SÁBADO, 24-06-2017, ANO 18, N.º 6356
OPEL
Por dentro do Opel Crossland X
17:41 - 29-03-2017
O Crossland X é o novo crossover compacto com que a Opel, em Portugal, pretende finalmente reclamar uma fatia do emergente mercado nos SUV de segmento B, e no que o fabricante alemão se tem feito representar discretamente pelo Mokka X, modelo condenado ao ostracismo comercial no nosso país, devido ao controverso regulamento de taxação das portagens nacionais, que o elevam à penalizadora Classe 2.

Importância redobrada, uma vez que àquela missão, o novo modelo junta a de suceder ao monovolume Meriva, irrompendo agora, com o formato SUV da moda, num terreno – que raramente não será asfaltado, das vias essencialmente urbanas e limítrofes – onde concorrem congéneres com enorme popularidade (em crescendo), como o Renault Captur (líder deste subsegmento), o Nissan Juke ou o Peugeot 2008. A este último, o novo Opel tem especial comunhão, por partilharem a plataforma do Grupo PSA, em que se baseará também o futuro C3 Aircross, em resultado de uma parceria empresarial entre a Opel e o Grupo francês para o desenvolvimento de SUV que é anterior à compra do construtor alemão pelo consórcio presidido pelo português Carlos Tavares.

Não se pode afirmar que o Crossland X tem carroçaria à medida de utilitário, como a do Corsa, que pouco supera os 4 metros de comprimento. O SUV, embora de segmento B como aquele best-seller da Opel, mede mais 20 cm, num total de 4,212 m, menos 16 cm do que a berlina Astra e apenas 1,6 cm mais curto do que o Mokka X, sendo, ao invés, 10,6 cm mais baixo do que este (1,590 m de altura).

Saiba tudo sobre este modelo da Opel, na revista AUTO FOCO, amanhã nas bancas
Auto Foco

Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter

mais de OPEL

OPEL Antecipando lançamento ‘portas abertas’ nos concessionários de todo o País a 13 de julho, a Opel escolheu o Salão Auto do Porto para mostrar ao público, pela primeira vez
OPEL A Opel quer contribuir para o ambicioso plano da Cidade do Vaticano de tornar-se no primeiro Estado do mundo a eliminar emissões de CO2. Com este objetivo, o CEO da Opel,