SEXTA-FEIRA, 24-02-2017, ANO 18, N.º 6236
Filipe Moreira (ASF)
Angola
Mais treinadores portugueses no Girabola
10:35 - 12-01-2017
Pelo menos três portugueses vão treinar esta época no Girabola, o principal campeonato angolano de futebol, que arranca em fevereiro, com Filipe Moreira a juntar-se a este grupo como técnico principal do histórico Interclube de Luanda.

Na luta pelo título angolano, Filipe Moreira enfrentará outro português, Carlos Vaz Pinto, que em Angola trocou esta época o Académico do Lobito pelo Recreativo do Libolo (campeão em 2014 e 2015), da província do Cuanza Sul.

Outra estreia no Girabola de 2017 será a português Sérgio Traguil, do Santa Rita de Cássia, da província do Uíge, equipa promovida nesta temporada ao principal campeonato angolano de futebol.

Filipe Moreira, com 52 anos e mais de trinta anos de experiência, foi apresentado este mês pela direção dos ‘polícias’ da capital, equipa que se sagrou campeã angolana por duas vezes (2007 e 2010).

«A história deste clube obriga a que a ambição esteja sempre presente e aquilo que eu prometo é a entrega total no treino, no jogo, naquilo que é ser profissional», afirmou na altura Filipe Moreira.

Com um contrato de duas épocas no Interclube, o técnico estreia-se assim fora de Portugal, onde orientou quase duas dezenas de equipas, como o Santa Clara, Tondela, Sporting da Covilhã ou o Académico de Viseu.

«Prometo uma época de qualidade», disse na apresentação oficial, em Luanda.

O Interclube um dos poucos clubes em Luanda que possui um estádio próprio, denominado 22 de Junho, está localizado no bairro do Rocha Pinto, com capacidade para 12.000 espetadores.

Na temporada de 2016 havia duas equipas do Girabola, entre 16, treinadas por portugueses.
Lusa

comentários

0
Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter
Faça um comentário (máx: 300)

mais de ANGOLA

Angola A Assembleia Nacional (Parlamento) de Angola aprovou hoje, na generalidade, a nova Lei do Código Penal, para substituição da legislação em vigor, que data de 1886, numa p
Angola Os tribunais angolanos estão sem capacidade para responder ao aumento do número do número de processos que dão entrada no sistema, reconheceu hoje o ministro da Justiça e

destaques