Ninguém é o culpado! (artigo de Aníbal Styliano, 39)

Espaço Universidade 02-12-2017 20:27
Por Aníbal Styliano
Ouvi segredar que está prestes a estrear uma nova ópera bufa: “A culpa é do Ninguém”.

Tendo o negócio galopante como universo paralelo, o enredo rondará a perda do talento, do controlo e o crescimento fortalecido da alienação.
“A inteligência em movimento” enfrentará, sem apoio da emoção, os gigantones de cabeça oca conhecidos pelo nome de “Os Bem Sentados”.
Em forma de jogo, a ópera envolverá um exercício inicial de estratégia comunicacional que dará origem ao desenvolvimento da ação: “scrabble” de ódio e mal dizer.

Depois, as palavras e o canto, a gritaria e os gestos amplos, afirmarão, com ar solene e sério, o não dizer, com falsa inocência, assim como o aprisionamento da humildade e a libertação da majestática hipocrisia com olhos em bico.

A liberdade criativa procurará superar a inveja e tentará descobrir os rumos perdidos, as lógicas submersas, os indícios do absurdo.

Dos estádios as atenções e preferências saltam para palcos sombrios de conceito aberto, tão em voga. Quanto mais se vislumbre menos se vê. Há sempre esconderijos e alçapões… para os mais distraídos.

A contradição, poderosa e com voz firme, lidera solistas com o oportunismo bacoco a marcar os ritmos dissonantes mas compreensíveis.

Por vezes, surgem frases soltas vindas de aléns: “não fui eu… sei quem foi mas não digo… quanto ganho com isso?…”

Espaço sem cobertura, o céu como limite ainda que rasteirinho, permite antever figurantes pequeninos que tentam imitar deuses grandes e horrendos: burlesco!

Após mais um trecho musical mais forte, empolgante, o cínico aparece numa barcaça ou canoa do Tejo (o nevoeiro não permite destrinçar) afogando certezas e pescando inutilidades.

Presidentes (há sempre presidentes em número elevado) e suas cortes de seguidores fervorosos porque dependentes, declamam, com improviso fingido, textos climáticos, de tendência hiper-realista citadina, muito centralista, impessoal e irrevogável. Também imperceptível.
Por vezes fica a memória de um sotaque que se quer consolidar como praga ou vírus de gente fina.

Risco a evitar: não ser apanhado pelos caça palavras proibidas. Pode ser dramático…

O primeiro ato termina como começou, num eterno vácuo e, sem paragem, nova performance surge com uma componente metafísica ainda que lúdica: o jogo do arremesso (sejam pedras, calúnias, falsidades, piadas secas e molhadas, salgadinhos, mentiras e manipulações de imagens televisivas).

Lançada a calúnia, em grupos isolados, segue-se o guião clandestino mas eficaz. Algumas vozes tentam defender a verdade com coragem mas ela fica maltratada quanto baste para não se meter noutra igual… para isso servem as substituições.

O ridículo, impaciente, entra como arte suprema, vaidozito, com orgulho no sucesso empresarial, potenciando um riso em coro crescente, inclusive em sociedades ditas secretas, seja lá o que isso for… é uma moda ou vício e pronto.

No fundo do palco, qual valquíria abandonada, multidões cerram olhos, tapam ouvidos e nem se mexem… quase amibas.

Cativos pela nova onda, que nunca chega a tsunami, disfarçam não viver, mas sempre limpinho, sem sair da dita normalidade de fingidores obrigatórios.

Radiante, a realidade, poética, dança com extrema leveza, em todos os sentidos e acaba envolta num repentino crepúsculo incoerente, para não dizer indecente.

Com jogos de luzes recriam-se paisagens virtuais, idílicas, inacessíveis, que chegam a permitir visualizações de paraísos, até fiscais mas não só.

A assistência é provocada para atirar insultos, grosserias virulentas quanto pior conseguirem e, ao sinal, do Presidente dos presidentes tudo se cala e o silêncio absoluto ensurdece. Respeitinho é muito lindo!

Rir ou sorrir obriga a detenção imediata e acompanhamento para antecâmara lateral, preenchida com espelhos deformadores e talvez alguns VARs.

Abatida, a realidade regressa sem triunfo e, inesperadamente, é atingida por lança certeira impulsionada pela corrupção.

Esta última personagem, até ao momento invisível, dissimulada, assume com frontalidade e imponência um domínio totalitário. Sobe ao palco, posiciona-se no centro, em estrado mais elevado, e submete todos os outros que são obrigados a ficarem prostrados no solo. Por vezes, um ligeiro toque na cabeça de alguns permite-lhes mudar para a posição de joelhos.

Simultaneamente, num descampado irregular, ao lado do teatro, dez crianças, quatro pedras e uma bola muito gasta, jogam uma espécie de entretenimento planetário intemporal, aparentemente sem regras, sem limites mas também sem caos.

Cada um dos grupos (dividem-se em dois grupos mas não se percebe a lógica das escolhas) e procura enviar essa bola por entre as pedras do lado contrário aonde estão as suas… alguém usou o termo balizas e, por incrível, assim ficou para sempre…

Movimentam-se sem parar, sem nexo evidente, tocam a bola uns para os outros e para a frente, fazem gestos nunca vistos nem imaginados e marcam golos, gritam eles, que são festejados com saltos e abraços… estranho, muito estranho, embora belo.

Neste jogo de crianças, a genialidade vence sempre, mesmo que a equipa perca. Chamam-lhe futebol (“pé de bola”) e procuram, por todos os meios possíveis, não o deixar contaminar pelo espectáculo vizinho, o tal da ópera bufa, onde todos são culpados.

Desejo uma brigada de descontaminação ambiental eficiente para que as crianças não percam o sonho e o conservem com a inocência de um tesouro precioso que temos de saber preservar.
Quanto aos outros espectáculos, cada um faz as escolhas e as dependências com a culpa que quer.

“De época em época, o futebol é um “eterno retorno” que, nas palavras do filósofo, significa “o mais alto triunfo da vontade contra o tempo.”(apud Gustavo Pires)

Aníbal Styliano é Professor licenciado em História; treinador de futebol nível IV UEFA Pro Licence; diretor pedagógico da Associação de Futebol do Porto; membro da comissão de formação da Federação Portuguesa de Futebol e do conselho consultivo da Associação Nacional de Treinadores de Futebol
Ler Mais
17:06  -  26-11-2017
Futebol, Arbitragem e Repentes de Ditadura (artigo de Aníbal Styliano, 38)
16:58  -  12-11-2017
Futebol e amizade com origens e futuros diversos (artigo de Aníbal Styliano, 37)
19:42  -  22-10-2017
Futebol sem preconceitos (artigo de Aníbal Styliano, 36)
18:16  -  22-09-2017
Futebol nacional reforça prestígio com Fernando Gomes na FIFA (artigo de Aníbal Styliano, 35)
10:59  -  16-09-2017
Vídeoarbitro: Inesperada armadilha? (artigo de Aníbal Styliano, 34)
17:16  -  03-09-2017
Ao futebol o que é do futebol (artigo de Aníbal Styliano, 32)
12:07  -  28-08-2017
Nem dependência nem subserviência (artigo de Aníbal Styliano, 31)
11:39  -  15-08-2017
Lendas que resistem a tudo (artigo de Aníbal Styliano, 29)
10:28  -  02-08-2017
Futebol: 2017, o Ano da grande vertigem e do assalto ao futuro (artigo de Aníbal Styliano, 28)
12:23  -  22-07-2017
Fundos sem fundo (artigo de Aníbal Styliano, 26)
08:09  -  09-06-2017
Sem retorno (artigo de Aníbal Styliano, 24)
08:00  -  31-05-2017
Futebol coerente: Um golo eficiente (artigo de Aníbal Styliano, 23)
12:50  -  09-05-2017
Golo na própria baliza (artigo de Aníbal Styliano, 22)
21:29  -  30-04-2017
Do futebol para a nossa sociedade (artigo de Aníbal Styliano, 21)
11:43  -  26-04-2017
Futebol: Caos, guerra, indiferença ou dignidade? (artigo de Aníbal Styliano, 20)
15:53  -  21-04-2017
Aprisionar o futebol? Missão impossível! (artigo de Aníbal Styliano, 19)
21:32  -  15-04-2017
O dia em que o futebol foi esquecido (artigo de Aníbal Styliano, 18)
17:31  -  07-04-2017
«Futebol sem cartilhas» (artigo de Aníbal Styliano, 17)
23:54  -  23-03-2017
Nunca te esqueças (grita-nos a Memória do futebol) (artigo de Aníbal Styliano, 16)
21:39  -  16-03-2017
O indomável e imprevisível futebol (artigo de Aníbal Styliano, 15)
22:45  -  13-03-2017
Jogos que não se podem perder: o futebol ou vence ou é destruído! (artigo de Aníbal Styliano, 14)
00:04  -  28-02-2017
Football Talks e o equilíbrio da Pirâmide (artigo de Aníbal Styliano, 13)
16:49  -  23-02-2017
O que é a perfeição? (artigo de Aníbal Styliano, 12)
12:32  -  18-02-2017
Futebol, Sinais e Rumos (artigo de Aníbal Styliano, 11)
16:39  -  28-01-2017
O futebol como exemplo de liberdade (artigo de Aníbal Styliano, 10)
13:41  -  28-12-2016
Os maiores desafios ao futebol (artigo de Aníbal Styliano, 7)
18:15  -  08-11-2016
Futebol com inclusão ou imposição? (artigo de Aníbal Styliano, 4)
15:39  -  26-10-2016
Futebol - Uma outra face (artigo de Aníbal Styliano, 3)
16:54  -  28-09-2016
Formação de treinadores de futebol em Portugal (artigo de Aníbal Styliano, 2)
Comentários (0)

Últimas Notícias

ATENÇÃO: Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais