QUARTA-FEIRA, 28-06-2017, ANO 18, N.º 6360
Evaristo Carvalho, presidente de São Tomé e Príncipe
São Tomé e Príncipe
Responsável pela Autoridade Conjunta Nigéria-São Tomé e Príncipe demitido
23:45 - 17-06-2017
O presidente são-tomense, Evaristo Carvalho, demitiu o diretor do Departamento Comercial e de Investimentos da Autoridade Conjunta Nigéria-São Tomé e Príncipe, Luís Alberto Carneiro dos Prazeres.

Em decreto presidencial, Evaristo Carvalho explica que a demissão do piloto aviador Luís Prazeres, conhecido por ‘Capala’, «foi feita a seu pedido».

Luís Prazeres dirigia o organismo máximo, na Autoridade Conjunta, desde maio de 2013, e afasta-se dessas funções numa altura em que aquela entidade, segundo o Governo, se «encontra em estado de letargia».

Há cerca de quatro anos que a instituição praticamente deixou de funcionar, e não organiza a reunião bienal, que se instituiu realizar rotativamente, nas capitais dos dois países, Nigéria e São Tomé e Príncipe.

Criada na sequência de um acordo de partilha da produção petrolífera, na fronteira entre os dois países, pelos presidentes são-tomense Miguel Trovoada e pelo nigeriano Olosengum Obasanjo, a Autoridade Conjunta superintende a Zona de Desenvolvimento Conjunto (JDA, na sigla inglesa).

No âmbito do acordo de partilha de produção assinado entre São Tomé e Lagos, as receitas do petróleo devem ser partilhadas na proporção de 60% para a Nigéria e 40% para São Tomé e Príncipe,

Desde o seu nascimento, a 21 de fevereiro de 2001, em Abuja, a maior receita de que São Tomé e Príncipe beneficiou, resultante da exploração petrolífera nesta zona conjunta, foi de 126 milhões de dólares (perto de 113 milhões de euros).
Lusa

Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter

mais de SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

São Tomé e Príncipe Está ao rubro a luta entre Neves e Sporting Praia-Cruz pelo primeiro lugar no principal escalão do futebol são-tomense, com as duas equipas separadas por três pontos. Nos respetivos jogos da oitava jornada, ambas sofreram mas conseguiram os três p
São Tomé e Príncipe A China está disposta a ajudar São Tomé e Príncipe a substituir a utilização de combustíveis fósseis por energias renováveis, casos da eólica e solar, a fim de preservar o ambiente, tendo como objetivo central «a promoção do turismo no arquipélago»,

destaques