SÁBADO, 27-05-2017, ANO 18, N.º 6328
Angola
Professores da província do Bengo paralisam reclamando pagamento de dividas
15:38 - 18-05-2017
Os professores da província angolana do Bengo anunciaram hoje uma paralisação nas aulas a partir de segunda-feira, caso não sejam pagas alegadas dívidas de 2016, denunciando ainda `intimidações e exonerações´ por parte da direção de Educação.

Em declarações hoje à agência Lusa, o porta-voz do Sindicato Provincial dos Professores (Sinprof) explicou que durante a greve nacional dos professores que decorreu em abril e maio `o diretor da Educação do Bengo exonerou doze coordenadores de disciplina´.

«Grande parte deles coordenadores dos núcleos sindicais em algumas escolas e três dos quais dirigentes sindicais, violando assim o memorando do levantamento da greve realizada na província do Bengo entre os dias 03 e 04 de outubro de 2016, onde as partes acordaram a não-violação dos acordos», explicou Mbaxi Paulino.

Na província do Bengo, segundo Mbaxi Paulino, as dívidas para com a classe docente datam desde outubro de 2016. Uma marcha de protesto foi já realizada no dia 13 de maio, «pedindo a demissão do diretor de Educação e o pagamento das dívidas», referentes a pagamentos e contribuições.

Além da greve, ainda por tempo indeterminado, o porta-voz do Sinprof no Bengo adiantou que os professores não descartam recorrer as instâncias judiciais para verem os seus direitos salvaguardados.

«Estamos à espera de um pronunciamento das autoridades da província. Caso não haja acordo vamos recorrer com uma ação cível a nível do tribunal, por terem sido violadas gravemente algumas normas», apontou.

Mbaxi Paulino acusou mesmo o diretor de Educação do Bengo - que remeteu uma posição para mais tarde - de fomentar na província ações de compadrio, intrigas e intimidações no setor que dirige.

«Há uma promoção de nepotismo e despotismo a nível do setor da educação fomentada pelo próprio diretor e os seus auxiliares, situações que nos levam a solicitar a demissão do diretor, porque ele sido o fomentador de intrigas e perseguições dos elementos do sindicato», disse ainda o sindicalista.

A não-exoneração dos coordenadores que tinham à aderido a greve anterior e a não retirada da quota sindical constam do caderno reivindicativo agora alegadamente violado.
Lusa

Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter

mais de ANGOLA

Angola Investidores privados vão investir 8,9 milhões de euros para instalar, na província de Luanda, uma fábrica para produção de postes de iluminação pública, segundo o contrato de investimento com o Estado. De acordo com o documento, datado de 16 de
Angola Pelo menos seis mortos é o balanço de um acidente ocorrido na sequência da queda de um contentor de mercadorias sobre uma viatura de transporte informal de passageiros, ocorrido no município de Viana, arredores de Luanda. Em declarações à Lusa, o

destaques