QUARTA-FEIRA, 24-05-2017, ANO 18, N.º 6325
Ulisses Correia e Silva
Cabo Verde
Primeiro Ministro diz que posição sobre a Guiné Equatorial é a mesma da CPLP
18:12 - 19-05-2017
O primeiro-ministro cabo-verdiano disse hoje que Cabo Verde alinha com a CPLP relativamente à Guiné Equatorial, depois de o ministro da Cultura ter criticado a falta de avanços no cumprimento dos critérios de adesão ao bloco lusófono.

As declarações do ministro, que o próprio afirma ter proferido a título pessoal, suscitaram uma reação da missão permanente da Guiné Equatorial junto da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), que considerou que Abraão Vicente `deve ter presente, enquanto ministro, que um dos princípios fundamentais da CPLP é a não-ingerência nos assuntos internos dos Estados-membros´.

Questionado hoje pelos jornalistas, o primeiro-ministro de Cabo Verde, Ulisses Correia e Silva, sustentou que o contexto das declarações de Abraão Vicente tem que ser `compreendido e enquadrado´, afirmando que a posição do Governo relativamente à Guiné Equatorial é a estabelecida pela CPLP.

«É preciso contextualizar o espaço e a forma como a questão foi colocada pelo Abraão Vicente. Não estava na qualidade de ministro, mas de convidado para um programa», disse Ulisses Correia e Silva.

O primeiro-ministro cabo-verdiano falava aos jornalistas hoje, na cidade da Praia, à margem de uma sessão solene para assinalar o dia do município.

«O que dizemos em relação à Guiné Equatorial é o que está estabelecido a nível da CPLP. Há um roteiro a cumprir em relação à adoção da língua portuguesa e à sua massificação em termos de ensino e um roteiro da suspensão da pena de morte. A própria comunidade e a Guiné Equatorial terão que criar as condições para que esse roteiro se torne realidade e seja de facto cumprido», acrescentou.

Ulisses Correia e Silva recusou a ideia de que as declarações de Abraão Vicente tenham criado um incidente diplomático, adiantando que não haverá qualquer contacto sobre esta matéria com a Guiné Equatorial.
Lusa

Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter

mais de CABO VERDE

Cabo Verde O Presidente da República de Cabo Verde, Jorge Carlos Fonseca, disse estar «profundamente chocado com o terrível e cruel ataque terrorista» ocorrido em Manchester, noroeste de Inglaterra, que matou 22 pessoas e fez dezenas de feridos. «Estou profu
Cabo Verde A diretora-geral da Imigração de Cabo Verde reconheceu esta terça-feira que a comunidade imigrada ainda enfrenta vários problemas, mas destacou os esforços governamentais para resolvê-los e promover maior integração dos estrangeiros no país. «Há

destaques