SEXTA-FEIRA, 20-01-2017, ANO 17, N.º 6201
José Luís Peixoto lança em livro peça teatral «Estrangeiras»
Cabo Verde O escritor português José Luís Peixoto vai lançar, na próxima semana, em Cabo Verde, a obra `Estrangeiras`, um texto teatral que ganha forma de livro numa edição da Rosa de Porcelana. A apresentação do livro, que já «subiu ao palco» em Portugal, no Brasil e em Cabo Verde, decorrerá em duas sessões, uma no Mindelo, na segunda-feira, e outra na cidade da Praia, na terça-feira, ambas com a presença do escritor português. O texto conta a história de três mulheres de diferentes países da lusofonia - Portugal, Cabo Verde e Brasil - que ao tentarem entrar nos Estados Unidos são obrigadas a ficar juntas durante algumas horas numa sala da polícia de fronteira do aeroporto. Enquanto esperam vão conversando e aos poucos acabam por mostrar o que pensam umas das outras e sobre os países de onde vêm, evidenciando o quase desconhecimento da lusofonia sobre si própria. A peça estreou-se em julho em Portugal e em setembro em Cabo Verde, depois de uma passagem pelo Brasil, numa coprodução do Teatro Municipal do Porto e do grupo de Teatro do Centro Cultural Português do Mindelo. A obra foi encenada por João Branco e interpretada pelas atrizes Sílvia Lima (Cabo Verde), Francisca Lima (Portugal) e Janaína Alves (Brasil). João Branco, que com o escritor Filinto Elísio irá apresentar o livro, explicou, na altura da apresentação pública da peça, em maio, no Mindelo, que o projeto começou a germinar há 10 anos e resultou sobretudo da amizade que liga escritor e encenador. Na mesma altura, José Luís Peixoto sublinhou a oportunidade de falar de «assuntos importantíssimos no contexto dos países onde se fala a língua portuguesa». «Com as distâncias que temos imaginamo-nos uns aos outros. Os portugueses imaginam os brasileiros, os brasileiros imaginam os portugueses, os cabo-verdianos imaginam os portugueses e os portugueses os cabo-verdianos e, nessa imaginação, muitas vezes há ideias que se vão cristalizando, que nem sempre são corretas e são injustas para todos», disse na altura. É este texto que ganha agora forma de livro naquela que é o 10.º livro da Rosa de Porcelana e que, segundo a editora, confirma a opção pela «diversificação dos géneros literários» e pela «internacionalização das obras e autores de língua portuguesa», segundo nota do Centro Cultural Português da Praia, local que acolhe uma das sessões do lançamento do livro.
Federação de Basquetebol promove curso de arbitragem
Cabo Verde A Federação Cabo-verdiana de Basquetebol realizará de 25 a 27 deste mês, no pavilhão desportivo Vává Duarte, na cidade da Praia, um curso de arbitragem direcionado para árbitros e oficiais de mesa das associações regionais da modalidade. Este curso que está inserido no programa de atividades de Federação de Basquetebol para 2017, contará a participação das associações regionais do Fogo, Santo Antão, São Vicente, Sal, Santiago Norte e Sul, cada uma com três árbitros.
Chade pede apoio para candidatura à presidência da Comissão da União Africana
Cabo Verde A República do Chade pretende o empenho de Cabo Verde em torno da sua candidatura à presidência da Comissão da União Africana. O apoio foi solicitado na quarta-feira através de uma mensagem remetida pelo chefe de Estado do Chade e presidente em exercício da União Africana (UA), Idriss Deby Itno, ao Presidente da República de Cabo Verde, Jorge Carlos Fonseca. O ministro das Infraestruturas, Transportes e Descentralização, Adoum Younousmi, enviado especial de Idriss Deby Itno, disse, em declarações à imprensa, no final do encontro com Jorge Carlos Fonseca, que o seu país está «engajado» em torno da candidatura do seu ministro dos Negócios Estrangeiros, Moussa Faki Mahamat, para a presidência da Comissão da União Africana. As eleições estão previstas para este mês de janeiro, durante a 28ª cimeira da dessa organização.
Secretária de Estado adjunta para preparar visita de António Costa
Cabo Verde A secretária de Estado Adjunta Mariana Vieira da Silva foi recebida hoje pelo primeiro-ministro de Cabo Verde no início de uma visita de três dias que servirá para preparar a viagem de António Costa ao país em fevereiro. Mariana Vieira da Silva, que está na cidade da Praia a convite do governo cabo-verdiano para proferir uma palestra no âmbito das celebrações do 13 de janeiro, disse aos jornalistas que a deslocação servirá também para antecipar a visita do chefe do Executivo português. Adiantou que a data da visita não está ainda fechada, mas deverá ocorrer em final de fevereiro e confirmou 20 de fevereiro como data indicativa. O ministro dos Negócios Estrangeiros de Cabo Verde, Luís Filipe Tavares, avançou em dezembro, o dia 20 de fevereiro como a data para a realização da quarta cimeira Portugal - Cabo Verde, no âmbito da qual decorre a segunda deslocação, como chefe do Governo, de António Costa a Cabo Verde. Durante a cimeira entre os dois países, a decorrer na cidade da Praia, deverá ser assinado o Programa Estratégico de Cooperação 2016/2020 entre os dois países, assunto que irá também ser abordado durante as reuniões de trabalho que Mariana Vieira da Silva terá quinta-feira com vários membros do Governo cabo-verdiano. A agenda da visita incluiu ainda encontros com os líderes dos dois maiores partidos cabo-verdianos - Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV), na oposição, e Movimento para a Democracia (MpD), no poder - e na sexta-feira a participação nas cerimónias do Dia dos Heróis Nacionais, que assinala a data da morte do líder histórico da independência Amílcar Cabral. «São reuniões de trabalho com o Governo e os vários partidos para ouvir os problemas e conversar sobre a cooperação entre Portugal e Cabo Verde», disse a secretária de Estado Adjunta. Sobre o encontro com o primeiro-ministro Ulisses Correia e Silva, Mariana Vieira da Silva disse ter trazido de António Costa «uma mensagem de vontade de trabalho conjunto». Cabo Verde «foi a primeira visita oficial do primeiro-ministro há um ano e trouxe essa vontade de trabalho conjunto, cooperação e tratamento de questões da língua portuguesa», disse. Mariana Vieira da Silva proferira no final do dia de quinta-feira uma conferência subordinada ao tema «O Estado, o setor privado e a justiça social numa sociedade pluralista», no âmbito das iniciativas para assinalar o 13 de janeiro, data das primeiras eleições multipartidárias em Cabo Verde, em 1991.
Arquipélago será parceiro do centro internacional de investigação do Atlântico
Cabo Verde Cabo Verde será um dos países parceiros do futuro centro internacional de investigação, centralizado nos Açores, disse hoje a secretária de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, considerando o país «um ponto de referência essencial» no Atlântico. Maria Fernanda Rollo, que falava hoje na cidade da Praia, à margem de um encontro com a ministra da Educação cabo-verdiana, Maritza Rosabal, destacou a discussão em torno da participação de Cabo Verde no futuro Centro Internacional de Investigação do Atlântico como um dos pontos importantes da visita que realiza ao país até sexta-feira. «Há uma dimensão muito importante na agenda e que tem a ver com o centro de investigação internacional dedicado ao estudo do Atlântico, onde Cabo Verde é um ponto de referência essencial», disse Maria Fernanda Rollo aos jornalistas. «É um dos assuntos que tem estado no debate entre Portugal e Cabo Verde, que é um parceiro inestimável nesse centro internacional dedicado à investigação em matérias como o espaço, o mar, o ambiente e em que estão todos os países da orla Atlântica», acrescentou. O centro, cuja criação está ser discutida internacionalmente, terá o seu «epicentro» nos Açores, onde em abril será realizada a primeira cimeira ministerial e um encontro de alto nível entre representantes de governos, empresas, universidades e centros de investigação, que incluirá especialistas da Europa, África e Américas. Cabo Verde, que será um dos países parceiros do centro, irá marcar presença na cimeira dos Açores. A pouco mais de um mês da realização na cidade da Praia da cimeira luso-cabo-verdiana, em que será assinado o novo Programa Estratégico de Cooperação (PEC) entre os dois países até 2020, as duas responsáveis governamentais abordaram igualmente os assuntos relativos às linhas de cooperação em matéria de ensino superior e ciência. A ministra da Educação de Cabo Verde, Maritza Rosabal, adiantou que a visita se insere no âmbito das atividades preparatórias da cimeira entre Portugal e Cabo Verde, altura em que «será discutido todo o processo de cooperação e os acordos para os próximos anos», entre os dois países. Apontou como «especialmente importante» para Cabo Verde a cooperação no domínio da ciência, da tecnologia e da inovação, área em que, segundo disse, o país têm «um longo caminho a percorrer». «Portugal tem tido avanços muito significativos nesta área e portanto temos todo um processo de partilha e aprendizagem. Neste momento estamos a combinar como se vai desenvolver o processo, que nos vai permitir toda a montagem institucional de novos serviços como o Gabinete de Ciência, Tecnologia e Inovação ou a Agência de Regulação do Ensino Superior», disse. A ministra sublinhou ainda a importância da presença de Cabo Verde na cimeira sobre o centro internacional de investigação do Atlântico. Maria Fernanda Rollo está em Cabo Verde até sexta-feira e além de encontros com as autoridades e a equipa de reitores da Universidade de Cabo Verde (UNI-CV), tem marcadas além de visitas à Casa da Ciência da UNI-CV e ao Museu do Tarrafal. No âmbito da visita, está prevista a realização, na tarde de quinta-feira, de uma palestra subordinada ao tema «Conhecimento em Português», durante a qual a secretária de Estado fará uma intervenção sobre «Ciência Aberta - Partilhar Conhecimento, Consolidar a Democracia».
País recebe prémio regional de conservação ambiental
Cabo Verde A cédula cabo-verdiana da Associação das Mulheres da África Ocidental (RAMAO) recebeu hoje, na cidade da Praia, o «Prémio Conservação», atribuído pelo programa regional «Go-Wamer», de gestão dos recursos marinhos. A organização cabo-verdiana, que venceu com o projeto «Um grito contra a apanha d`areia», recebeu o prémio no âmbito da 5.ª reunião do Comité de Pilotagem do Programa Go-Wamer (Governação, políticas de gestão de recursos marinhos e redução da pobreza na Região WAMER), que está a acontecer na capital cabo-verdiana. Além de Cabo Verde, o programa, orçado em 10,5 milhões de euros e cofinanciado pela União Europeia e pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), integra o Senegal, Mauritânia, Gâmbia, Guiné-Bissau e Guiné Conacri. O prémio, instituído em 2009 com o objetivo de congregar esforços dos atores da África Ocidental na conservação das zonas costeiras e marinhas, visa sensibilizar as organizações nacionais e sub-regionais para as questões ambientais. Segundo a presidente da RAMAO, Josefina Chantre, o galardão é fruto do trabalho feito pela organização social em prol da conservação do litoral e da sensibilização feita junto das mulheres que vivem da apanha de areia em Cabo Verde. Destacando questões de saúde e de empoderamento das mulheres que vivem da apanha de areia, Josefina Chantre pediu alternativas de subsistências para essas chefes de família, bem como melhor conservação do litoral. Além de Cabo Verde, projetos do Senegal e da Guiné-Bissau também foram distinguidos pelo programa Go-Wamer. A reunião regional do Comité de Pilotagem do Programa Go-Wamer servirá para os responsáveis discutir várias questões ambientais e traçar perspetivas para o futuro para os recursos marinhos e costeiros na África Ocidental.
Arquipélago assina acordo de cooperação nas infraestruturas de transportes com Espanha
Cabo Verde O governo cabo-verdiano assinou hoje um acordo de cooperação com a Espanha no domínio das infraestruturas de transportes aéreos e marítimos, que prevê, entre outros pontos, o controlo e gestão do tráfego e melhoria da segurança. O acordo foi assinado hoje em Madrid pelo ministro da Economia e Emprego de Cabo Verde, José Gonçalves, e o ministro de Fomento (Obras Públicas) de Espanha, Íñigo de la Serna Hernáiz. Segundo uma nota do governo de Cabo Verde, o acordo prevê um «leque alargad» de intervenção de Espanha no arquipélago, como a planificação, certificação, supervisão, gestão de projetos, manutenção, gestão e exploração das infraestruturas de transportes aéreos e marítimos. Também prevê a consultoria e promoção do tráfego de cruzeiros no país, desenvolvimento, implantação e exploração de sistemas e serviços de navegação aérea, controlo do tráfego aéreo e informação aeronáutica e apoio à implementação de programas regionais e globais. O governo cabo-verdiano informou ainda que a congénere espanhola vai apoiar o arquipélago africano na extensão à África dos sistemas de navegação por satélite, esperando, com isso, melhoria da segurança aérea. O ministro cabo-verdiano está em Espanha a participar numa série de atividades ligadas ao turismo, tendo esta tarde uma vista ao expositor de Cabo Verde na 37.ª edição da Feira Internacional de Turismo (FITUR).
DGD capacita federações em matéria de planeamento estratégico
Cabo Verde A Direção Geral dos Desportos (DGD) de Cabo Verde, promove esta quarta-feira, no Polidesportivo Vavá Duarte, na cidade da Praia, uma formação em planeamento estratégico dirigida a todas as federações desportivas do arquipélago. Esta formação visa auxiliar as estruturas desportivas na implementação e execução das novas diretrizes no que tange aos processos para a assinatura dos contratos-programa com Ministério do Desporto. Segundo a DGD, a partir deste ano serão exigidas às federações que apresentem, para além do plano de atividades anual, um plano estratégico plurianual das ações e projetos pretendidos. «Neste âmbito e atendendo as solicitações das próprias federações por apoio técnico na implementação e execução dessas novas linhas de orientação e ação, realiza-se a referida ação de formação», realça a mesma fornte. Esta ação de formação será ministrada pelo especialista Leonardo Cunha, mestre em gestão do desporto e atual secretário-geral do Comité Olímpico Cabo-verdiano. «A ideia é de que se venha a dar continuidade a essa e outras formações que possam ajudar a uma melhor organização e desempenho das federações a bem do desporto nacional», conclui um comunicado da DGD.
Dívidas de cotizações a organizações internacionais estão a ser regularizadas
Cabo Verde O ministro dos Negócios Estrangeiros de Cabo Verde disse hoje à agência Lusa que o país está a regularizar as dívidas de 2,7 milhões de euros de cotizações que tem junto de organizações internacionais de que faz parte. «Estamos a pagar. Obviamente que, hoje, seguramente, menos, mas há oscilações porque nós temos as quotas de 2017 e algumas já devemos estar a pagar, como a União Africana. Outras ainda não pagámos, mas vamos pagando», garantiu Luís Filipe Tavares. Em julho último, o primeiro-ministro de Cabo Verde, Ulisses Correia e Silva, revelou que o novo Governo do Movimento para a Democracia (MpD) herdou do executivo do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV) dívidas em cotizações a organizações internacionais de 3 mil milhões de escudos (cerca de 2,7 milhões de euros). Destacando o caso da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), cuja dívida ascendia a mil milhões de escudos (cerca de 900 mil euros), o primeiro-ministro disse ter vergonha de participar nas reuniões da organização e «ser chamado de caloteiro». Em declarações hoje à Lusa na cidade da Praia à margem de uma reunião regional sobre a governação e políticas de gestão de recursos marinhos e redução da pobreza, Luís Filipe Tavares não precisou a percentagem do montante que Cabo Verde já pagou, garantindo que o país «paga todos os dias», mas também recebe novas faturas todos os dias. «Temos feito uma gestão muito criteriosa disto tudo. O ministro das Finanças acompanha isto tudo de perto, já fizemos planos de pagamento e as coisas estão a funcionar com a fluidez necessária», sublinhou o governante. Luís Filipe Tavares disse ainda que há vários calendários estabelecidos para regularizar as dívidas e que o arquipélago está a cumprir e a trabalhar normalmente. «Mas há um trabalho que é feito em coordenação entre os Ministérios dos Negócios Estrangeiros e das Finanças e as coisas estão a ser conduzidas de forma mais responsável possível e acreditamos que vamos cumprir os nossos compromissos como sempre cumprimos», afirmou. Além da CEDEAO, Cabo Verde integra organizações como a União Africana (UA) e a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).
Tubarões Azuis goleados por Marrocos (0-4)
Cabo Verde A seleção de Cabo Verde, composta por jogadores que militam em clubes dos diversos campeonatos regionais do arquipélago, foi goleada (4-0) pela congénere de Marrocos, num amistoso disputado na terça-feira, em Rabat. Neste jogo de preparação da seleção de Marrocos para o CHAN’2017 - prova da CAF reservada a jogadores residentes das seleções nacionais africanas, os Tubarões Azuis saíram para o intervalo a perder por 1-0, mas acabaram por sofrer mais três golos na etapa complementar do encontro. Azarou, que bisou na partida, Mouaoui e Namsaoui foram os autores dos golos da seleção de Marrocos.
Grupo de reflexão considera «falsas partidas» as eleições diretas no PAICV
Cabo Verde O grupo de reflexão do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV, oposição) classificou esta terça-feira, em conferência de imprensa, na cidade da Praia, de «falsas partidas» as diretas de 29 deste mês, para eleger o presidente do partido e os delegados ao congresso do próximo mês de fevereiro. O antigo secretário-geral do PAICV, Júlio Correia, que falou em nome do grupo, considera que não foram criadas condições objectivas para o surgimento de propostas alternativas à atual liderança de Janira Hoppfer Almada que concorre à sua própria sucessão. «A base de dados não mereceu o tratamento necessário para expurgar as incorreções, as estruturas de base, regionais e intermédias do partido, com exceção de São Vicente, não foram relegitimadas, continuando com mandatos caducados», frisou. Júlio Correia garantiu, no entanto, que o grupo de reflexão tudo fará que os militantes do PAICV se sintam «profundamente comprometidos com boas práticas de gestão interna, democrática e de participação efetiva nas estruturas do partido». O grupo de reflexão apela ainda aos militantes que se mantenham «vigilantes, livres e conscientes» quanto às suas opções nestas eleições internas da liderança do PAICV, para, com «serenidade, tornar o partido mais forte com sua força».