SEXTA-FEIRA, 26-05-2017, ANO 18, N.º 6327
Moçambique
Governo assistiu 184 mil casos judiciais envolvendo pessoas carenciadas em 2016
12:50 - 21-04-2017
O Instituto do Patrocínio e Assistência Jurídica (IPAJ) de Moçambique apoiou 184 mil casos envolvendo pessoas carenciadas em 145 distritos em 2016, anunciou hoje o diretor-geral da instituição estatal.

«Os dados representam um acréscimo de 9,7 % em comparação com o ano de 2015», disse Justino Tonela.

O diretor geral do IPAJ falava à margem da reunião do Conselho de Direção do IPAJ, em Maputo, sob lema `Acesso à Justiça e os Desafios de Desenvolvimento´.

A ambição do instituto continua a ser a de expandir os serviços do IPAJ por todo país, chegando principalmente às zonas mais recônditas.

Mas há limitações, reconhece Justino Tonela.

A falta de recursos humanos, as limitações orçamentais e os casos de cobranças ilícitas são os principais desafios.

«Nós estamos a trabalhar para superar estes desafios. Precisamos reforçar com maior atenção os recursos humanos, principalmente para a carreira de defensor público», observou o diretor-geral.

O ministro da Justiça, Assuntos Constitucionais e Religiosos, Isaque Chande, presente no encontro, considerou os números hoje apresentados como um sinal positivo.

«Hoje o IPAJ está em 145 distritos, isso mostra que, apesar das dificuldades, está a ser feito um trabalho por parte do Governo», afirmou o governante, que lembra que a assistência judicial a pessoas carenciadas é uma obrigação do Estado.

Do total de casos assistidos em 2016, a província de Cabo Delgado tem o maior número, com 22.085, numa tabela em que a província de Gaza teve o número mais baixo, com apenas 4.740.

O IPAJ tem 511 funcionários distribuídos por quase todo país.
Lusa

Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter

mais de MOÇAMBIQUE

Moçambique O líder da Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo) e Presidente da República, Filipe Nyusi, afirmou hoje que o partido deve compreender o que pensa a população, que enfrenta um agravamento do custo de vida. «Teremos que compreender o momento
Moçambique A comunidade muçulmana moçambicana espera um Ramadão «com mais solidariedade» para ajudar a enfrentar a crise financeira e económica que assola o país. «No dia-dia, nota-se que as dificuldades aumentaram e as pessoas acabam caindo aqui nas nossas

destaques