TERÇA-FEIRA, 23-05-2017, ANO 18, N.º 6324
Angola
Chuvas causam quatro mortos e desabamento de casas em Luanda e Cuanza Norte
13:09 - 20-03-2017
Pelo menos quatro pessoas morreram e mais de 300 casas desabaram devido às fortes chuvas que afetaram sobretudo as províncias de Luanda e Cuanza Norte, divulgaram hoje os Serviços Nacionais de Proteção Civil e Bombeiros.

Os dados constam do relatório de ocorrências da instituição, conforme fez saber hoje, em declarações à agência Lusa, o porta-voz, Faustino Sebastião, sendo as províncias de Luanda e Cuanza Norte as mais problemáticas, a última com um total de 2.900 pessoas desabrigadas, devido às chuvas do final de semana.

De acordo com Faustino Sebastião, a situação na província do Cuanza Norte é «crítica» e obriga a corporação a «redobrar esforços» para abrigar as pessoas cujas casas desabaram ou ficaram inundadas devido às fortes enxurradas que estão a afetar a região.

Ainda em consequência das chuvas, na província da Lunda Norte uma criança morreu e outras ficaram feridas, devido ao deslizamento de terras, segundo sublinhou o responsável, acrescentando que a instituição registou um total de 37 ocorrências em todo país, entre as quais 15 incêndios.

Do total de incêndios, Luanda registou nove casos e os restantes ocorreram nas províncias de Malange, Zaire, Cabinda, Cuanza Norte e Cuando Cubango, com o setor residencial a ser o mais visado, por negligência e curto-circuito.

Os Serviços de Proteção Civil e Bombeiros de Angola registaram ainda nove afogamentos.

Quanto às chuvas que caíram na madrugada de hoje em Luanda, Faustino Sebastião explicou que «não há situações relevantes», estando os efetivos do serviço a fazer o levantamento dos danos.
Lusa

Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter

mais de ANGOLA

Angola Angola registou, durante o primeiro trimestre de 2017, quase duas dezenas de derrames, envolvendo perto de uma centena de barris de crude, segundo dados do Ministério dos Petróleos angolano. De acordo com um documento do ministério liderado por Bo
Angola A caça furtiva, sobretudo de zebras e gazelas, tem aumentado nos últimos anos no Parque Nacional do Yona, província angolana do Namibe, vigiado por apenas 13 dos 30 fiscais que seriam necessários, denunciou hoje o administrador do parque. Manuel A

destaques