TERÇA-FEIRA, 27-06-2017, ANO 18, N.º 6359
Guiné-Bissau
Movimento «O Cidadão» congratula-se com Presidente por manter Governo em funções
20:31 - 19-05-2017
O Movimento pela paz, justiça, democracia e cidadania na Guiné-Bissau, «O Cidadão», congratulou-se com o Presidente guineense ao manter o Governo em funções contra a exigência da comunidade internacional e de alguns partidos do país.

Em comunicado, o Movimento «O Cidadão», liderado por Ussumane Camará, felicita o Presidente guineense, José Mário Vaz, ao mesmo tempo que solicita ao chefe do Estado que use dos seus poderes constitucionais para, dentro de 10 dias, exigir a reabertura do Parlamento.

Num comício popular na quinta-feira em Bissau, o Presidente guineense, disse que só demitirá o Governo do primeiro-ministro, Umaro Sissoco Embaló, caso este tivesse o seu programa de ação chumbado no Parlamento.

Este órgão tem estado bloqueado há cerca de um ano devido às divergências entre os dois principais partidos, PAIGC e PRS, na fórmula para o agendamento de temas para os debates.

Para exigir a reabertura do Parlamento, «O Cidadão» promete uma vigília em frente ao edifício, em Bissau, no próximo dia 24.

Ainda no seu comunicado, o Movimento "O Cidadão" apela ao Conselho de Segurança das Nações Unidas "a respeitar a soberania do Estado guineense e principalmente as autoridades eleitas".

No seu último relatório sobre a situação política na Guiné-Bissau, o Conselho de Segurança exortou os líderes e aos atores políticos guineenses a procurarem o consenso a volta da governação do país, ao encontro das recomendações da Comunidade Económica de Estados da África Ocidental (CEDEAO).
Lusa

Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter

mais de GUINÉ-BISSAU

Guiné-Bissau O Presidente da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, pediu hoje aos jornalistas para contribuírem para a construção do país, evitando passar mensagens que ponham em causa a Guiné-Bissau. «Aos jornalistas vou pedir só uma coisa. Vamos fazer como faz Cabo
Guiné-Bissau O Presidente da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, pediu hoje unidade aos guineenses e admitiu, pela primeira vez, convocar eleições caso não seja encontrada uma solução para o impasse político em que o país vive. «Peço unidade em todas as religiões da

destaques