SÁBADO, 27-05-2017, ANO 18, N.º 6328
Cipriano Cassamá, presidente do Parlamento da Guiné-Bissau
Guiné-Bissau
Presidente do Parlamento quer encontrar-se com PR para analisar Acordo de Conacri
20:49 - 16-05-2017
O presidente do Parlamento da Guiné-Bissau, Cipriano Cassamá, quer reunir-se com o presidente da República (PR), José Mário Vaz, para analisar a aplicação do Acordo de Conacri, como exigido pela Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO).

Em comunicado, o gabinete do líder do Parlamento informa que «todos os cidadãos nacionais e estrangeiros que vivem na Guiné-Bissau e toda a comunidade internacional que Cipriano Cassamá solicitou um encontro de trabalho com José Mário Vaz, para equacionarem as vias mais adequadas para a rápida implementação do Acordo de Conacri».

O documento destaca que a «diligência foi recomendada pela comissão permanente da Assembleia Nacional Popular (Parlamento) e aguarda resposta por parte da Presidência da República».

O encontro «visa criar um quadro prévio de desanuviamento do clima interinstitucional prevalecente de modo a permitir, com dignidade e responsabilidade subjacente à função dos titulares de órgãos de soberania, implementar o instrumento de Conacri, aceite e sufragado por todos, na firme convicção de consagrar soluções equilibradas, adequadas, inclusivas e duradouras para a estabilidade», pode ainda ler-se no comunicado.

O Acordo de Conacri, patrocinado CEDEAO, prevê a formação de um governo consensual integrado por todos os partidos representados no Parlamento e a nomeação de um primeiro-ministro de consenso e da confiança do chefe de Estado.

O prazo dado pela CEDEAO para o cumprimento do acordo termina no próximo dia 25.

Lusa

Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter

mais de GUINÉ-BISSAU

Guiné-Bissau Confrontos foram hoje registados durante uma manifestação do Movimento Jovens Inconformados da Guiné-Bissau, depois de a polícia reagir às provocações de manifestantes que insistiam em chegar à Praça dos Heróis Nacionais, onde está situada a Presidên
Guiné-Bissau O diretor-executivo da organização não-governamental guineense Tiniguena, Miguel Barros, disse hoje que tornar o turismo no arquipélago dos Bijagós numa vantagem para a promoção do país é um `grande risco´. «A questão de tornar o turismo na Guiné-

destaques