Governo realiza diagnóstico à gestão do Fundo Soberano de Angola

Angola 03-01-2018 21:35
Por Lusa
O ministro das Finanças de Angola disse hoje que está a decorrer um diagnóstico à gestão do Fundo Soberano de Angola (FSDEA), para ao longo do primeiro semestre deste ano ser aprovada uma nova estratégia.

Archer Mangueira, que falava numa conferência de imprensa realizada hoje pela equipa económica do Governo de Angola para apresentação do Programa de Estabilização Macroeconómica para 2017-2018, respondia a uma questão colocada sobre se está a sr feita alguma investigação ao Fundo Soberano, na sequência de algumas denúncias sobre má gestão do mesmo.

O governante angolano frisou que como outras instituições, que foram criadas para salvaguardar investimentos do Estado e proteger futuras gerações, de acordo com determinada estratégia num dado momento, terá de ser revista a sua estratégia.

«Angola agora vive uma situação diferente sob ponto de vista da sua vida económica e financeira e essas instituições terão que necessariamente rever as suas estratégias e adequarem-se ao atual momento», disse.

Segundo Archer Mangueira, a perspetiva do executivo angolano é fazer aprovar ao longo do primeiro semestre de 2018 uma nova estratégia do Fundo Soberano de Angola, adequada ao novo contexto económico e financeiro que o país está a viver.

Em novembro deste ano, surgiram denúncias sobre o Fundo Soberano de Angola, liderado por José Filomeno dos Santos, filho do ex-Presidente angolano José Eduardo dos Santos, do recurso do fundo a paraísos fiscais, divulgadas através de documentos revelados pelo Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação (CIJI), no âmbito da investigação `Paradise Papers`.

Em reação às notícias, o FSDEA, que gere ativos do Estado angolano de 5.000 milhões de dólares, garantiu que todas as operações que realiza são feitas de ´forma legítima´, ao abrigo dos ´mais altos padrões regulatórios´.
Ler Mais

Últimas Notícias

ATENÇÃO: Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais