DOMINGO, 19-02-2017, ANO 18, N.º 6231

Não existem notícias com o conteúdo procurado, em alternativa apresentamos as últimas 15 notícias.

«Houve um guarda-redes que não nos deixou vencer», elogiou Luís Castro
Luís Castro não escondeu o desalento por não ter conseguido pontuar em Alvalade e elogiou a exibição de Rui Patrício. «Muito mais do que desvalorizar a exibição do Sporting é valorizar o que fizemos em campo. Apanhámos pela frente um guarda redes extremamente inspirado que não nos deixou levar os três pontos. Ficámos pontualmente aquém do que podíamos ter feito, mas a justiça do futebol são os golos…», analisou o treinador do Rio Ave.
A BOLA TV
16:32 - 19-02-2017
Hamsik
Nápoles vence Chievo (3-1)
O Nápoles saiu vitorioso na visita ao terreno do Chievo, por 3-1, em jogo da 25.ª jornada da Liga italiana. Lorenzo Insigne, Marek Hamsik e Piotr Zielinski assinaram os três golos do conjunto napolitano diante do Chievo, que reduziu através de Riccardo Meggiorini. Após este resultado, o Nápoles subiu provisoriamente para o segundo posto, visto que a Roma apenas joga mais tarde. Resultados: Sexta-feira: Juventus – Palermo, 4 - 1 Sábado: Atalanta – Crotonia, 1 - 0 Empoli – Lazio, 1 - 2 Domingo: Bolonha – Inter, 0 - 1 Pescara – Génova, 5 - 0 Sampdoria – Cagliari, 1 - 1 Chievo – Nápoles, 1 - 3 Udinese – Sassuolo, 1 - 2 Roma – Torino, mais tarde Milan – Fiorentina, mais tarde Classificação: 1. Juventus, 63 pontos/25 jogos 2. Nápoles, 54/25 3. Roma, 53/24 4. Inter, 48/25 5. Atalanta 48/25 6. Lazio, 47/25 7. AC Milan, 41/24 8. Fiorentina, 40/24 9. Torino, 35/24 10. Sampdoria, 34/25 11. Chievo, 32/25 12. Sassuolo, 30/25 13. Udinese, 29/25 14. Cagliari, 28/25 15. Bolonha, 27/25 16. Génova, 25/25 17. Empoli 22/25 18. Palermo, 14/25 19. Crotonia, 13/25 20. Pescara, 12/25
Itália
16:24 - 19-02-2017
«Tivemos alguma dificuldade em parar o Rio Ave…», admitiu Jesus
Jorge Jesus reconheceu, no final do jogo com o Rio Ave, que a equipa não esteve tão bem como num passado diferente, mas lembrou que «as boas equipas são aquelas que ganham sem jogar bem». «Tivemos alguma dificuldade em parar o Rio Ave, mas, sem sermos uma equipa ao nível dos últimos jogos, tivemos uma coisa positiva: não sofremos golos», juntou o treinador do Sporting.
A BOLA TV
16:22 - 19-02-2017
Kane
Hat trick de Harry Kane garante vitória do Tottenham
O avançado inglês Harry Kane esteve inspirado frente ao Fulham e assinou os três golos da vitória do Tottenham, que assim garantiu a qualificação para os quartos de final da Taça de Inglaterra. Para, este domingo, está ainda marcado o jogo entre o Blackburn Rovers e o Manchester United.
Taça de Inglaterra
16:12 - 19-02-2017
Dragão será infernal para a Juventus
O FC Porto está a atravessar o melhor momento da temporada e diante do Tondela somou a sexta vitória consecutiva na Liga. Segue-se agora a Liga dos Campeões, frente à Juventus. Nuno Espírito Santo tem a certeza que o Estádio do Dragão será um inferno para a Vecchia Signora.
A BOLA TV
16:12 - 19-02-2017
Foto EPA
«Em miúdo chamavam-me Roberto Carlos», revela o ex-benfiquista Carcela
Mehdi Carcela, marroquino que representou o Benfica na temporada passada, concedeu uma entrevista à página oficial do Granada e na qual revelou algumas curiosidades sobre a sua carreira. «Quando era miúdo jogava a defesa-esquerdo e chamavam-me Roberto Carlos. Comecei a segui-lo e encantava-me a forma como jogava, corria e a força que tinha e jogava sempre com um sorriso. Bom, a diferença é que uma perna dele são as minhas duas juntas...», brincou o marroquino, adiantando depois os planos para o futuro. «Todo o que quero quando terminar a carreira é ter uma quinta em Marrocos cheia de animais e com um estúdio para cantar. Adoro cantar e, se não fosse futebolista, acho que tinha seguido essa carreira...»
Granada
16:08 - 19-02-2017
«Tudo o que é excessivo é insignificante» (artigo de Manuel Sérgio, 183)
A crítica, no nosso País (e portanto no desporto português) confunde-se, muitas vezes, com enxovalho, com facciosismo, com inveja, com despiques polemicantes. Mas, se a transplantarmos para o mundo do futebol, ela espelha e resume o manifesto parentesco entre o mais fervoroso clubismo e a irracionalidade mais exaltada. O Paul Ricoeur, n’O Conflito das Interpretações, ensinava que “são os símbolos do mal o verdadeiro lugar do nascimento do problema hermenêutico”. Embora a minha insignificância diante da grandeza do filósofo francês, é meu pensar que só em muito poucas situações o ser humano pode dispensar a mediação linguística e a sua explicitação. Com efeito, uma explicitação o mais cabal possível comporta uma análise de disciplinas várias e até de transferência de conceitos de umas disciplinas para outras que uma análise apressada, obsessiva, unilateral não permite. Gilbert Durand relembra-nos: “Os sábios criadores do fim do século XIX e dos dez primeiros anos do século XX, esse período áureo da criação científica em que se perfilam nomes como os de Gauss, Lebochevsky, Riman, Poincaré, Becquerel, Curie, Pasteur, Max Plank, Niels Bohr, Einstein, etc., tiveram todos uma larga formação pluridisciplinar, herdeira do velho trivium (as humanidades) e quadrivium (os conhecimentos quantificáveis e portanto também a matemática) medievais, prudente e parcimoniosamente organizados pelos colégios dos jesuítas e dos frades oratórios e das pequenas escolas jansenistas do novo humanismo liberal” (in E. Portella (org.), Entre Savoirs. L’Interdisciplinarité en acte: Enjeux, obstacles, perspectives, Unesco, 1991, p. 35). Portanto, ao contrário do que hoje se pensa, muitos dos grandes cientistas dos séculos XIX e XX não foram os hiperespecialistas, confinados nos limites das suas especialidades, mas especialistas que sabiam que a sua especialidade radica numa cultura e exige, para desenvolver-se, interdisciplinaridade, multidisciplinaridade, transdisciplinaridade. O desenvolvimento desportivo deve ter a pessoa humana como seu principal objetivo – e pessoa preparada para responder aos múltiplos desafios que a sociedade atual lhe levanta. De facto, a história da humanidade significa, antes de tudo, a história do ser humano, superando e superando-se, por outras palavras: manifestando um anseio imparável de reencontrar muitos dos valores que, por vezes, o nosso tempo, de catadura agressiva, vem rejeitando, principalmente a transcendência. Todos sabemos que a vida é uma propriedade emergente da matéria, uma espécie de transcendência inscrita no próprio seio dos seres inanimados. Há, de facto, continuidade entre a matéria inanimada e os seres vivos, pela transcendência de inúmeros obstáculos. Francis Crick, prémio Nobel da Biologia e portanto um nome vivaz e sonoro desta província do saber, escreveu maravilhado: “Um homem sensato, armado de todo o saber à nossa disposição hoje, teria a obrigação de afirmar que a origem da vida parece atualmente dever-se a um milagre, tantíssimas são as condições necessárias a reunir, para viabilizá-la”. A matéria transcendeu-se, no nascimento da vida. E a vida transcendeu-se para que o ser humano pudesse despontar e dilatar a alma, na linha infinda dos horizontes? Teilhard de Chardin situava o Homem no cume da evolução material e biológica. O mesmo Teilhard, na linha do élan vital de Bergson, encontra uma energia espiritual, no cerne da realidade. A sua cosmologia é um evolucionismo histórico, temporal e dinâmico, em direção ao Espírito, ao Homem. Muitos autores dizem mesmo que a filosofia de Teilhard é um personalismo. Para este autor, há um itinerário evidente, em todo o universo: matéria-vida-espírito e, chegando ao espírito, ou seja, à pessoa humana, o evolucionismo continua, em comunidade, no âmbito cultural. “Hoje começa a haver uma tomada efectiva de consciência de que o défice principal com que nos confrontamos a nível social é o do pensamento, da inteligência, ou melhor, um défice de capacidade de invenção de outros modos de vida, de um mundo onde valha a pena viver e é neste domínio que se criam as primeiras diferenças sociais, com alguns, os eleitos, a serem motivados desde meninos”. É que “a inteligência é um músculo que se treina desde sempre ou então, tal como acontece com os músculos que não são utilizados, atrofia-se, perde as suas funções vitais, levando a que hoje muita gente tenha os neurónios atrofiados, sem funções efectivas, não consiga nem queira pensar. É o grande drama do nosso tempo: é que podemos passar uma vida inteira sem tomarmos consciência desta incapacidade porque, por um lado, não é visível à vista desarmada e, por outro, porque no quotidiano somos muito pouco incentivados a ter ideias, a utilizar os mecanismos do pensamento” (Carlos Fragateiro, in Carlos Pimenta (org.), Interdisciplinaridade, Humanismo, Universidade, Campo das Letras, 2004, p. 71). Aprendi eu, na Faculdade de Letras de Lisboa, nas aulas do Padre Manuel Antunes que “a cultura é a aliança do saber e da vida”. Até a genialidade, na sua exata dimensão intelectual e humana, não se manifesta unicamente por um discurso expositivo e inflamado, mas também por uma prática e teoria constantes, em plena identidade entre a vida e o discurso. Ora, no futebol, pessoas há que (sem os crimes de Goebbels, devo salientar) diriam, se pudessem, como Goebbels, “sempre que ouço falar de cultura, puxo pelo revólver”. E, no entanto, um futebol (ou uma qualquer outra modalidade desportiva) sem cultura, propicia os mais lamentáveis aproveitamentos ideológicos. E perde muitas oportunidades para evoluir… Por vezes, a crítica desportiva (e nela me incluo eu também) não passa, aqui e além, de uma mitocrítica, onde realidade e mito e aparelho psíquico do crítico se tornam indissociáveis. No tempo em que vivemos, há, no Desporto, muita gente instruída e pouca gente culta. Também por culpa dos “curricula” escolares onde este fenómeno cultural se estuda, com esquecimento do essencial – a pessoa humana! Jean Lacroix, no seu Panorama da Filosofia Francesa Contemporânea, observa: “Nenhum homem se confunde com Deus, mas todo o homem é a manifestação, a epifania da altura em que Deus se revela”. Portanto, nem o Cristiano Ronaldo, nem o Messi, fazem “jogadas do outro mundo”; nem o Rui Patrício, nem o Ederson são do outro mundo também – Cristiano Ronaldo, Messi, Rui Patrício e Ederson são 4 jogadores superdotados e supertreinados. E beneficiando de um treino de que os “cinco violinos” e os “cinco mágicos” que foram o José Augusto, o Eusébio, o Águas, o Coluna e o Simões, não puderam usufruir e, no país vizinho, poderíamos recordar Kubala, Di Stéfano, Puskas, Gento, etc., etc. É evidente que o futebol destes artistas-futebolistas não pode reduzir-se ao discurso lógico, rigorosamente científico. Perante a sua arte, o sentimento estético, a admiração, o culto, o “coeur” pascaliano nascem, inevitavelmente, autónomos, paralelos e marginais, em relação à vocação estruturante, matematizante, conceptualizadora da razão. O discurso que noticia, ou relata, ou investiga o Desporto movimenta-se numa perene confrontação entre a ciência e a arte, entre a razão e o sentimento, entre uma abordagem analítica e uma abordagem (digamos o nome sem medo) religiosa. Mas a razão e o sentimento completam-se. Quem estuda Filosofia conclui que ela é uma das manifestações da insanável carência humana de mostrar, explicar e compreender o Todo. O seu esforço permanentemente questionante assim o atesta. Em todos os outros tipos de conhecimento, acontece o mesmo. Um jogador de futebol de muito bom nível é constantemente mitificado, em monólogos e diálogos arrebatados e arrebatadores. E, quando colhe os loiros da popularidade, ele sabe, melhor do que ninguém, que não passa do “caniço pensante” de Pascal. Ele sabe que muito do que dizem dele é excessivo e, por isso, insignificante. Manuel Sérgio é professor catedrático da Faculdade de Motricidade Humana e Provedor para a Ética no Desporto
...
16:04 - 19-02-2017
Madeira Rodrigues confiante numa vitória esmagadora
Pedro Madeira Rodrigues prossegue os contactos para sustentar a sua candidatura à presidência do Sporting. O candidato rumou ao Dubai para apresentar o seu projeto a potenciais investidores. «Estou a sentir uma maioria silenciosa que não está contente com a situação atual e que não se revê neste presidente [Bruno de Carvalho]. A única pessoa que está em condições de ganhar de forma esmagadora sou claramente eu», disse Pedro Madeira Rodrigues a A BOLA TV.
A BOLA TV
15:59 - 19-02-2017
Nuno Saraiva
Nuno Saraiva defende novo castigo a Rui Vitória
O diretor de comunicação do Sporting, Nuno Saraiva, analisou as declarações do treinador do Benfica, Rui Vitória, e defendeu que o técnico encarnado deverá ser castigado por ter ameaçado com um «exercito» de seis milhões. «Não brinquem comigo! Eu sei que se tiver uma atitude acicatada aqui ou dentro do campo, tenho 6 milhões de pessoas atrás de mim que se revêem muito naquilo que eu digo. E se eu tenho uma postura cautelosa, também sei que 6 milhões de pessoas têm posturas cautelosas», afirmou Rui Vitória, tendo o dirigente analisado depois estas palavras. «Este é o discurso de um treinador que, dizem, nunca fala de arbitragens. Este é o discurso de um treinador que parece estar eivado de raiva e que pode ser interpretado como de alguém que não hesita em ameaçar com um pretenso exército mitológico, que só existe nas fábulas de La Fontaine. Este é o discurso de um treinador que pode ser entendido como de alguém que parece seguir uma linha de intimidação e de condicionamento dos agentes do futebol. No entanto, e sem que nunca tenham tido esta conduta, quem está com processos às costas são o Presidente do Sporting Clube de Portugal e Octávio Machado. Aguardemos pois pela intervenção do Conselho de Disciplina, tão célere e diligente quando se trata de outros protagonista», concluiu Nuno Saraiva, em declarações nas redes sociais.
Sporting
15:56 - 19-02-2017
Carlos Lopes feliz com requalificação do ´seu` Pavilhão
Carlos Lopes, o primeiro ouro olímpico português, não escondeu a felicidade por ver o pavilhão batizado com o seu nome de cara lavada. «Ver um edifício destes, magnífico, requalificado, no qual toda a gente se revê, e coincidindo com os meus 70 anos acho que é extraordinário», regozijou-se.
A BOLA TV
15:55 - 19-02-2017
Blackburn - Manchester United DIRETO
Siga em direto a partida entre o Blackburn e o Manchester United, referente aos oitavos-de-final da Taça de Inglaterra.
Taça de Inglaterra
15:44 - 19-02-2017
Renato Sanches viu o polémico gesto de Ancelotti (vídeo)
O treinador do Bayern, Carlo Ancelotti, foi apanhado a fazer um gesto impróprio para os adeptos do Hertha, num incidente que o médio português Renato Sanches viu acontecer. O técnico italiano arrisca ser suspenso.
Bayern Munique
15:31 - 19-02-2017
Éber Bessa (ASF)
Éber Bessa convocado para derby com o Nacional
O médio brasileiro Éber Bessa regressa à convocatória do Marítimo para o derby com o Nacional, para a 22.ª jornada, segunda-feira. Sai da lista Jean Cléber e ficam também de fora por lesão Gottardi e Gildo. Lista de 18 convocados: Guarda-redes: Charles e Wellington Defesas: Patrick, Maurício, Raúl Silva, Zainadine, Deyvison e Luís Martins Médios: Erdem Sen, Éber Bessa, Fransérgio e Alex Soares Avançados: Edgar Costa, Brito, Xavier, Ghazaryan, Djoussé e Dyego Sousa
Marítimo
15:25 - 19-02-2017
Pochettino
Pochettino é hipótese para o Barcelona
Após o desaire na Liga dos Campeões, começaram a surgir dúvidas em torno do futuro de Luis Enrique no comando do Barcelona, pelo que a Imprensa inglesa avança agora com o nome de Mauricio Pochettino (Tottenham) como hipótese para o colosso catalão. De acordo com o Daily Express, Pochettino terá os requisitos pretendidos pelo Barcelona, ou seja, conhece bem a Liga espanhola, visto que orientou anteriormente o Espanhol, e tem experiência em lidar com equipas e jogadores de primeiro nível.
Tottenham
15:21 - 19-02-2017
Foto do site do Villarreal
Villarreal derrota Real Sociedad (1-0)
O Villarreal foi vencer, este domingo, ao terreno da Real Sociedad, por 1-0, em jogo da 23.ª jornada da Liga espanhola. O Villarreal, com Adrian Lopez a titular, beneficiou de um golo de Samuel Castillejo em cima do apito final (90) para alcançar os três pontos. Após esta vitória, o clube manteve o sexto lugar, mas agora com 39 pontos. A Real Sociedad permanece no quinto posto.
Espanha
15:12 - 19-02-2017

destaques