SEXTA-FEIRA, 20-01-2017, ANO 17, N.º 6201
PR considera insuportável massa salarial da Função Pública
Guiné-Bissau O Presidente da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, considerou hoje insuportável a massa salarial dos funcionários públicos e pediu ao primeiro-ministro «reformas urgentes». Num discurso perante o Governo, que apresentou hoje cumprimentos de novo ano ao chefe de Estado, José Mário Vaz pediu ao primeiro-ministro, Umaro Sissoco Embaló, que avance com reformas e que ponha os guineenses a trabalhar mais. O Presidente guineense recorreu à sua experiência pessoal enquanto antigo ministro das Finanças para sustentar a convicção de que será difícil ao Estado continuar a suportar a atual massa salarial da função pública. A massa salarial que pagou em 2012, enquanto ministro das Finanças, rondava «2,1 mil milhões de francos CFA, dois anos depois, a massa salarial situa-se na ordem de quatro mil milhões de francos CFA», afirmou José Mário Vaz. O chefe do Estado guineense defendeu que o país «não tem condições de continuar a suportar» tais valores. O Presidente guineense disse, dirigindo-se ao primeiro-ministro, que aceitaria o aumento da massa salarial se os serviços públicos e as condições de trabalho dos funcionários fossem melhoradas. José Mário Vaz considerou que apenas a reforma e o trabalho podem levar o Estado a ter melhor desempenho e a atender às necessidades da população. Afirmou ainda que, na atual situação, todo o dinheiro arrecadado pelo Governo serve apenas para o pagamento de salários dos funcionários públicos. «É chapa ganha, chapa gasta», defendeu o Presidente guineense, que quer ver o Governo a promover reformas na Função Pública em 2017.
Luta pela independência recordada em ilha remota
Guiné-Bissau A Guiné-Bissau celebra a partir de sexta-feira um fim de semana prolongado a recordar Amílcar Cabral e a luta pela independência, com atividades que desta vez rumam até à remota ilha de Komo, no sul do país. O Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) organiza o programa que decorre entre sexta e segunda-feira, em diferentes regiões guineenses, anunciou hoje aquela força política. Na sexta-feira, 20 de janeiro, assinalam-se os 44 anos da morte de Amílcar Cabral, assassinado em Conacri, capital da vizinha Guiné francófona, onde se organizava parte da luta pela independência da então Guiné portuguesa. Na segunda-feira, 23 de janeiro, celebram-se os 54 anos do início da luta armada pela independência - quando em 1963 o primeiro grupo de guerrilheiros do PAIGC atacou o quartel português de Tite, no sul da Guiné. O cerimonial típico, com romagem ao mausoléu de Amílcar Cabral, na fortaleza da Amura, em Bissau, será seguido na sexta-feira. No sábado, a comitiva do partido aventura-se pelo sul do país que ainda hoje permanece isolado, sem estradas, para inaugurar uma exposição fotográfica sobre a luta de libertação nacional na ilha de Komo. A ilha dá nome a uma batalha entre combatentes guineenses e tropas portuguesas que decorreu em fevereiro de 1964 ao mesmo tempo que o PAIGC realizava o seu primeiro congresso, em Cassaca, algumas dezenas de quilómetros a sul. No domingo, a mesma comitiva passa por Cassacá, antes de regressar a Bissau, com uma sessão solene marcada para segunda-feira e para a qual está prevista uma intervenção do presidente do partido e ex-primeiro-ministro, Domingos Simões Pereira.
PR promete um carro a cada jogador se seleção for campeã
Guiné-Bissau O Presidente da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, prometeu entregar uma viatura a cada jogador se o país conquistar a Taça das Nações Africanas (CAN), em futebol, que decorre no Gabão. À chegada a Bissau na terça-feira, depois de um períplo por três países - entre os quais o Gabão, onde assistiu à primeira partida da Guiné-Bissau na CAN -, José Mário Vaz disse ser um desafio para todos os guineenses vencer a Taça de África. «É uma promessa do Presidente: se vencerem vou dar uma viatura nova a cada jogador», declarou José Mário Vaz, em declarações aos jornalistas no aeroporto internacional Osvaldo Vieira. O Presidente guineense afirmou que todos devem apoiar a seleção e pediu ao Governo que faça tudo no sentido de atender às necessidades dos jogadores que se encontram no Gabão. A Guiné-Bissau realiza hoje a sua segunda partida na CAN diante dos Camarões, depois de no sábado ter empatado a uma bola contra o Gabão. A formação dos ‘djurtus’ (cães selvagens) é a única de país lusófono presente na competição que junta as 16 melhores seleções de futebol de África. A Guiné-Bissau integra o grupo A com os Camarões, Burkina-Faso e o anfitrião Gabão.
Governo avança com central elétrica mesmo sem estudo de impacto ambiental
Guiné-Bissau O governo da Guiné-Bissau anunciou que a construção de uma central elétrica num parque natural no sul do país vai avançar, apesar de não ter sido antecedida por um estudo de impacto ambiental e social. O ministro da Energia, Florentino Pereira, que visitou o parque das Lagoas de Cufada na terça-feira, disse que o projeto não foi antecedido de um estudo de impacto ambiental e social, conforme manda a lei do Ambiente no país. Ainda assim referiu que as obras não se podem parar, sob risco de a decisão acarretar «custos incalculáveis». «Governar é uma opção», enfatizou Florentino Pereira, lembrando que o projeto, financiado pela Índia custa 18,7 milhões de euros e vai fornecer energia elétrica às populações das regiões de Quinará e Tombali, no sul da Guiné-Bissau. Na semana passada, duas organizações de defesa na natureza, a associação Tiniguena e o Instituto da Biodiversidade e das Áreas Protegidas (IBAP) criticaram a construção, alertando para prejuízos ambientais. Segundo as duas organizações, estão em risco a maior reserva de água doce da Guiné-Bissau e uma zona de pesca, único meio de subsistência da população. A área possui ainda uma importante reserva florestal e avícola. Miguel de Barros, diretor executivo da Tiniguena, referiu que além da construção da central o projeto «também é um pretexto» para a indústria madeireira devastar a floresta. O ministro do Ambiente nega as alegações das duas organizações, salientando que o lençol freático não será afetado e que não houve grande desmatação. Florentino Pereira afirmou que a concessão da licença a uma empresa indiana para a construção da central ocorreu em 1996 e a lei que delimita a área como zona reservada só foi aprovada em 2000.
País coloca cem policias nas ruas de Bissau para jogo contra Camarões
Guiné-Bissau A polícia vai colocar hoje 100 agentes num local aberto em Bissau onde vão estar milhares de adeptos para assistir o jogo entre a Guiné-Bissau e os Camarões, da Taça das Nações Africanas de futebol (CAN2017), no Gabão. Celso de Carvalho, comissario adjunto da Polícia de Ordem Pública (POP), disse que «a `avalanche` da população» no primeiro jogo da Guiné-Bissau, diante do Gabão (1-1) levou a que sejam tomadas medidas preventivas «para evitar situações desagradáveis». O responsável notou que a `fanzone` montada no bairro de Ajuda, arredores de Bissau, situa-se numa zona de confluência do trânsito automóvel, pelo que a polícia tem que estar atenta no local. Cem agentes, entre os da brigada de trânsito e os da ordem pública, vão estar nas imediações da `fanzone`, onde uma empresa de venda de bebidas alcoólicas colocou um ecrã gigante para a retransmissão dos jogos da CAN. Apesar de os jogos do torneio serem retransmitidos pela Televisão da Guiné-Bissau (TGB), muita gente, em Bissau, prefere ir à `fanzone`, sobretudo pelo ambiente festivo que se faz no local, com música ao vivo, comes e bebes entre milhares de adeptos. Os guineenses acreditam que os `djurtus` irão vencer a partida contra os Camarões e há até quem brinque com o facto de o `djurtu` ser cão selvagem, um exímio caçador, logo, animal com potencial para devorar um camarão. «É hoje que o `djurtu` come o Camarão. Não vai falhar, vamos ganhar por 2-1», vaticinava o Amadeu, engraxador dos sapatos numa rua de Bissau. Nelson, antigo jogador de futebol e hoje funcionário de um banco, também não tem dúvida em como o `djurtu` tem tudo para «petiscar um camarão logo a noite» e diz que a vitória será de uma 1-0, com o golo da Guiné-Bissau a ser apontado «lá para o final do jogo», prognostica. Malam, jornalista, é que não `vai em modas`. Diz que «pode até ser difícil», mas, afiança que a Guiné-Bissau vai vencer por 2-0. A partida começa às 19:00 (mesma hora em Lisboa).
Presidente do parlamento nega ter pedido processo-crime contra PR
Guiné-Bissau O líder do parlamento da Guiné-Bissau, Cipriano Cassamá, nega em comunicado ter pedido a instauração de um processo-crime contra o Presidente da República, contrariando um anúncio recente da Procuradoria-Geral da República. «Em nenhum momento foi pedida a instauração de um processo-crime contra o Presidente da República», José Mário Vaz, escreve-se numa nota do gabinete do chefe da mesa da Assembleia Nacional Popular (ANP), divulgada na noite de terça-feira. A Procuradoria-Geral da República guineense tinha anunciado na segunda-feira ter negado o pedido de Cipriano Cassamá por não ter sido votado no hemiciclo. O líder da ANP refere agora que a procuradoria «interpretou abusivamente e de má-fé» um ofício que acompanhou o envio de registos sonoros para conhecimento do Ministério Público. Em causa estão as declarações em crioulo do Presidente da República que, numa cerimónia pública em que celebrou o seu aniversário, a 10 de dezembro, em Bissau, disse que ninguém será assassinado ou espancado durante o seu mandato, apesar de ter poderes para tal. Outro registo inclui declarações de Nuno Gomes Nabian, dirigente político, que também em dezembro acusou o chefe de Estado de planear uma operação para a detenção ilegítima do presidente do parlamento. No comunicado de cinco páginas de terça-feira, o gabinete de Cipriano Cassamá diz estar sob ataque da Procuradoria-Geral da República. O líder do parlamento considera ainda terem sido invocados de forma despropositada outros processos que envolvem a audição como testemunha do deputado e ex-primeiro-ministro Domingos Simões Pereira - demitido pelo Presidente, José Mário Vaz - e diz que sempre colaborou com as diligências pedidas, desde que respeitem a lei.
Novo embaixador em Portugal entregou cartas credencias a Marcelo Rebelo de Sousa
Guiné-Bissau O novo embaixador da Guiné-Bissau em Portugal, Hélder Vaz, entregou esta terça-feira ao Presidente da República de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, as cartas credencias que o investem nas funções. Na sua conta na rede social facebook, o antigo deputado e ex-ministro da Economia e Desenvolvimento Regional escreveu que «Portugal e Guiné-Bissau têm uma relação secular e de conhecimento mútuo, pelo que muito estreitos devem ser os laços do presente e do futuro». «Que Deus ilumine os nossos passos na construção de um futuro partilhado», expressou ainda. Hélder Vaz foi diretor-geral da CPLP (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa) durante vários anos e alto funcionário da UCCLA (União das Cidades Capitais de Língua Portuguesa).
Ramos Horta em Bissau para partilhar vias de reconciliação nacional
Guiné-Bissau O ex-Presidente de Timor-Leste, José Ramos Horta, vai partilhar com as instituições da Guiné-Bissau a experiência timorense de reconciliação nacional num simpósio a decorrer de 27 a 30 de janeiro na capital guineense, anunciou hoje a organização. «Enfrentar o passado para construir a Guiné-Bissau de amanhã» é o título do evento que pretende ajudar o país a sarar feridas entre dirigentes guineenses e a pôr fim aos ciclos de instabilidade. Como reflexo da situação, só nesta legislatura, iniciada há dois anos e meio, o país já conheceu cinco governos. José Ramos Horta é o convidado de honra do encontro e regressa a Bissau depois de em 2014 ter terminado uma missão como representante especial das Nações Unidas na Guiné-Bissau. O simpósio internacional é organizado por uma comissão que desde 2009 está a preparar a Conferência Nacional «Caminhos para Paz e Desenvolvimento». O trabalho foi interrompido em 2012 com um golpe de Estado e retomado em 2015 com o apoio das Nações Unidas e do Governo de Timor-Leste. A comissão já ouviu três mil pessoas em todo o território da Guiné-Bissau para organizar a conferência que permita «escolher um mecanismo de reconciliação nacional para a Guiné-Bissau», indica a organização. Pretende-se «atacar as causas de conflito e escrever a história comum dos guineenses para que o país possa virar a página e avançar para o desenvolvimento», sem que a política seja o reflexo de desavenças perpetuadas entre gerações. O simpósio tem como objetivos «ajudar manter o impulso dos preparativos para a conferência nacional» e despertar cada vez mais cidadãos para o assunto.
Procuradoria-Geral da República nega processo-crime contra PR José Mário Vaz
Guiné-Bissau A Procuradoria-Geral da República da Guiné-Bissau anunciou hoje, em comunicado, ter negado o pedido de instauração de um processo-crime contra o Presidente da República, José Mário Vaz, feito pela Assembleia Nacional Popular (ANP). «O Parlamento não observou as formalidades constitucionais e legais para o Ministério Público abrir o competente processo-crime contra o Presidente da República», lê-se no comunicado. A Procuradoria explica que o pedido precisaria da aprovação por 2/3 dos deputados do Parlamento, ou seja, não basta um ofício assinado pelo presidente da ANP, tal como aconteceu. Na base da queixa apresentada pelo presidente da ANP, Cipriano Cassamá, estão declarações feitas pelo chefe de Estado numa cerimónia pública em que celebrou o seu aniversário, a 10 de dezembro, em Bissau. José Mário Vaz referiu que «ninguém será assassinado ou espancado por ordens do Presidente durante o seu mandato». Na altura, a intervenção motivou um pedido de explicações da Liga Guineense dos Direitos Humanos, uma vez que a Constituição guineense «em nenhum momento deu esses poderes ao chefe do Estado», mas não houve mais esclarecimentos por parte da Presidência. No comunicado, a Procuradoria-Geral da República acrescenta que está a conduzir inquéritos em que o ex-primeiro-ministro Domingos Simões Pereira (presidente do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde) figura como testemunha. Nesse âmbito, a Procuradoria solicita a colaboração da ANP para que permita que o agora deputado seja ouvido.
Governo pretende eliminar vistos para atrair turistas portugueses
Guiné-Bissau Acabar com a necessidade do pagamento de vistos é uma medida que o Governo da Guiné-Bissau prepara a curto prazo para atrair turistas portugueses. Segundo o Expresso, a decisão foi tomada na sequência da primeira visita de operadores turísticos portugueses à Guiné-Bissau, na semana passada, promovida pela transportadora Euroatlantic, e na qual participaram diversas agências de viagens, com vista à montagem de programas de férias já em 2017. «Os portugueses são aqui muito bem-recebidos e vão sentir-se em casa», garantiu Fernando Vaz, ministro do Turismo e do Artesanato da Guiné-Bissau, aos operadores portugueses, frisando que «Portugal está quase em África, a menos de quatro horas de voo da Guiné». «Queremos que Portugal seja um interlocutor nosso para outros países europeus, tal como foi para Cabo Verde», assinalou ainda Fernando Vaz. A aposta concentra-se no arquipélago de Bijagós, um santuário natural com 88 ilhas.
Agência de viagens Carrani Tours inaugura escritório em Bissau
Guiné-Bissau A Agência de viagens Carrani Tours inaugurou o seu escritório em Bissau, numa cerimónia presidida pelo chefe do gabinete do ministro do Turismo e Artesanato. Na ocasião, Bem Kassimo Cunha felicitou a administradora da Carrani Tours, Maria Carlota Barros, pela criação do novo espaço, sublinhando que o desafio que vai lançar aos operadores turísticos da Guiné-Bissau é no sentido de «não se limitarem à venda de bilhetes mas também começarem a elaborar pacotes turísticos, no sentido de trazer mais turistas ao país». «Atualmente vendemos bilhetes de quase todas as companhias aéreas, até mesmo das que não operam na Guiné-Bissau», disse Maria Carlota Barros.

classificações

Guiné-Bissau - Liga MTN
25. ª jornada
classificação
18-07
Estrela Negra
00
Sporting Bissau
18-07
Balantas Mansoa
21
Canchungo
18-07
Bula
12
Bambadinca
18-07
UDIB
00
Cuntum
18-07
Bijagós
12
Bissau e Benfica
18-07
Bolama
13
Portos Bissau
18-07
S. Domingos
00
Sporting Bafatá
J
V
E
D
GM-GS
P
1
Bissau e Benfica
25
16
7
2
65-19
55
2
Sporting Bissau
25
16
5
4
34-13
53
3
Bambadinca
24
12
5
7
29-20
41
4
Sporting Bafatá
25
11
7
7
36-22
40
5
Balantas Mansoa
24
10
9
5
24-14
39
6
Bula
25
9
9
7
35-29
36
7
S. Domingos
25
8
10
7
20-25
34
8
Canchungo
24
8
9
7
31-26
33
9
UDIB
25
7
8
10
20-24
29
10
Cuntum
25
6
7
12
23-35
25
11
Portos Bissau
23
6
5
12
22-30
23
12
Bijagós
24
6
4
14
24-36
22
13
Estrela Negra
25
5
7
13
17-45
22
14
Bolama
25
4
4
17
20-62
16