SEGUNDA-FEIRA, 26-06-2017, ANO 18, N.º 6358
Angola
Casa do Desportista de Luanda fecha portas até final do ano
22:45 - 18-05-2017
A Casa do Desportista, inaugurada em 1985 na Ilha de Luanda para receber delegações desportivas, com o estatuto de empresa pública angolana, vai ser extinta, por determinação governamental, até final de 2017.

A decisão resulta de um decreto conjunto dos ministérios da Economia, Finanças e da Juventude e Desportos, do final de abril, dando um prazo de 180 dias para a sua liquidação, por esta ter deixado de «cumprir com o objetivo para o qual foi criada».

«Está descontextualizada e desajustada em relação às necessidades dos operadores desportivos, federações, clubes e atletas», lê-se no documento, ao qual a Lusa teve hoje acesso.

O documento acrescenta que o «processo de redinamização das instituições públicas determina a extinção dos entes públicos que não realizam os objetivos que estiveram na base da sua criação, bem como o reaproveitamento dos bens imóveis do Estado que se encontram em situação de inatividade».

Com a decisão de extinção da Casa do Desportista, nomeadamente por dificuldades de gestão, fica definido ainda um prazo de 45 dias para reclamação de créditos desta empresa pública, após a criação da respetiva comissão liquidatária.

Dados de 2010, quando o Ministério da Juventude e Desportos lançou novo programa para redinamizar aquele espaço, indicam que a Casa do Desportista possuía 64 quartos, 32 dos quais com cinco camas, com preços que então variavam entre os 8000 kwanzas (45 euros) e os 12000 kwanzas (67 euros), especificamente para receber em Luanda equipas e atletas de todo o país.

O espaço foi inaugurado pelo Presidente da República, José Eduardo dos Santos, a 9 de dezembro de 1985, «tendo em conta a priorização do desporto como fator de unidade nacional, desenvolvimento humano e social», conforme noticiado na altura.
Redação

Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter

mais de ANGOLA

Angola Angola prevê para os próximos seis meses um apoio de 15,4 mil milhões de kwanzas (82,6 milhões de euros) para apoiar refugiados da República Democrática do Congo (RDCongo), que continuam a chegar ao país. O apelo foi feito hoje num encontro promov
Angola Luanda regressou ao primeiro lugar da lista das cidades mais caras do mundo para trabalhadores estrangeiros, invertendo a ordem com Hong Kong, que na edição de 2016 do `Inquérito sobre o Custo de Vida`, da consultora Mercer, ocupava o pódio. Depoi

destaques