DOMINGO, 31-07-2016, ANO 17, N.º 6028
Mosca da fruta ameaça setor comercial e agricultores
Moçambique A Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) aponta a presença da mosca da fruta em Moçambique como ameaça capaz de afetar não só o sector comercial, mas também os pequenos agricultores e vendedores informais que têm as frutas e os vegetais como meio de subsistência. O alerta é do representante da FAO no país, Castro Camarada, que aponta o surgimento e o impacto dos tefritídeos como o maior desafio para o desenvolvimento das hortofrutícolas em África, pois afetam tanto o comércio como também reduzem o crescimento do potencial económico dos países afetados. A mosca da fruta foi detetada, pela primeira vez, em 2007, no distrito de Cuamba, província do Niassa, mas, atualmente, cobre todo o país. Para fazer face à praga, foi recentemente criado, em Chimoio, um laboratório especializado. Segundo Domingos Cugala, docente da Faculdade de Agronomia e Engenharia Florestal da UEM, a mosca da fruta, atualmente, ocorre em todo o país, mas estão a ser implementadas medidas de controlo e investigação. «Já fizemos vários estudos para permitir a libertação da exportação de vários produtos para a África do Sul, principalmente, sem problemas de restrição», explicou.
Tráfico humano com níveis preocupantes no país
Moçambique Moçambique tem pouco mais de milhão pessoas sob gestão de traficantes de seres humanos para alimentar o trabalho forçado, a exploração sexual e outros fins meramente obscuros, segundo um estudo lançado em 2015 pela Procuradoria-Geral da República de Moçambique. A informação está contida num comunicado de Imprensa da Rede de ONGs da África Austral Contra o Tráfico e Abuso de Menores (SANTAC) que, juntamente com os parceiros, renovam o compromisso na promoção e defesa dos direitos humanos, principalmente dos direitos das crianças. A renovação do compromisso surge por ocasião do Dia Internacional de Combate ao Tráfico de Seres Humanos, que se assinala este sábado, data designada pela ONU, com o objectivo de chamar a atenção da problemática do tráfico de seres humanos e encorajar os cidadãos do mundo inteiro a adoptarem medidas de combate ao crime.
UD Songo recebe Desportivo de Maputo num encontro de dois extremos
Moçambola Os extremos vão se cruzar, este domingo, na 19.ª jornada do Campeonato Nacional de futebol da 1ª Divisão (Moçambola). No frente-a-frente entre o comandante e o lanterna vermelha, a União Desportiva do Songo tem, na recepção ao Desportivo de Maputo, mais uma oportunidade flagrante para se manter à frente e, assim, cimentar as suas pretensões de conquistar o título. Um dos desafios mais equilibrados da ronda será travado no Chiveve, com o Ferroviário da Beira a defrontar a ENH de Vilankulo. Ambos os conjuntos, bem colocados no grupo da frente da tabela classificativa, também ambicionam ganhar o Campeonato, numa temporada de verdadeira intromissão de novas estrelas na discussão do título. O mesmo se pode dizer do encontro entre o Ferroviário de Nampula e o de Maputo, este último campeão nacional, treinado por Arnaldo Salvado, a conhecer uma ascensão meteórica. Em relação aos outros três nomes sonantes, coincidentemente a jogar em casa, Liga Desportiva de Maputo recebe 1.º de Maio, Maxaquene o Desportivo de Nacala e Costa do Sol o Clube do Chibuto. Calendário completo da 19ª jornada: DOMINGO Ferroviário de Nacala-Desportivo de Niassa Liga Desportiva de Maputo-1.º de Maio de Quelimane União Desportiva do Songo-Desportivo de Maputo Ferroviário da Beira-ENH de Vilankulo Costa do Sol-Clube do Chibuto Maxaquene-Desportivo de Nacala Estrela Vermelha-Chingale de Tete Ferroviário de Nampula-Ferroviário de Maputo
Cacau são tomense promove sucesso de chocolates Corallo
São Tomé e Príncipe Os chocolates Claudio Corallo, nome do proprietário, italiano de 64 anos, têm ganho reputação internacional e o segredo está quer na qualidade do cacau de São Tomé e Príncipe quer do modo de colheita e tratamento, revelou o próprio à Africa News. «O segredo do nosso sucesso começa na qualidade do cacau e passa pela forma como o colhemos os grãos e um processo único de fermentação que resulta de anos de experimentação e apuro», começou por revelar. Claudio Corallo garante que, «ao contrário das grandes marcas de chocolate, que descascam os graus de cacau de forma mecânica, nós descascamos cada grão de cacau à mão. O que será único no mundo. Com isso, não só garantimos emprego como respeitamos as melhores práticas ambientais», congratulou-se Claudio Corallo. «A nossa produção, comparada com muitas outras, é pequena. Mas, em compensação, não comprometemos nada no nosso produto e mantemos os mais altos padrões de qualidade. As nossas embalagens são propositadamente simples e minimalistas porque o queremos realçar é a qualidade do nosso chocolate», concluiu. Claudio Corallo formou-se em agronomia e emigrou para a República Democrática do Congo com apenas 23 anos, tendo trabalhado para o governo na área da pesquisa agronómica. Poucos anos depois, investiu na plantação de café e produz 800 toneladas de café anualmente. Em 1998, devido ao conflito armado, comprou uma plantação de Cacau em São Tomé e passou a produzir chocolate.
Polícia de Bari deteve guineense por tráfico de droga
Itália Mohammed Dukanda, um homem de 23 anos, natural da Guiné Bissau, foi detido junto a uma das mais movimentadas discotecas de Bari, Itália, às quatro da madrugada deste sábado, por tráfico de droga. O homem, já referenciado por duas anteriores detenções pelo mesmo motivo, estava a ser seguido pela polícia. Mohammed Dukunda ainda fugiu, mas foi apanhado uns minutos depois na posse de 200 euros e de pequenos sacos de droga, colados ao corpo, num esquema engenhoso em que a mesma saia pela manga da camisa por forma a disfarçar a atividade de venda. Mohammed Dukanda aguarda ser levado a tribunal para conhecer a medida de coação.
Médicos Sem Fronteiras diminuem mortalidade infantil em Bissau para metade
Guiné-Bissau Pela primeira vez desde que se instalaram na Guiné Bissau, dedicando-se em exclusivo à pediatria, a organização Médicos Sem Fronteiras (MSF) preparou uma campanha preventiva para tentar minimizar o impacto de aumento significativa dos casos de malária que se costumam registar entre Agosto e Novembro, informou Jana Brandt, coordenadora da organização no país nos últimos nove meses, à publicação dos MSF. «O ano passado, os casos de malária triplicaram nesse período. Este ano, aumentámos a capacidade de resposta com uma unidade com trinta camas em Batafa, a noroeste do país, e reforço dos meios, além da implementação de uma campanha de prevenção. Vamos estar a acompanhar cerca de 25 mil crianças da região», disse. Os Médicos Sem Fronteiras estão também a prestar auxílio no Hospital Central de Bissau, onde também se reforçou a capacidade de resposta ao surto de malária. Mas há problemas. «Gritante falta de pessoal e equipamentos - chegamos a ter um só médico para 160 camas - pessoal médico com baixo nível de conhecimento técnico e... a corrupção», declarou Jana Brandt. Muito trabalho não anula sentimento de impotência «Os casos que recebemos em Bissau são os extremos, os mais difíceis de enfrentar. Para mais, as famílias continuam a apostar nas medicinas e terapias tradicionais e muitas crianças já chegam tarde ao hospital. É frustrante perceber que muitas se salvariam se chegassem mais cedo aos nossos cuidados. Em janeiro, a taxa de mortalidade das crianças que entraram nos nossos serviços foi de 75 por cento. Um absurdo, inconcebível. Em seis meses de trabalho conseguimos baixar para 38 por cento, mas continua a ser um número inadmissível, astronómico», protestou Jana Brandt. A «instabilidade política e constantes mudanças de Governo também não ajudam a uma política de saúde estável e com meios. Os Médicos Sem Fronteiros têm 200 técnicos de saúde espalhados pela Guiné Bissau em auxílio a todas as áreas pediátricas.
Aumento vertiginoso do preço do pão está a afastar muitas famílias de produto básico da alimentação
Angola O aumento vertiginoso do preço do pão está a provocar protestos e instabilidade social. Os comerciantes e industriais do setor dizem que a culpa é da falta de farinha de trigo no mercado e o aumento significativo dos custos de produção, tanto que já há padarias a fechar. Segundo um levantamento feito pela agência de notícias angolana, Angop, o pão de forma, que era comecializado a 300 kuanzas, chega a atingir, nalguns estabelecimentos, 850 kwanzas. E o popular `cassete` quintuplicou de preço, de 20 para 100 kwanzas. Preços que estão a afastar muitas famílias de um produto vital da cesta de compras. Uma das razões para esta inflação prende-se com a escassez de oferta de farinha de trigo, comprada pelos industriais, na quantidade possível, entre 26 e 30 mil kwanzas. A Associação das Indústrias de Panificação e Pastelaria de Angola (AIPPA), reunida em junho, já apresentou uma proposta ao Ministério das Finanças para que o preço do pão seja fixado administrativamente e ao do Comércio para regular e facilitar a importação de cereais. A regulação e legalização de toda a atividade das panificadora está também em discussão. O governo provincial de Luanda também está a trabalhar no sentido de, em conjunto com as autoridades centrais, encontrar uma solução que permita a regulamentação do mercado.
Miss Angola deu sangue no Hospital do Prenda
Angola A Miss Angola-2016, Luísa Baptista, deslocou-se este sábado ao Hospital do Prenda, em Luanda, para dar sangue, no âmbito de uma campanha promovida pela Associação Amigos do Progresso do Sambizanga. «Dar sangue é algo que deveria ser assumido por todas as pessoas que estejam em condições de o poder fazer. Dar sangue é dar vida e fico feliz por estar a ajudar a salvar vidas», frisou Luísa Baptista. Em média, o Hospital do Prenda necessita por dia de 15 litros de sangue, segundo informação prestada pela médica Faustina Agostinho. Por norma, esta unidade, como a maioria, debate-se com graves problemas de carência de unidades de sangue. Na campanha deste sábado foram recolhidos cerca de 70 litros de sangue.
Ferroviário de Maputo qualifica-se para as meias-finais do Campeonato de basquetebol
Moçambique O Ferroviário de Maputo tornou-se na primeira equipa apurada para as meias-finais do Campeonato moçambicano de basquetebol após vencer, ontem, o Costa do Sol, por 92-78, em jogo da 5.ª jornada. O Ferroviário alcançou a quinta vitória consecutiva passando a somar 10 pontos, mais um do que o Desportivo que no jogo mais importante da jornada bateu o Maxaquene por 88-77, quando faltam duas jornadas para o fim da fase regular. A ronda ficou ainda marcada por uma surpresa, a vitória da CAME de Quelimane sobre a Politécnica, por 67-48 e pelo embate beirense que terminou com o triunfo do Ferroviário da Beira sobre Vaz Team, por 98-63.
Ferroviário da Beira vence (98-63) Vaz Team num dos jogos da 5.ª jornada do nacional de basquetebol
Moçambique O Ferroviario da Beira venceu o Vaz Team da Beira (98-63), num dos jogos da 5.ª jornada do campeonato moçambicano de basquetebol em seniores masculinos. Já o Desportivo de Maputo levou a melhor (88-77) sobre o vizinho Maxaquene, também esta sexta-feira. (Fotos Sérgio Costa/ASF)
MpD apoia recandidatura de Jorge Carlos Fonseca à Presidência da República
Cabo Verde O Movimento para a Democracia (MpD) apoia a recandidatura de Jorge Carlos Fonseca ao cargo de Presidente da República de Cabo Verde, nas eleições presidenciais de outubro próximo. Este apoio foi manifestado, esta sexta-feira, pelo vice-presidente do MpD, Fernando Elísio Freire, numa conferência de imprensa, na cidade da Praia. O partido no poder justifica o apoio a Jorge Carlos Fonseca pelo facto de ter sido «imparcial» durante o primeiro mandato presidencial, que ora termina, e pelo «contributo» que deu para o «aprofundamento» da democracia cabo-verdiana.