SÁBADO, 27-05-2017, ANO 18, N.º 6328
Guiné-Bissau
Professores iniciaram esta segunda-feira greve geral de 10 dias
21:14 - 15-05-2017
Os professores das escolas públicas da Guiné-Bissau iniciaram esta segunda-feira uma greve geral de 10 dias «para reivindicar melhores condições laborais, incluindo a aplicação do Estatuto da Carreira Docente (ECD)».

Bunghoma Duarte Sanhá, porta-voz da comissão negocial dos dois sindicatos representativos dos professores, considerou que entre os 19 pontos que constam do caderno reivindicativo, a aplicação do ECD «é o principal, por ser a vida dos professores».

Os sindicatos Sinaprof (Sindicato Nacional dos Professores) e Sindeprof (Sindicato Democrático dos Professores), exigem também ao Governo a melhoria das instalações das escolas públicas.

«Em pleno século XXI, não se pode aceitar escolas em barracas», defendeu Bunghoma Duarte Sanhá.

«As barracas não dignificam nem os professores, nem os alunos», acrescentou o porta-voz dos sindicatos, indicando que as três negociações já realizadas com o Governo «não permitiram a suspensão da greve como pretendia o executivo».

Fonte do Ministério da Educação guineense disse à Lusa que o ECD ainda não entrou em vigor «por estar a ser preparada a sua regulamentação legal, embora tenha sido aprovado em Conselho de Ministros desde 2016».
Lusa

Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter

mais de GUINÉ-BISSAU

Guiné-Bissau Confrontos foram hoje registados durante uma manifestação do Movimento Jovens Inconformados da Guiné-Bissau, depois de a polícia reagir às provocações de manifestantes que insistiam em chegar à Praça dos Heróis Nacionais, onde está situada a Presidên
Guiné-Bissau O diretor-executivo da organização não-governamental guineense Tiniguena, Miguel Barros, disse hoje que tornar o turismo no arquipélago dos Bijagós numa vantagem para a promoção do país é um `grande risco´. «A questão de tornar o turismo na Guiné-

destaques