QUINTA-FEIRA, 30-03-2017, ANO 18, N.º 6270
Angola
Comprar dólares nas ruas de Luanda em mínimos de 2017
11:20 - 16-02-2017
O preço de uma nota de dólar norte-americano nas ruas de Luanda voltou às quedas na última semana, estando hoje a ser vendida a 410 kwanzas (2,33 euros), o valor mais baixo desde o início do ano.

Trata-se de uma quebra de quase cinco por cento na cotação média do mercado informal no espaço de uma semana, de acordo com as rondas habituais realizadas pela Lusa, o que acontece após o pico de 500 kwanzas (2,85 euros) por cada dólar dos primeiros dias de janeiro.

Ainda assim, apesar desta quebra na cotação do mercado de rua, nesta altura persistirem limitações no acesso a divisas nos bancos, mesmo nas contas em moeda estrangeira, conforme a Lusa constatou em Luanda.

Na ronda feita hoje pela Lusa, as ´kinguilas´ de Luanda, como são conhecidas as mulheres que se dedicam à compra e venda de divisas, atividade ilegal, admitiam novas quebras na cotação nos próximos dias.

Apesar dos preços especulativos, ainda três vezes acima da taxa de câmbio oficial, face às dificuldades na banca o negócio de rua ainda é uma alternativa para nacionais e estrangeiros que necessitam de divisas.

A venda de cada dólar está hoje fixa nos 415 kwanzas no bairro do São Paulo (440 kwanzas na semana anterior) e nos 410 kwanzas no bairro dos Mártires de Kifangondo (435 kwanzas na anterior). Na Mutamba, a nota de dólar norte-americano é transacionada a 420 kwanzas (435 kwanzas na anterior), enquanto as ´kinguilas´ do Maculusso a vendem a 440 kwanzas (450 na anterior).

Face à falta de dólares, estas taxas de rua já estiveram próximas dos 600 kwanzas por cada dólar em agosto e julho, depois de máximos de 630 kwanzas em junho.

O Banco Nacional de Angola (BNA) garantiu em dezembro que não prevê qualquer nova desvalorização do kwanza, face à «tendência de estabilidade» dos preços, e já no final de janeiro vendeu aos bancos o valor máximo de divisas desde praticamente o início da crise, em 2014: mais de 600 milhões de euros no espaço de uma semana.

«Tendo em conta a tendência de estabilidade do nível geral dos preços e consequentemente a desaceleração da taxa de inflação mensal, o BNA reafirma o seu engajamento na preservação do valor da moeda nacional, razão pela qual não haverá desvalorização do kwanza», lê-se num documento do banco central angolano, de dezembro.

Angola vive desde finais de 2014 uma profunda crise financeira e económica decorrente da quebra para metade nas receitas com a exportação de petróleo, tendo desvalorizado o kwanza, face ao dólar, em 23,4% em 2015 e mais 18,4% ainda no primeiro semestre de 2016.

A taxa de câmbio oficial cifra-se atualmente em cerca de 166 kwanzas (95 cêntimos de euro) por cada dólar, quando antes do início da crise das receitas do petróleo, ainda em 2014, era de 100 kwanzas.

«O BNA continuará a disponibilizar as divisas de forma regular ao câmbio de 165,8 kwanzas por um dólar dos Estados Unidos da América, não havendo necessidade dos operadores do mercado alterarem os preços dos bens e serviços», garantiu então o banco central, na última informação sobre matéria cambial.
Lusa

Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter

mais de ANGOLA

Angola A dívida pública colocada semanalmente por Angola aumentou 10%, para 33,9 mil milhões de kwanzas (188,5 milhões de euros), mantendo-se a taxa de juro a pagar nas emissões
Angola Vários postos de combustível de Luanda estão sem gasóleo, perante a crescente procura de automobilistas e população para o abastecimento de geradores, com o fornecimento

destaques