DOMINGO, 23-07-2017, ANO 18, N.º 6385
João Lourenço
Angola
Estados Unidos e Luanda acertam reforço da cooperação na Defesa
13:13 - 18-05-2017
Os governos dos Estados Unidos da América e de Angola pretendem reforçar a cooperação no domínio na Defesa, na sequência da assinatura, hoje, em Washington, de um memorando de entendimento.

O documento foi subscrito no Pentágono pelo secretário de Defesa dos EUA, James Mattis, e pelo ministro da Defesa Nacional de Angola, João Lourenço, que afirmou tratar-se de um entendimento que representa `algo de muito sério´ para o lado angolano e que ´ambos os países sairão a ganhar´.

«Vai permitir estreitar cada vez mais os laços de cooperação no domínio da Defesa entre os nossos países», disse ainda João Lourenço, embora não sendo ainda conhecido o teor deste memorando de entendimento e áreas que vai cobrir.

Em declarações aos jornalistas, o ministro angolano fez questão de sublinhar que foi dada `autorização por escrito do Presidente da Republica´, José Eduardo dos Santos, para a assinatura deste memorando de entendimento na capital norte-americana.

Citado pela imprensa angolana, o secretário de Defesa, James Mattis, explicou que os Estados Unidos têm partilhado informação com as autoridades de Angola e já apoiam na formação de oficiais, parceria que pretendem agora elevar de nível.

«Esperamos construir uma parceria mutuamente benéfica», apontou James Mattis.

Angola cumpre o segundo mandato à frente da Conferência Internacional para a Região dos Grandes Lagos (CIRGL), tendo apoiado a mediação de vários conflitos que têm surgido envolvendo países desta região, como na República Democrática do Congo ou República Centro-Africana.
Lusa

Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter

mais de ANGOLA

Angola O cabeça-de-lista da UNITA às eleições angolanas avisou hoje que, a 23 de agosto, será feito o balanço de 42 anos de governação do MPLA em Angola, denunciando uma tentativa de ´mudança cosmética´, no partido no poder. O presidente da União Naciona
Angola A Federação dos Sindicatos de Educação de Angola defende que a inexistência de um princípio de progressão horizontal de carreiras no país, tem levado a que muitos docentes se reformem apenas ´com a categoria de auxiliar´. A posição foi assumida pe

destaques