SEGUNDA-FEIRA, 27-02-2017, ANO 18, N.º 6239
/
FORD
Ford investiga perigos das ressacas!
16:45 - 16-12-2016
O consumo de álcool mantém-se no topo das causas da sinistralidade rodoviária – de acordo com estudos da seguradora Allianz, representa 10,9% das mortes em acidentes nas estradas de topo o Mundo, afetando, particularmente, os condutores com idades entre os 21 e os 24 anos. Aproximando-se Natal e Ano Novo, alerta! Mas, os perigos prolongam-se até muitas horas depois de noite de excessos… Por isso a Ford produziu fato que permite simular os perigos da condução no período de ressaca.

Pesando mais de 17 kg, o ‘Hangover Suit’ integra diversos elementos especiais, dos pesos nos joelhos e nos pulsos aos auscultadores, gorro e óculos. Combinando, estes elementos permitem simular os sintomas clássicos da ressaca, como o enjoo, a fadiga, as dores de cabeça ou os problemas de concentração. O fato desenvolvido na Alemanha pelo Instituto Meyer-Hentschel confirma a incapacidade de conduzir automóveis na manhã após noite de consumo excessivo de álcool, mesmo dormindo-se meia dúzia de horas. A situação mantém-se até quando a taxa de alcoolemia é inferior ao máximo legal para conduzir, devido à sonolência e lentidão de reações.

Durante 2016, a Ford trabalhou com mais de 20.000 condutores jovens em 13 países na Europa, com o objetivo de informá-los sobre os perigos da associação do consumo de álcool à condução. Entre as mensagens mais importantes, «conduzir com ressaca é tão perigoso como conduzir bêbado».


Auto Foco

Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter

mais de FORD

FORD No salão de Genebra de 2017, de 9 a 19 de março, estreia mundial da 7.ª geração do Ford Fiesta, automóvel de referência no segmento B, categoria posicionada sempre no top
FORD Já estamos habituados a que os carros entendam o que dizemos. Os especialistas da Ford prevêem que no futuro também poderão saber como nos sentimos – por vezes sem que te