08
Benfica B
-
Penafiel
15-08
Santa Clara
-
FC Porto B
15-08
Farense
-
Oliveirense
15-08
Portimonense
-
Académico
15-08
Mafra
-
Sporting B
15-08
Famalicão
-
Olhanense
15-08
Leixões
-
Atlético
15-08
Oriental
-
V. Guimarães B
J
V
E
D
G
P
1
Benfica
0
0
0
0
0-0
0
2
FC Porto
0
0
0
0
0-0
0
3
Sporting
0
0
0
0
0-0
0
4
SC Braga
0
0
0
0
0-0
0
5
V. Guimarães
0
0
0
0
0-0
0
6
Belenenses
0
0
0
0
0-0
0
7
Nacional
0
0
0
0
0-0
0
8
P. Ferreira
0
0
0
0
0-0
0
9
Marítimo
0
0
0
0
0-0
0
10
Rio Ave
0
0
0
0
0-0
0
11
Moreirense
0
0
0
0
0-0
0
12
Estoril
0
0
0
0
0-0
0
13
Boavista
0
0
0
0
0-0
0
14
V. Setúbal
0
0
0
0
0-0
0
15
Académica
0
0
0
0
0-0
0
16
Arouca
0
0
0
0
0-0
0
17
Tondela
0
0
0
0
0-0
0
18
União
0
0
0
0
0-0
0
J
V
E
D
G
P
1
Académico
0
0
0
0
0-0
0
2
Atlético
0
0
0
0
0-0
0
3
Aves
0
0
0
0
0-0
0
4
Benfica B
0
0
0
0
0-0
0
5
Chaves
0
0
0
0
0-0
0
6
Famalicão
0
0
0
0
0-0
0
7
Farense
0
0
0
0
0-0
0
8
FC Porto B
0
0
0
0
0-0
0
9
Feirense
0
0
0
0
0-0
0
10
Freamunde
0
0
0
0
0-0
0
11
Gil Vicente
0
0
0
0
0-0
0
12
Leixões
0
0
0
0
0-0
0
13
Mafra
0
0
0
0
0-0
0
14
Olhanense
0
0
0
0
0-0
0
15
Oliveirense
0
0
0
0
0-0
0
16
Oriental
0
0
0
0
0-0
0
17
Penafiel
0
0
0
0
0-0
0
18
Portimonense
0
0
0
0
0-0
0
19
Santa Clara
0
0
0
0
0-0
0
20
SC Braga B
0
0
0
0
0-0
0
21
SC Covilhã
0
0
0
0
0-0
0
22
Sporting B
0
0
0
0
0-0
0
23
V. Guimarães B
0
0
0
0
0-0
0
24
Varzim
0
0
0
0
0-0
0
Estrela de Diamante A Eusébio Cup é no México e no México viveu Eusébio uma parte atribulada da sua aventura pela América. Não, não foi só como jogador do Benfica – foi, sobretudo, quando deixou de ser jogador do Benfica. Essa é a história que aqui se conta – por entre tantas, tantas, outras. E é assim que se fecha uma viagem fantástica pela sua vida – de Mafalala ao Panteão... Ainda não tinha sequer levado pelo seu fascínio o Benfica a bicampeão europeu nos 5-3 ao Real Madrid em Amesterdão e já Eusébio tinha o mundo a seus pés. Wolf Lyberg, jornalista sueco do IB-Idrotsbladet, que já se encantara com os «três golos magníficos que pareciam tiros de canhão» que marcara em Paris ao Santos de Pelé, na primeira vez em que defrontara o Santos e o Pelé, escreveu: «Para mim, para o planeta, Eusébio ganhou um novo nome: Eusébio Navarone, Navarone como os canhões». 3000 contos eram 3000 contos, sobretudo depois do que perdeu... Pois, se a fama chegara cedo, a fortuna nem por isso: - Fomos campeões, campeões de 1974/75, e o Benfica libertou-me, enfim, para eu ir à minha vida. No fundo, para eu recuperar o que tinha perdido ao longo do tempo para não deixar o Benfica, para recuperar o o que tinha perdido em Moçambique: com a independência, os gajos nacionalizaram tudo o que eu lá tinha: casas, terrenos – e quem mo tirou foram os gajos com quem eu tinha andado na escola, com quem eu tinha crescido em Mafalala, jogado à bola em Mafalala. Sim, era um homem rico, mas rico por aquilo que tinha ganho na bola mais do que pelos apartamentos e terrenos. Parti e senti logo saudades do Benfica, mas 3000 contos eram 3000 contos... (Era muito? Depende. Por essa mesma altura, Yazalde trocara o Sporting pelo Marselha por 12 500 contos...) Cunhal não queria eleições, mas houve... Vasco Gonçalves, o Primeiro Ministro do PREC, começara, entretanto, a tropeçar nos seus devaneios: - Não podemos perder por via eleitoral aquilo que tanto tem custado ao povo, a revolução. e Álvaro Cunhal deu-lhe aconchego: - As eleições não têm nada ou têm muito pouco a ver com a dinâmica revolucionária, Portugal nunca terá uma democracia burguesa. O MFA não cedeu às pressões e aceitou que se fizessem as eleições para a Assembleia Constituinte. estavam marcadas para Foram a 25 de Abril de 1975. Ganhou-as o PS. A 25 de Abril de1975 fizeram-se, enfim, mesmo contra o desejo de Álvaro Cunhal e do PCP, as eleições livres. O República titulou: «Às 4 da manhã já havia eleitores nas portas das assembleias de Lisboa». Depois, ao longo do dia, um pouco por todo o lado, viu-se gente, muita gente, várias horas em bichas à espera de colocar na urna boletim feito em papel oferecido pela Suécia, numa delas, um repórter apanhou de Olinda Alcobia: - Tive de deixar a minha menina de 4 anos sozinha em casa, mas eu tinha de votar, tinha de aproveitar a liberdade, esta coisa maravilhosa que o 25 de Abril deu ao povo A seguir às eleições, a notícia foi: 80 mil dólares para Eusébio... O PS elegeu 115 deputados, o PPD 80, o PCP 30, o CDS 16 e o MDP/CDE 5 – e nem Artur Jorge pelo MDP/CDE, nem António Simões, pelo CDS, conseguiram lugar em São Bento – e no dia seguinte por entre o frenesim que o ato causou pelos jornais, anunciou-se que os Oceaneers de Rhode Island acordara contrato de 80 mil dólares (que eram, então, cerca de 2000 contos...) com Eusébio – e o seu presidente ainda disse mais: - É um compromisso por 12 meses, pagáveis a 200 contos por cada 30 dias... Ainda não se sabia se o Benfica o dispensaria ou não (Simões já se sabia que sim...) e, por isso, num sinal desses novos tempos, no Diário de Lisboa escreveu-se: «Afastados da selecção nacional e perto do ocaso das suas carreiras, temos de convir que a proposta é deveras tentadora. Isso mesmo o deverá reconhecer o Benfica, cujos dirigentes não deixarão de seguir, em relação a Eusébio, o mesmo critério que adoptaram no caso Simões, autorizando-o igualmente a sair do Benfica. Privar o jogador de aproveitar esta oportunidade seria um grave atropelo ao sagrado direito ao trabalho que não estaria nunca no espírito dos dirigentes do Benfica...» Estados Unidos perderam o Vietname, Eusébio ganhou a América... Cinco dias depois, na capa do República havia notícia de que a peça Três Marias subira a cena em Washington – e a manchete era a que contava o fim da Guerra no Vietname com a derrota dos americanos. E sim, já se sabia também que sim – que Borges Coutinho aceitara desligar Eusébio do contrato que ainda tinha com o Benfica para poder «ir ganhar a vida» à América... ...
Estrela de Diamante Com Eusébio pelos Estados Unidos, Portugal começou, devagarinho, mas agitado, a desfazer-se do Verão Quente que se atiçara quando ele para lá foi. Nas festas do 1º de Maio de 1975, o PCP proibira Mário Soares, o líder do partido que ganhara as eleições de discursar. O PS pediu ao FC Porto as Antas e no comício que lá fez pela «democracia de verdade» estiveram 50 mil pessoas. Arrastou mais 100 mil para a manifestação da Fonte Luminosa, apesar de o COPCON, a força militar comandada por Otelo Saraiva de Carvalho, ter levantado barragens à entrada de Lisboa – e Costa Gomes, o Presidente da República que substituíra António de Spínola, percebeu o destino a mudar: - O povo já não está com o MFA... Cocktails molotov e o fim do PREC do filho do treinador campeão no Benfica O PCP ainda fez em Montemor-o-Novo ação para exortar à «defesa da revolução, custasse o que custasse», ensinou aos seus militantes o fabrico de cocktails molotov – mas a 12 de Setembro de 1975 o gonçalvismo, esse frenesim radical sob o signo de Vasco Gonçalves, o filho de Vítor Gonçalves que fora o primeiro treinador a fazer do Benfica campeão, apagou-se. Tinham sido mais do que 452 dias quentes – 452 dias avassaladores. O tio-avô de Bruno de Carvalho e a fumaça das bombas a rebentar... Com a inesperada bênção de de Otelo e o arrimo do PS e PPD foi Pinheiro de Azevedo a Primeiro-Ministro. Por essa altura já tinha um sobrinho-neto chamado... Bruno, Bruno de Carvalho – e sim, é mesmo esse: o presidente do Sporting! No seu governo pôs Melo Antunes, Salgado Zenha e Almeida Santos (que fora jogador de voleibol da Académia, tal com Adriano Correia de Oliveira, o cantor). Quatro dias após a posse deficientes das forças armadas desaguaram em Belém e deixaram o governo sequestrado seis horas, o restabelecimento da ordem coube aos comandos da Amadora de Jaime Neves. Era ainda o tempo das manifs e das contra manifs – e a 9 de Novembro convocou-se para o Terreiro do Paço uma a favor do governo. De súbito, a atemorizar quem lá estava, rebentaram bombas do PRP e granadas de fumo da Polícia Militar – e Pinheiro de Azevedo da varanda do palácio bradou: - É só fumaça, o povo é sereno! Os deputados à fome, o governo em greve...Nem 72 horas passaram – e trabalhadores da construção civil entrincheiraram-se junto à Assembleia Constituinte. Vaiaram Pinheiro de Azevedo. Que exigiu a Otelo brigada do COPCON para desfazer o cerco ao Parlamento, ele não lhe obedeceu. 36 horas ficaram deputados à fome, queixaram-se. (Os do PCP não, puderam entrar e sair, vitoriados, aclamados.) Cá fora, gritou-se, vezes sem conta: - Pinheiro de Azevedo fascista... fascista... fascista... até que ele, explosivo, retrucou: - Vão à bardamerda... Bardamerda para o fascista... Da Avenida da Liberdade com betoneiras e tractores de reboque das zonas da Reforma Agrária largou, depois, a «manifestação unitária popular». Desembocou no Terreiro do Paço e na mensagem que enviou para ser lida por um soldado, Otelo, afirmou que o Terreiro deixara de ser do Paço, passara a ser do Povo - e exortou trabalhadores e militares a avançarem para a «revolução socialista». Pinheiro de Azevedo respondeu-lhe com ato como nunca se vira: pôs o governo em greve, largou mais uma bombástica frase: - Já chega... Não gosto de ser ofendido, não gosto de ser sequestrado, pá, chateia-me... «Se não me segurassem, matava-o...» A 23 de novembro, houve mais uma jornada para o Nacional – e o FC Porto empatou em Aveiro com o Beira-Mar, deixando Stankovic, o seu treinador, em cada vez mais maus lençóis. O Benfica também empatou, mas em Braga – mas, mesmo sem Eusébio, continuou, com Mário Wilson ao leme, de vento em popa a caminho do título. O Sporting? O Sporting, que nesse ano andara sobretudo em contradança, vá lá: ganhou ao Belenenses. Horas depois, Ramalho Eanes, Melo Antunes, Vasco Lourenço e Jaime Neves foram a Belém dar conta da intenção a Costa Gomes - e Neves contou: - Se não me segurassem eu matava-o. Atirei-me a ele, agarrei-lhe o pescoço, sim até o matava... Porque ele, que era o PR, o Chefe do Estado Maior, não queria assumir nada, a responsabilidade das operações militares, só dizia que os outros eram coitadinhos e por aí adiante, não, não estava hesitante, estava cheio de medo, cheio de medo... A morte do jogador de basquetebol e Jaime Neves com Jorge de Brito... Era já 25 de novembro: quando no Ralis, onde os soldados tinham feito um juramento revolucionário de punho fechado, Dinis de Almeida e Carlos Fabião foram presos, os revoltosos entregaram-se, em catadupa, ao capitão Salgueiro Maia. Estando a Polícia Militar a entregar-se também na Ajuda ao pelotão de comandos de Jaime Neves – uma milícia popular disparou de um prédio fronteiro e matou-lhe três homens. Um deles, José Eduardo Coimbra, era grande esperança do basquetebol nacional, estava miliciano na Amadora, jogava na equipa do BPM, no Porto. (Em 1981 Jaime Neves passou à reserva, foi trabalhar para Jorge de Brito como seu gestor de propriedades. Continuou a acompanhar o clube para todo o lado - era ritual que tinha desde os tempos de Eusébio, que só não cumpria quando andava po África fazer-se herói. Comandara a companhia 2045, uma das últimas forças especiais a deixar a guerra colonial - e nela se inspirou para, com mais seis comandos, fundar uma empresa de segurança: 2045, o seu último projecto de vida...) ...

PORTUGUESES

EMIGRANTES

«EM MOÇAMBIQUE NÓS PODEMOS SONHAR...» - JOSÉ FERNANDO TAVARES . José Fernando Tavares é presidente, treinador e dirigente no Futebol Clube da Beira, da segunda divisão moçambicana. E se mais funções houvesse mais José faria. O protejo está a ser desenvolvido, principalmente, a pensar na formação dos jovens da cidade da Beira e a tentar retirar o máximo de miúdos da rua. A pobreza do país mistura-se com a beleza natural das praias e com a bondade genuína das pessoas. Na verdade, aquilo que levou José ao primeiro país estrangeiro que conheceu, com 40 anos, não foi só o futebol, mas a empresa de construção civil de que é proprietário. Há três anos na antiga colónia portuguesa admite que «os moçambicanos vivem o hoje e o futuro a Deus pertence», e que os portugueses vivem demais o amanhã. «Quem quiser viver mais livre tem de conhecer Moçambique», aconselha. O senhor do futebol da Beira nasceu em Vila Nova de Gaia e apaixonou-se pela vida que escolheu além-fronteiras. Os miúdos da rua já lhe chamam de «pai», mas regressar é uma ambição que está sempre no horizonte. O projeto da formação que ainda anda com ‘a casa às costas’ O projeto que José agarrou no início de 2013, cinco meses após ter emigrado, passa por muitas dificuldades, também inerentes ao nível de vida do país. A prioridade é, antes de mais, construir um campo onde os jogadores possam treinar, uma vez que, neste momento, o clube teve de alugar um espaço na Universidade Católica. José assumirá os custos que o campo, balneários e infraestruturas acarretarão e agora só espera que o Município aprove um terreno para dar início às obras. Este projeto para além da vertente técnica tem ainda uma vertente social: a Taça da Alimentação, da Saúde, da Cidadania, do Ambiente e das Interprovinciais fazem parte do plano que José Fernando se prepara para apresentar e que aguarda pelo interesse de investidores. José Fernando na pré-época e Caló durante a temporada Inicialmente, Moçambique era sinónimo de trabalho, mas a vontade de continuar ligado ao futebol sempre se manteve. Em Portugal, foi treinador principal do Sporting Clube Vista Alegre e do Gafanha D’Aquem, de Aveiro, ambos da divisão Distrital. O primeiro convite em Moçambique adivinhava-se um sonho. José até fez a pré-época no Têxtil de Pungué, equipa que à época militava na Moçambola, contudo, devido a um problema nas equivalências - o curso de 2.º nível de treinador não foi reconhecido - José foi substituído por Carlos Manuel, mais conhecido por Caló – atual treinador do Ferroviário de Maputo. «Em Moçambique nós podemos sonhar...» «O futebol em Moçambique é como o futebol de há 40 anos atrás em Portugal», e é por isso que Tavares reconhece que ainda há muita margem para crescer. «Aqui há futuro... Em Moçambique nós podemos sonhar.» Com o 3.º nível de treinador, tirado no país africano, o empresário de 43 anos sublinhou que quem trabalhar com paixão e entrega consegue destacar-se e marcar pela diferença. Três anos e já se notam melhorias... Alugar uma casa na Beira pode custar 1000 euros e o ordenado mínimo é de cerca de 110. «Há muita pobreza e muita gente a dormir em casas improvisadas onde chove lá dentro», testemunhou José. O que mais o impressionou quando chegou à Beira foi o estado em que encontrou as ruas, os jardins e espaços de lazer da cidade, mas Tavares afirma que desde então as melhorias são visíveis, uma vez que «o Município da Beira tem vindo a fazer um excelente trabalho» no aperfeiçoamento da qualidade de vida dos habitantes. «Tenho pena que os governantes portugueses maltratem Portugal, porque as nossas condições de vida, trabalho e futebol são fantásticas», comparou. Com um pé em Portugal...outro em Moçambique No futuro, nas previsões de José daqui a seis anos, o sonho é voltar para a pátria lusa e formar uma equipa satélite que estabeleça um câmbio entre Portugal e o Futebol Clube da Beira. «Quero criar uma imagem o mais positiva possível e continuar ligado a Moçambique!», rematou. ...
ARI OLIVEIRA, OS SONHOS DO ASPIRANTE A JORNALISTA DE ALVALADE A LUANDA. A história de Ariclene Assunção Oliveira é prova de que a vida por vezes dá voltas que nem sempre esperamos. Algumas agradáveis surpresas, outras nem tanto. A de Ari é especial. Nasceu em Angola mas foi em Portugal que cresceu como homem e jogador profissional de futebol. Deixou as raízes para trás aos cinco anos devido aos tempos difíceis que se viviam em Angola. A sua mãe entendeu que o melhor para ele seria rumar a território português para poder ter um crescimento sustentado ao lado de uma tia que estava disponível para o receber. E assim foi em Salvaterra de Magos, município de Santarém. Longe de imaginar o que o futuro lhe reservava. Começou por fazer um percurso igual a tantas outras crianças ao conciliar os estudos com o futebol no clube da ‘terra’. Aos oito anos o Salvaterrense participou num torneio local em que estavam olheiros do Sporting e um menino do lado esquerdo da defesa despertou particular interesse a Aurélio Pereira. No final da competição, o responsável máximo do departamento de prospeção da equipa de Alvalade pediu os dados de Ari. Primeiro sonho cumprido. Apesar do nervosismo dos treinos de captação, Ari confirmou as credenciais num universo de cerca de 50 jovens jogadores que procuravam agarrar ali uma oportunidade nas escolas do Sporting. Por lá ficou dos oito aos 18. Precisamente dez anos. «Foram anos incríveis. Terminei a minha passagem em Alvalade sagrando-me campeão Nacional de Juniores. Antes disso também fui ainda campeão de escolinhas, iniciados, campeão distrital, onde era o capitão dessa equipa», começa por recordar Ari Oliveira, de 22 anos, a A BOLA. «O Nacional de Juniores foi o título mais importante a nível de formação», reforça o lateral esquerdo luso-angolano que alinhava ao lado de nomes como William Carvalho (Sporting), Luís Ribeiro (Sporting), Amido Baldé, Nuno Reis (Metz, França), Renato Neto (Gent, Bélgica) e Cédric Soares (Southampton, Inglaterra). Em Coimbra para jogar na Académica e estudar... Jornalismo! Após dez anos na Academia do Sporting, Ariclene decidiu dar um novo rumo à carreira. O desejo de jogar mais do que no primeiro ano de juniores foi um dos principais motivos, mas a verdade é que os...estudos também foram importantes para esta tomada de decisão. Confessa que foi sempre «muito dedicado aos estudos» e então nesse ano concorreu para várias universidades do país e entrou em Coimbra. Curso? Jornalismo. «Desde os tempos do ensino secundário que senti esse interesse pelo jornalismo tendo em conta o gosto pela comunicação, leitura e escrita. Reuni-me, então, com os meus familiares e com o Sporting e concordámos que a melhor opção era seguir para Coimbra». A nível desportivo a experiência começou por correr bem mas infelizmente uma lesão grave no perónio impossibilitou-o de terminar a época e de concretizar o objetivo de ascender aos seniores dos estudantes. Chegou a ponderar desistir e concentrar-se exclusivamente na universidade, contudo, o sonho falou mais alto. «Nasci com o futebol no sangue. É a minha paixão. Os médicos transmitiram-me confiança de que voltaria a jogar e fui atrás do meu sonho de criança», diz num tom emocionado. Ponto prévio: não foi fácil. (Re)começou no Sporting de Pombal, que na altura competia na 3.ª divisão, e mentalizou-se que tinha de dar o máximo para voltar a subir. Futebol mais físico contra uma força de vontade tremenda. Três meses foram suficientes para provar a todos, principalmente a ele próprio, que era capaz de voltar ao que era. É verdade, o telefone tocou e o indicativo apontava para um número...angolano. Do outro lado estava o diretor-geral do recém-campeão Recreativo do Libolo, Bruno Vicente, que o acompanhava e conhecia desde os tempos dos juvenis do Sporting. Regresso a Angola para perto da mãe...e do pai com quem não tinha contacto há 15 anos Segundo sonho cumprido. A notícia a dar conta da hipótese de regressar a Angola para prosseguir a carreira foi recebida com entusiasmo por Escolástica. Tinha finalmente a possibilidade de ficar mais próxima do filho. Ari estava igualmente feliz mas sabia de antemão que tinha mais uma vez de deixar muita coisa para trás. «Não foi fácil. Ia deixar de viver em Portugal onde estive 14 anos e a faculdade em Coimbra. Contudo tinha uma grande ambição de chegar a um clube que tinha acabado de se sagrar campeão e que iria disputar a Liga dos Campeões Africanos», sublinha o lateral. A adaptação correu bem, não sentindo grandes dificuldades no que toca ao aspeto cultural. Admite que existem «jogadores com qualidade técnica» mas não esconde que «a maioria das equipas prima pela força». Já os adeptos são «animados, exigentes e vibram a cada jogada durante os 90 minutos». A viagem de regresso a Angola trouxe-lhe ainda uma agradável surpresa. Daquelas inesperadas. O pai, com quem tinha perdido o contacto aos cinco anos, voltou a ser uma realidade na sua vida. «Sempre tive uma ligação muito forte com a minha mãe. Apesar da distância, mantivemos sempre contacto diário e ela sempre me apoiou. Infelizmente com o meu pai não se passou o mesmo. Perdi o contacto com ele aos cinco anos e só quando regressei a Angola é que voltei a falar com ele e a vê-lo. Admito que foi algo difícil de digerir, a ausência, mas agora temos falado mais e há que recuperar o tempo perdido», garante sem ressentimentos e feliz pelo desfecho. Anos históricos no Rec. Libolo e passagem para Luanda para representar o Petro Dois anos «fantásticos» no Recreativo de Libolo ficaram eternizados na conquista do título em 2012 e na viagem entre Tanzânia, África do Sul, Camarões, Sudão e Nigéria para jogar a Liga dos Campeões Africanos, competição onde a equipa do Calulo acabaria mesmo por fazer história. «Devido ao ranking, o campeão de Angola tem que passar cerca de três a quatro eliminatórias para depois chegar à fase de grupos. Há dez anos que nenhuma equipa angolana o conseguia e nós fizemos esse feito. Tive a felicidade de participar em todos esses jogos», refere Ari. Finda a experiência em Libolo seguiu-se a passagem para Luanda para representar o histórico Petro, clube com mais títulos de campeão no seu palmarés (15). O convite partiu do vice-presidente dos petrolíferos que conseguiu convencer o lateral esquerdo. E já lá vão dois anos com a nova camisola. «No primeiro ano foi a adaptação a um novo clube, novos colegas e nova realidade. Tentei integrar-me ao máximo. Neste segundo ano, já mais adaptado, as coisas estavam a correr-me bem, tinha feito todos os jogos até surgir uma lesão que me obrigou a ser operado em Portugal. Mas já estou na fase de recuperação e espero voltar rapidamente aos relvados.» Regressar a Portugal e o Jornalismo que continua bem vivo em...Angola Ariclene Oliveira tem planos para o futuro, mas prefere apontar baterias para o presente e na recuperação que «é o mais importante neste momento». Demonstra uma enorme vontade de vencer. Aos 22 anos não tem medo de voar e gostava de voltar a Portugal ou para a Europa. Afinal esse é o sonho de todos os jovens... «O futuro é sempre incerto. Quem está no futebol sabe que a qualquer momento se pode mudar de rumo. Como qualquer jovem que joga em Angola, gostaria de um dia dar o salto para um campeonato europeu, seja em Portugal ou noutro», admite sem esquecer a outra atividade muito importante para si: os estudos! «Neste momento tenho dado continuidade aos estudos em Luanda. Não se pode parar.» Terceiro sonho por cumprir. Chegar aos Palancas Negras é um dos objetivos, leia-se sonhos, que Ari tem por cumprir. Já representou os sub-17 e os sub-23 mas falta a cereja no topo do bolo. Convicto das suas capacidades, garante que vai lutar até ao fim para que esse dia chegue: «Com trabalho e dedicação sei que posso lá chegar!», frisa. O bom de ser português e angolano! Pergunta difícil para término de conversa. Sente-se mais português ou angolano? «Sinto que tenho um bocado dos dois. Sangue angolano. Cresci em Portugal. Adoro os dois países e sinto-me em casa estando num ou noutro!», remata. ...
MARC DOS SANTOS, O PROFESSOR SCOLARI E O RECORDE BATIDO NO CANADÁ. Marc dos Santos é um treinador em alta, no Canadá. A sua equipa, o Ottawa Fury, que luta pelo título da NASL (North América Soccer League) bateu um recorde de 43 anos ao conseguir estar 648 minutos sem sofrer golos e seis jogos consecutivos com as redes invioladas. Um feito que começa no guarda-redes, o bem conhecido Peiser, francês que jogou na Naval e Académica. Mas quem é Marc dos Santos? Luso-canadiano, o treinador nasceu em Montreal há 38 anos, filho de pais portugueses. Aos nove passou a viver com os pais em Aveiro a durante a juventude jogou futebol federado no Gafanha da Nazaré. Aos 24 regressou ao Canadá e aos 25 tomou a decisão que iria mudar a sua vida: ser treinador de futebol, por influência do pai que também desempenhou essas funções em alguns clubes canadianos. Marc dos Santos deu os primeiros passos de treinador no Montreal Impact, onde causou... impacto ao vencer, na estreia, o United Soccer League. Depois, foi para o Brasil e comandou a equipa de sub-15 do Palmeiras no histórico título nacional da categoria. Foi aí que conheceu Scolari (quando este treinava a equipa principal), com que fez o primeiro estágio profissional e de quem bebeu bastante. Marc dos Santos continuou a estudar, tirou o nível IV da UEFA e fez um estágio no Boavista e Beira Mar. Grande aprendizagem também na formação do FC Porto. «Aprendi bastante com o professor Ilídio Vale, foi muito útil para mim», junta o treinador. Regressado ao Canadá, aceitou o convite para treinar o Ottawa Fury e procura mais um troféu para a ainda curta carreira. Ter Grobbelaar por adjunto «Este é um clube recente, está a cumprir a segunda época. Mas é um bom clube, com condições excelentes de trabalho», conta Marc dos Santos. Que tem na equipa técnica, como treinador de guarda-redes, um nome bem conhecido dos amantes do futebol: Bruce Grobbelaar. Esse mesmo, guarda-redes do Liverpool durante 13 anos, seis vezes campeão inglês, três taças de Inglaterra, três taças da Liga e... uma Taça dos Campeões Europeus. E... temperamental. «Trabalhar com o Grobbelaar é um prazer. Uma pessoa muito positiva, sempre otimista. E o que as pessoas chamavam de feitio difícil ou temperamental, eu chamo de honestidade a toda a prova, frontalidade, sem medo de dizer o que pensa», comenta Marc dos Santos. O irmão Phillip dos Santos é também adjunto. Como jogador passou por equipas modestas de Portugal e Moçambique, mas apostou também na carreira de treinador. Canadiano ou português? Camo se considera Marc dos Santos? Mais canadiano ou português? «Sou luso-canadiano. Nasci no Canadá, mas os meus pais são portugueses e Portugal marcou-me numa fase decisiva das nossas vidas, a infância, adolescência e juventude. Cresci em Portugal, estudei em Portugal, fiz muitos amigos em Portugal, sou português», conta. Do Canadá, Marc dos Santos enaltece a «enorme qualidade de vida». E, no que ao desporto diz respeito, a «organização e profissionalismo». «As pessoas na Europa ainda não perceberam bem a dimensão do desporto na América do Norte. Se vissem as nossas condições de trabalho e organização ficariam de boca aberta. Aqui, quando se aposta é a sério, como deve ser», junta, reconhecendo que «o hóquei no gelo é o desporto mais popular no Canadá, embora o futebol esteja a ganhar o seu espaço». De Portugal elege «o clima, as pessoas, as raízes» e, mais do que qualquer coisa... «a comida». «Sempre que me perguntam do que mais sinto falta de Portugal nem hesito: a comida», conta. E treinar em Portugal? «Se aparecesse uma boa oportunidade, num clube bom, pensaria nisso a sério. Mas já estou num grande marcado, com bons clubes e projetos, tenho aqui um Mundo onde também posso fazer uma carreira com sucesso», conclui. ...
CLÁUDIA NETO, RECORDISTA DA CHAMPIONS NA TERRA DO SOL DA MEIA-NOITE. Aos 27 anos, Cláudia Neto é já uma das principais embaixadoras do futebol feminino português além-fronteiras. Com 111 internacionalizações em todas as Seleções Nacionais – 79 das quais na equipa principal - a média deixou solo luso em 2007 para representar o Prainsa Zaragoza, de Espanha, onde esteve durante cinco anos, seguindo-se uma temporada em Barcelona, ao serviço do Espanhol. Na última época, foi a primeira portuguesa a marcar presença nos quartos-de-final da Liga dos Campeões feminina, ao serviço do Linkoping (Suécia), onde se encontra desde 2014. Em Portugal, curiosamente... nunca jogou futebol. «Comecei a jogar futsal no União de Lagos, clube da minha cidade. Pratiquei a modalidade durante sete anos, uma vez que naquela altura ainda não havia futebol de 11 no Algarve», conta a A BOLA Cláudia Neto, que alternava as partidas de futsal com as chamadas à Seleção sub-19. «Quando comecei a ser chamada à Seleção principal tornou-se difícil conciliar o futsal com o futebol. Foi então que decidi mudar. Comecei a gostar cada vez mais de futebol, já não tinha dúvidas do que queria. Só esperei que a oportunidade surgisse», revela. A passagem por Espanha E a oportunidade surgiu em 2007, altura em que recebeu uma proposta para jogar no país vizinho. «Entraram em contacto comigo a dizer que estavam interessados, fizeram-me uma proposta e chegámos a acordo. Acabei por lá ficar cinco anos. Devo ao Prainsa Zaragoza muito da minha formação como jogadora», afirma a internacional lusa, que ainda teve oportunidade de representar o Espanhol em 2013/2014. Mesmo sem nunca ter jogado num clube português, Cláudia reconhece que o campeonato espanhol, sendo semi-profissional, «é bastante mais competitivo do que o português». «Há mais apoio e oferta de melhores condições de trabalho às jogadoras. Sempre tive como objetivo jogar no estrangeiro, em Portugal não tinha as condições que precisava para poder evoluir como jogadora, sendo que os clubes são amadores...», explica. Da passagem por Espanha, a jogadora de 27 anos só recorda o melhor. «Em termos desportivos, conseguimos um 4.º lugar no campeonato e três presenças na final da Copa de la Reina, o que foi muito bom. Além disso, fiz grandes amizades e evoluí muito como futebolista», recorda. O sonho da Champions Linkoping, cidade de 90 mil habitantes situada no sul da Suécia, foi a paragem seguinte (e a última até agora) no percurso de Cláudia Neto. «Chegar a um clube como o Linkoping sempre foi um dos meus grandes objetivos. A liga sueca feminina é profissional, como tal, as jogadoras podem viver do futebol e manter um bom nível de vida», revela a camisola sete da Seleção. Ao serviço do emblema escandinavo, Cláudia já conquistou uma Taça da Suécia, no ano passado, e uma presença inédita nos quartos de final da Liga dos Campeões. «É um motivo de enorme orgulho. Trabalho todos os dias para conseguir atingir os meus objetivos e ter chegado aos quartos de final foi a recompensa perfeita por todo o meu esforço. Podíamos ter chegado às meias finais mas infelizmente fomos eliminadas pelo Brondby, da Dinamarca. Ainda assim, foi uma experiência inesquecível», exulta. A cumprir a segunda época no Linkoping - o campeonato sueco decorre entre abril e outubro - a internacional portuguesa faz um balanço positivo da experiência: «A minha adaptação ao clube não foi muito difícil. Consegui logo conquistar o meu espaço na equipa e até agora tenho disputado quase todos os jogos a titular. É um futebol mais rápido e vertical, diferente do que praticava em Espanha, que é mais à base da técnica e da força.» Suécia, terra onde o sol brilha à meia-noite Sendo Cláudia uma algarvia de gema, não será muito difícil adivinhar um dos principais obstáculos que a jogadora teve de enfrentar à chegada à Suécia. «O inverno aqui é muito duro, com temperaturas na ordem dos seis, sete graus negativos... Acho que foi o que mais me custou, principalmente durante os treinos. Felizmente as casas estão preparadas para isso, em casa ando sempre de t-shirt e calções», revela. Quase tão desafiante como as temperaturas gélidas foi a adaptação aos horários das refeições. Assim como aos dias pequeninos. «Fez-me confusão o facto de anoitecer muito cedo no inverno. Às 15 horas já é noite. É horrível, vive-se meses e meses na escuridão. No verão já é ao contrário, está quase sempre de dia», começa por explicar a atleta. «Além disso, os suecos comem muito cedo. O almoço aqui é por volta das 11.30 horas e o jantar as 17.30 /18 horas. Foi algo a que tive de me habituar», acrescenta. Forte apoio ao futebol feminino Cláudia Neto, que trocou o calor dos países mediterrânicos pelo frio da Escandinávia, revela ter ficado surpreendida com o apoio que é dado à prática da modalidade no feminino. «Aqui homens e mulheres são tratados por igual. Há um grande apoio ao futebol feminino, somos tratadas como profissionais e não nos falta nada. É um povo muito frio, sim, muito diferente dos espanhóis ou portugueses. São muito distantes e fechados, mas ajudam-nos sempre no que puderem», explica a internacional lusa. A escassa proximidade do povo escandinavo está bem patente na forma como os treinos no Linkoping são dados: «Tanto o treinador como as jogadoras falam sempre em sueco. Só falam comigo em inglês quando querem traduzir algo importante. De resto... tudo em sueco.» Futuro não passa por Portugal Cláudia, que tem contrato com o clube até outubro, ainda não sabe o que o futuro lhe reserva em termos profissionais. Mas admite que o caminho não passa por Portugal. «Não está nos meus planos regressar. Gostava muito, sim, de poder participar numa fase final de um Europeu ou Mundial com a Seleção. E conseguir mais títulos na liga sueca», remata. ...
 

sondagem

Quem deve ser titular do Sporting na Supertaça?

 

resultados

de ontem
Sporting mostra mais capacidade do que o Benfica para vencer a Supertaça?
  • 56%
  • 44%
  • Sim
  • Não