SÁBADO, 25-03-2017, ANO 18, N.º 6265
Baciro Candé
Guiné-Bissau
A primeira vez da Guiné-Bissau no CAN
09:45 - 12-01-2017
A seleção da Guiné-Bissau está a viver o momento mais alto da sua história, tendo pela primeira vez garantido um lugar na fase final do Campeonato Africano das Nações (CAN), com estreia marcada frente ao anfitrião Gabão.

Sob o comando de Baciro Candé, que substituiu no cargo o português Paulo Torres ainda durante o apuramento, os Djurtus viajam para terras gabonesas com o estatuto de única equipa estreante na 31.ª edição da prova.

Logo no arranque, a 14 de janeiro, sábado, em Libreville, a Guiné-Bissau vai ter uma prova de ‘fogo’ perante o Gabão, que vai ter o apoio total do público e terá na frente Pierre-Emerick Aubameyang, jogador do Borussia Dortmund (Alemanha), um dos melhores avançados da atualidade e o segundo melhor jogador africano em 2016.

A vida dos guineenses no grupo A promete ser difícil, já que quatro dias depois é a vez de encontrar os Camarões.

Os ‘djurtus’ fecham a participação no agrupamento perante o Burkina-Faso, que é liderado pelo treinador português Paulo Duarte.

Para já, a preparação da Guiné-Bissau ficou marcada por um braço de ferro entre federação e jogadores, que se recusaram a treinar a 7 de janeiro devido à falta de pagamento dos prémios de qualificação e participação na CAN2017.

O problema, entretanto, foi resolvido e a comitiva já viajou para o Gabão, com 13 dos 23 jogadores chamados por Candé a pertenceram a clubes portugueses.

Desse grupo, destaca-se Abel Camará, avançado do Belenenses, Mamadu Candé, defesa do Tondela, e João Mário, avançado do Desportivo de Chaves. Bocundji Ca, que atua em França no Reims, vai ser o primeiro capitão da Guiné-Bissau num CAN.

Sem nada a perder, e Gabão e Camarões como claros favoritos na luta pela qualificação para os quartos de final, os ‘Djurtus’ terão o objetivo de pelo menos regressar a casa com a primeira vitória de sempre num jogo da fase final.

Um dos ‘obreiros’ da inédita qualificação para a CAN2017 foi Paulo Torres, que foi afastado do comando da Guiné-Bissau no início de 2016, deixando a equipa apenas a uma vitória do apuramento.

Candé confirmou o primeiro lugar do grupo E, à frente de Congo, Zâmbia e Quénia.
Lusa

comentários

1
Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter
Faça um comentário (máx: 300)
Karma285
12-01-2017 11:22
Jornalismo terrorista querem enaltecer os feitos de um Português que nada fez para qualificação da Guiné no CAN 2017.. Esse tal de Paulo torres teve mau desempenho na selecção por isso que correrem com ele . Obreiro da qualificação inédita foi Mister Baciro Cande que empatou um jogo e ganhou os três

mais de GUINÉ-BISSAU

Guiné-Bissau O líder do Movimento da Sociedade Civil da Guiné-Bissau, uma plataforma que reagrupa mais de 100 organizações, Jorge Gomes, criticou hoje o que diz ser «discurso division
Guiné-Bissau A Liga Guineense dos Direitos Humanos acusou a polícia de Bissorã, no norte da Guiné-Bissau, de ter assassinado, a tiro, dois reclusos que alegadamente estariam a tentar

destaques