SEXTA-FEIRA, 28-04-2017, ANO 18, N.º 6299
Angola
ACNUR pede para não fechar fronteiras aos refugiados que chegam do Congo
14:27 - 21-04-2017
O Alto-Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) apelou hoje ao Governo angolano para manter as fronteiras abertas à população congolesa que está a fugir da violência naquele país, já mais de 11.000 refugiados só em Angola.

Numa nota a que a Lusa teve hoje acesso, o ACNUR refere que se congratula com a `resposta do Governo de Angola´, em manter as `fronteiras abertas para a continuação das chegadas de refugiados´ da República Democrática do Congo (RDCongo).

«Esperamos que este gesto de boa vontade continue, enquanto a situação continua terrível na região do Casai, na RDCongo. O ACNUR também sublinha a importância de não devolver à RDCongo pessoas que necessitam de proteção», refere a organização das Nações Unidas, num apelo ao apoio de Angola.

Em causa estão os conflitos étnico-políticos no Kasai e Kasai Central, na RDCongo, que desde meados de 2016 já provocaram, segundo o ACNUR, um milhão de deslocados, 11.000 dos quais fugiram para Angola, através da província da Lunda Norte.

Só em abril, Angola recebeu 9.000 refugiados congoleses da região do Kasai e a agitação que se vive no país vizinho já obrigou à movimentação de forças armadas e policiais angolanas para a fronteira.

Segundo o ACNUR, que refere estar a apoiar a receção dos refugiados, estes continuam a chegar principalmente ao Dundo, capital da província de Luanda Norte, onde relatam ataques de grupos de milícias, que estão alvejando a polícia, militares e civis que suspeitem de estar apoiando ou representando o governo congolês.

«Depois de fugir das forças rebeldes e do Governo, alguns refugiados tiveram de se esconder na floresta durante vários dias antes de fugir para Angola. Os refugiados estão chegando em condições desesperadas, sem acesso a água limpa, comida ou abrigo», relata o ACNUR.

A situação entre as crianças `é terrível´, e chegam a Angola desnutridas e doentes, sofrendo de diarreia, febre e malária. «Duas crianças são relatadas como tendo morrido da desnutrição severa. O ACNUR está preocupado com o destino de outras pessoas que sofrem níveis preocupantes de insegurança alimentar e doenças», refere a organização.
Lusa

Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter

mais de ANGOLA

Angola A greve dos professores angolanos do ensino geral entrou hoje no terceiro dia, com a província de Benguela a ser a única a demarcar-se da paralisação, anunciou hoje o Sindicato dos Professores Angolanos (Sinprof). «Neste momento a greve mantém-se.
Angola Mais de 4,2 milhões de angolanos fizeram o seu registo de nascimento nos últimos três anos, enquanto foram emitidos no mesmo período mais de 6,7 milhões de bilhetes de identidade, informou hoje fonte governamental. Os dados foram avançados pelo m

destaques