DOMINGO, 28-05-2017, ANO 18, N.º 6329
Guiné-Bissau
Tribunais paralisados até quinta-feira devido a greve dos oficiais de justiça
22:42 - 14-03-2017
Os tribunais da Guiné-Bissau estão paralisados até quinta-feira, devido a uma greve dos oficiais de justiça que exigem «o cumprimento de uma série de reivindicações», anunciou Pedro Gomes, líder do sindicato da classe.

Segundo Pedro Gomes, «não há serviços mínimos e todos os cartórios dos
tribunais estão fechados», em sinal de protesto pelo facto de «o Governo não ter cumprido» as linhas mestras de um acordo assinado com o sindicato de oficiais de justiça em 2007.

Na altura, foram promovidos de letra nas folhas de pagamento vários oficiais de justiça, «mas que até hoje não recebem salário correspondente», indicou Pedro Gomes, acrescentando que os tribunais da Guiné-Bissau «não têm nada» e que nos cartórios «não há nem folhas de papel, nem capas ou contracapas para acomodar os processos em andamento».

«Os tribunais não têm condições para funcionar normalmente, isso sem contar com aqueles que foram encerrados, compulsivamente, por falta de pagamento de aluguer aos donos das casas…», notou Pedro Gomes.

Devido à falta de edifícios, vários tribunais funcionam em casas arrendadas mas, por falta de pagamento de renda, alguns foram encerrados.

O presidente do sindicato dos oficiais de justiça disse que a greve em curso termina na quinta-feira e que no mesmo dia entregará um novo pré-aviso de nova paralisação, desta feita para quatro ou cinco dias úteis, «caso as reivindicações não forem atendidas».
Lusa

Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter

mais de GUINÉ-BISSAU

Guiné-Bissau Confrontos foram hoje registados durante uma manifestação do Movimento Jovens Inconformados da Guiné-Bissau, depois de a polícia reagir às provocações de manifestantes que insistiam em chegar à Praça dos Heróis Nacionais, onde está situada a Presidên
Guiné-Bissau O diretor-executivo da organização não-governamental guineense Tiniguena, Miguel Barros, disse hoje que tornar o turismo no arquipélago dos Bijagós numa vantagem para a promoção do país é um `grande risco´. «A questão de tornar o turismo na Guiné-

destaques