DOMINGO, 25-06-2017, ANO 18, N.º 6357
Angola
Ensaiado modelo de ensino superior à distância
15:02 - 18-06-2017
Um curso especializado em educação à distância, primeiro do género, foi lançado no sábado, em Luanda, e começou a ser ministrado a 30 formadores com o propósito de se implementar esse modelo de aprendizagem em Angola.

A iniciativa é do especialista angolano, doutorando e docente na Universidade Cruzeiro do Sul do Brasil, Gilberto Meireles Patrocínio, sendo esta a base da sua tese de doutoramento que propõe igualmente um modelo para o ensino superior em Angola.

No lançamento da formação, o docente defendeu que Angola deve pensar num ´modelo flexível´ no sentido do ensino superior no país, para ganhar outras valências.

«É um curso para formadores e não faz sentido implementarmos educação à distância sem que tenhamos professores, então o professor é o agente da transformação nessa vertente, o curso é destinado aos especialistas de nível superior», disse.

O curso em fase experimental é dirigido apenas para especialistas angolanos do projeto do primeiro satélite angolano (Angosat) e aos docentes do Instituto Superior de Tecnologias de Informação e Comunicação de Angola.

Para o formador, o retorno dos especialistas que vão participar deste ciclo de formação vai dar corpo e sustento ao modelo proposto de ensino à distância para os técnicos superiores em Angola.

«Acredito que este período seja suficiente para que se possam extrair dados para assim validar o modelo que está a ser proposto», acrescentou.

O curso, que tem o apoio do Ministério das Telecomunicações e Tecnologias de Informação de Angola, deve decorrer até o dia 22 de julho.

Em declarações à imprensa no final da cerimónia de apresentação do curso, o ministro das Telecomunicações e Tecnologias de Informação de Angola, José Carvalho da Rocha, falou em ´ganhos para o setor do ensino em Angola´, com a promoção deste curso de educação à distância.

«Com as técnicas que serão ensinadas aqui poderemos disseminar os conhecimentos e particularmente para nós. Temos estado a desenvolver o projeto Angosat e sabe que temos estado a acumular muito conhecimento na área espacial e é do nosso interesse pegarmos nesse conhecimento e colocarmos a disposição de todos», sublinhou.

O governante referiu ainda a necessidade de serem desenvolvidos projetos de ensino à distância no país devido ao número de pessoas que com diversas atividades não conseguem ter um ensino presencial.

«O estudo em Angola nesse domínio terá uma relevância assinalável», reforçou.
Lusa

Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter

mais de ANGOLA

Angola Angola registou 16 mortos e 29 feridos civis por acionamento de minas antipessoal, antitanque e engenhos explosivos não detonados, em 2016, segundo dados divulgados na Conferência Nacional sobre desminagem, que hoje terminou em Luanda. Os números
Angola Praticamente 93 por cento das exportações angolanas de 2016 foram de petróleo bruto, que aumentaram mais de 3.500 milhões de euros face a 2015, mas o país ainda necessitou de importar produtos agrícolas, que representam 10% do total. Os dados cons

destaques