QUARTA-FEIRA, 26-07-2017, ANO 18, N.º 6388
CPLP
Guiné-Bissau
País quer acolher o V Congresso da Educação Ambiental da CPLP
13:24 - 17-07-2017
A Guiné-Bissau vai candidatar-se para acolher o V Congresso Internacional da Educação Ambiental da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) prevista para 2019, disse hoje aos jornalistas Mário Diassami, deputado guineense.

Mário Diassami que é também presidente da comissão especializada permanente da Assembleia Nacional Popular da Guiné Bissau e presidente da rede dos parlamentares para as questões ambientais e desenvolvimento durável, vai apresentar a candidatura do país neste IV congresso, cujos trabalhos começaram hoje na cidade de Santo António, na ilha do Príncipe.

«Estamos aqui igualmente para apresentar a candidatura da Guiné-Bissau para acolher o V congresso, na pátria Amílcar Cabral dos combatentes e pretendemos acolher pelo menos 250 pessoas nas nossas belas ilhas, sobretudo na ilha de Bubaque, no arquipélago dos Bijagós», disse o deputado.

A Guiné-Bissau participa neste IV congresso com 14 delegados e Mário Diassami defende a união de esforços dos países membros da CPLP para a preservação dos recursos naturais.

«Sendo o Príncipe já uma reserva da biosfera, na Guiné-Bissau, nós temos a reserva da biosfera do Bolama, Bijagós que é património mundial o que quer dizer que nós devemos conquistar e levar os nossos países a ocupar alguns lugares cimeiros, partindo desses desafios, desse compromisso de preservar a natureza, preservar os nossos recursos», disse.

Fonte da organização do evento disse a Lusa que sobre a mesa ´estão outras duas propostas para acolher o próximo congresso´, sem, no entanto, avançar os nomes dos países.

Segundo a mesma fonte as propostas vão ser analisadas no dia 19, sendo que ´no dia 20 já se saberá que país vai acolher o V congresso da Educação Ambiental da CPLP´.
Lusa

Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter

mais de GUINÉ-BISSAU

Guiné-Bissau O Conselho de Segurança da ONU pediu na terça-feira aos líderes da Guiné-Bissau que cumpram o Acordo de Conacri, que estabelece um caminho para a paz no país, e elogiou o trabalho da CEDEAO. «O Conselho de Segurança reitera a sua preocupação com a
Guiné-Bissau O presidente da Associação de Pais e Encarregados de Educação dos alunos da Guiné-Bissau, Armando Correia Landim, afirmou que «40% do programa escolar ficou por cumprir este ano letivo devido às greves dos professores». O ano letivo nas escolas pú

destaques