TERÇA-FEIRA, 25-04-2017, ANO 18, N.º 6296
Guiné-Bissau
Comunidade internacional pede «contenção verbal» aos atores políticos guineenses
22:41 - 15-03-2017
Representantes da comunidade internacional, agrupados no espaço de concertação designado P5, pediram hoje ao presidente da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, que faça uma exortação aos políticos guineenses «para uma maior contenção verbal» no debate nacional.

Os representantes da comunidade de países da Africa Ocidental (CEDEAO), União Africana (UA), Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), União Europeia (UE) e Nações Unidas (ONU), estiveram hoje reunidos em audiência com o líder guineense e à saída do encontro o porta-voz do P5, Ovídio Pequeno, disse que foi transmitida a José Mário Vaz a preocupação da comunidade internacional.

O P5 transmitiu a preocupação pela «escalada da tensão de linguagem» que tem sido registada nos últimos dias e que, defende, é preciso parar.

«Compreendemos o momento do jogo político que a Guiné-Bissau vive, mas nós não podemos continuar impávidos e a tolerar declarações que possam por em causa a paz e criar situações de tensão que possam mesmo vir a degenerar em violência», observou Ovídio Pequeno.

O também representante da UA na Guiné-Bissau disse terem solicitado ao Presidente guineense que use da sua influência para levar à contenção verbal dos atores políticos.

O presidente da Guiné-Conacri, Alpha Condé, é o mediador para crise guineense proposto pela CEDEAO e a líder liberiana, Ellen Johnson, é a chefe da alta autoridade da organização da Africa Ocidental.
Redação

Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter

mais de GUINÉ-BISSAU

Guiné-Bissau A greve geral dos funcionários dos órgãos de comunicação social públicos da Guiné-Bissau, que devia ter início hoje, «foi desconvocada», indicou o presidente do fórum dos sindicatos representativos dos órgãos. Francisco Indeque disse, à agência L
Guiné-Bissau Uma missão de Avaliação das Necessidades Eleitorais da ONU realiza a partir de terça-feira uma visita à Guiné-Bissau para apoiar os próximos processos eleitorais, informaram hoje as Nações Unidas em comunicado. A missão, que vai estar no país até

destaques