SÁBADO, 24-06-2017, ANO 18, N.º 6356
Angola
Mais de 50 afogamentos em Luanda desde o início do ano
22:09 - 19-06-2017
Um total de 56 mortes por afogamento foram registadas pelo Serviço Nacional de Proteção Civil e Bombeiros (SNPCB) da capital angolana no primeiro semestre, a grande maioria em praias proibidas.

Os dados foram avançados, esta segunda-feira, pelo porta-voz do comando provincial de Luanda do SNPCB, Faustino Minguês, que revelou também que «37 pessoas foram salvas de afogamento, no mesmo período, pelas equipas dos serviços de náufragos dos bombeiros».

Segundo Faustino Minguês, «de janeiro até à primeira semana de junho, foram registadas 56 mortes em praias perigosas, reservatórios de água, rios, canais e lagoas».

E, depois, acrescentou.

«Alguns banhistas da capital insistem em utilizar zonas com sinais de proibição, onde se têm registado várias mortes por afogamento, principalmente em época balnear, apesar de ao longo destas praias existirem efetivos do projeto Praia Seguras de Angola, que às vezes não chegam a tempo de salvar pessoas em eminência de afogamento», destacou, em declarações à agência noticiosa Angop.
Redação

Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter

mais de ANGOLA

Angola Angola registou 16 mortos e 29 feridos civis por acionamento de minas antipessoal, antitanque e engenhos explosivos não detonados, em 2016, segundo dados divulgados na Conferência Nacional sobre desminagem, que hoje terminou em Luanda. Os números
Angola Praticamente 93 por cento das exportações angolanas de 2016 foram de petróleo bruto, que aumentaram mais de 3.500 milhões de euros face a 2015, mas o país ainda necessitou de importar produtos agrícolas, que representam 10% do total. Os dados cons

destaques