SEGUNDA-FEIRA, 24-04-2017, ANO 18, N.º 6295
Angola
UNITA pede ponderação na preparação da visita de António Costa a Angola
15:18 - 17-02-2017
A UNITA pediu hoje ponderação na preparação da visita do primeiro-ministro português a Angola, recordando que o país já está em pré-campanha para as eleições gerais de agosto e receando a conotação com um apoio ao partido no poder.

A posição foi transmitida hoje à Lusa pelo porta-voz da União Nacional para Independência Total de Angola (UNITA), Alcides Sakala, depois de o ministro dos Negócios Estrangeiros português, Augusto Santos Silva, ter admitido, em Luanda, que a visita de António Costa ao país poderá ocorrer ainda nesta primavera.

«Nós entendemos que é preciso muita, muita ponderação, porque se de um lado a cooperação entre Estados é necessária, por outro lado Angola está a viver um período de pré-campanha», disse Sakala.

A UNITA pretende desde já salvaguardar que as visitas - além do primeiro-ministro, também se prevê a posterior deslocação oficial do Presidente da República - «não configurem um apoio político ao partido no poder», num momento que é, defendeu, de «uma espécie de Governo de gestão» em Angola.

«É preciso muita ponderação relativamente a esses programas que eventualmente se venham a preparar, de visita ao nosso país. Angola está numa fase de transição e vivemos já um período muito intenso de pré-campanha», advertiu o porta-voz da UNITA.

«Queremos evitar o que aconteceu com o doutor Cavaco Silva em 1991, que, enquanto primeiro-ministro [português], foi utilizado pelo MPLA, apresentando-o num comício, no Moxico [província angolana]», recordou Sakala.

Lusa

Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter

mais de ANGOLA

Angola O 1.º de Agosto empatou (2-2) em Calulo, contra o Recreativo do Libolo, e deixou fugir a liderança do campeonato angolano de futebol da 1.ª Divisão (Girabola), agora ocupada por Kabuscorp, Petro e Sagrada Esperança. A partida, a contar para a 11.ª
Angola Os professores angolanos decidiram avançar para uma nova greve no ensino geral, a partir de terça-feira, dia 25 de abril, alegando falta de consenso com o Governo sobre as reivindicações e considerando «negativa» a proposta entretanto recebida. A

destaques