Ronaldo e Messi: dois santos laicos (artigo de Manuel Sérgio, 214)

Espaço Universidade 31-10-2017 00:30
Por Manuel Sérgio
O Ortega y Gasset escreveu que “o futebol é a religião do século XX”. Se ele pudesse assistir ao culto vibrante e irradiante que os adeptos do futebol prestam ao Ronaldo e ao Messi, com toda a certeza não deixaria de escrever: “o futebol foi a religião do século XX e é a religião do século XXI”. Eu muitas vezes disse ao jornalista Homero Serpa que ele era um “santo laico”, pela generosa familiaridade do seu afeto, em relação aos amigos (e eu fui um deles), e pela sua fraternidade comovente diante de quem sofria ou pedia o apoio de mão carinhosa. O Ronaldo e o Messi não sei se serão tão sensíveis à dor humana, como o foi o Homero Serpa, mas que os idolatram como se fossem dois seres de excecionais qualidades e poderes, creio que ninguém tem dúvidas, a este respeito. Durante a década de 60, era como o “deus Pelé” que os adeptos do futebol conheciam o Senhor Edson Arantes do Nascimento. Em finais de 2005, Pelé, deixando aflorar em si uma fantástica megalomania, chegou a afirmar: “Sou mais conhecido do que Jesus Cristo”. O Maradona (que também produzia um futebol de raro sortilégio) após o seu golo ilegal, no jogo com a Inglaterra do Mundial de 1986, introduzindo a bola, com a mão, nas redes adversárias, não teve pejo em dizer que foi a mão de Deus que fez o golo. Cristiano Ronaldo, ao receber o seu quinto troféu de melhor jogador do mundo, igualando assim o recorde do argentino Lionel Messi, logo mereceu de alguma imprensa o epíteto de “extra-terrestre”. Aliás, como “extra-terrestre”, já o Lionel Messi, anos atrás, fora distinguido por essa mesma imprensa. “Extra-terrestres”, ou seja, “semi-deuses”, Cristiano Ronaldo e Lionel Messi são apreciados e admirados sem restrições, pelo nosso mundo globalizado. Seria interessante que, a par dos golos que marcam e da beleza do seu futebol, fossem também sujeitos capazes de pôr o futebol em cultura…

Entre 1920 e 1930, ao guarda-redes espanhol, Ricardo Zamora, os adeptos espanhóis conheciam-no pelo “divino”. Os adeptos do Nápoles, “infinitamente” agradecidos a Maradona, pelo primeiro título nacional da história do seu clube, ergueram, na cidade napolitana, um altar em honra de Armando Diego Maradona. E muitos outros casos semelhantes poderia relembrar, em que os jogadores geniais são reverenciados como se de seres sobrenaturais se tratasse. Folheio agora o livro de Hilário Franco Júnior, A Dança dos Deuses (Companhia das Letras, São Paulo, 2008) e recorto este trecho: “Os jogadores, do ponto de vista da cultura cristã, na qual o futebol nasceu e mais se desenvolveu, também são às vezes assimilados a santos. Ou seja, humanos que, por certas características especiais, fazem a intermediação entre os demais homens e a divindade. É o que explicita a torcida do LIverpoool, ao acolher sua equipa, desde a década de 60, com o cântico: Quando os santos entram. A torcida do Tottenham Hotspur, por sua vez, canta: Gloria, gloria, aleluia, os Spurs estão vindo, para receber o time em campo”(p. 261). Em muitas outras situações de adoração, diante de um “semi-deus”, ou mesmo de um “deus”, já contemplámos, nos estádios ou pela televisão, alguns “torcedores” beijando, de joelhos, as botas dos futebolistas que admiram, com indisfarçável paixão e refulgente religiosidade. O futebol nunca se vangloriou de ser uma religião: não nos diz donde viemos, não nos aponta o céu, ou o inferno, para onde iremos, nem o Absoluto que devemos adorar, mas ensina que, sem Deus, a vida parece um absurdo, embora, com Ele, seja indiscutivelmente um mistério. Sim, o futebol não é uma religião, mas diz-nos que… o ser humano é naturalmente religioso! E, se não adora a Deus, tem necessidade doutros deuses, doutros ídolos.

No entanto, assim como as religiões, principalmente as monoteístas, são dogmáticas e excludentes, os vários clubismos são-no também. O futebol é um politeísmo de extrema competitividade. Não há jogo de futebol, entre os principais clubes portugueses, que as claques não manchem com cânticos e palavras-de-ordem, que pretendem agredir e desvalorizar os árbitros, ou os clubes adversários. Nos nossos campos de futebol, este lamentável fenómeno é bem visível. E com o apoio de certos dirigentes, incapazes de implantar, nos seus clubes, designadamente na relação com os clubes rivais, um efusivo e amplo civismo, sem ódios. É um dos aspetos de uma “guerra santa”, que pode ultrapassar os limites da violência verbal e transformar-se em violência física, inteiramente descontrolada. Com o espírito dos cruzados medievais, ainda há, no século XXI, quem assista a jogos de futebol. Ora, há que saber respeitar um estádio, “o santuário do mundo industrial”, no entender do historiador inglês John Bale. Até ao século XVIII, o maior edifício de uma cidade era a igreja, onde cabia toda (ou quase toda) a população local. Hoje, “devido a uma densidade demográfica muito maior, o mundo contemporâneo construiu santuários futebolísticos majestosos. Quando o Maracanã foi inaugurado, em 1950, podia receber 10% da população carioca” (op. cit., p. 271). Atualmente, a população do Rio de Janeiro é de 6 milhões e 320 mil pessoas e o Maracanã comporta 94 751 espectadores. Já li que, no jogo final do Mundial de 1950, foram 199 584 os espectadores. O Brasil quis fazer daquele jogo de futebol uma afirmação imperecível das virtualidades, recursos e energias do seu povo. Só mais tarde o conseguiu e com jogadores e equipas que a História não esquecerá nunca.
Mas, voltemos ao estádio: o relvado, ou o terreno de jogo, são os jogadores (e acidentalmente os treinadores) que o pisam. É um local sagrado, interdito a todos os que não são os indispensáveis oficiantes. E, assim como os sacerdotes não celebram as suas missas sem os adequados paramentos, também os jogadores competem devidamente “paramentados”, com as cores dos seus clubes. Um dia, poucos minutos antes de um jogo, no Restelo, quis falar com um jogador do Belenenses. Imediatamente, o Acácio Rosa me aconselhou, com a simpática familiaridade que me dispensava: “Mas só fala com ele, depois de o jogo terminar e ele ter saído, desequipado, do balneário. Agora, equipado, com o símbolo do clube encostado ao coração, ele é mais do que nós”. Não era só um cartaz luminoso do Belenenses. Equipado, era um símbolo do Clube da Cruz de Cristo. Para os fiéis desta religião laica, que é o futebol (refiro-me aos adeptos, aos “torcedores”), os jogadores principais dos seus clubes são verdadeiros “santos laicos”, que representam, como ninguém, a divindade, ou seja, o clube (em Portugal, três exemplos, os mais sonoros: para um “portista” a divindade é o F.C.Porto, para um benfiquista o S.L.Benfica, para um sportinguista o Sporting C. P.). Os clubes têm as características da divindade tão acentuadas que a “mística do clube” já se considera uma qualidade indispensável a todos os jogadores. Assisti, há meia-dúzia de dias, a uma entrevista do Jaime Pacheco, antigo futebolista de vibrante sensibilidade e audácia, ao Porto Canal. Registo o tema central das suas palavras: “Acima de tudo, era a mística do clube que nos animava e fez das equipas do F.C.Porto, na década de 80, as melhores da Europa e do Mundo”. Para o Jaime Pacheco, sem a “mística do clube”, não há vontade para a transcendência. A “mística do clube” é a crença que pode dar ao jogador de futebol as qualidades físicas e psíquicas, necessárias à transcendência, ou superação.

O Ronaldo e o Messi vivem de uma grande crença e… são génios! Têm desempenhos que, no futebol de hoje, mais ninguém tem. Para os “devotos” do Real Madrid e do Barcelona são, indubitavelmente, dois “santos laicos”. Sou em crer que alguns sacerdotes se encontrem entre o número imenso destes “devotos”. O arcebispo de São Paulo, Dom Paulo Evaristo Arns, escreveu um livro, que me deliciou, assim intitulado: “Corintiano, graças a Deus”…

Manuel Sérgio é professor catedrático da Faculdade de Motricidade Humana e Provedor para a Ética no Desporto
Ler Mais
10:49  -  24-10-2017
A crença gera biologia (artigo de Manuel Sérgio, 213)
11:11  -  18-10-2017
Artur Anselmo: Presidente da Academia das Ciências de Lisboa (artigo de Manuel Sérgio, 212)
12:25  -  09-10-2017
José Tolentino Mendonça (artigo de Manuel Sérgio, 211)
19:14  -  03-10-2017
Sérgio Oliveira: - uma lição! (artigo de Manuel Sérgio, 210)
16:35  -  26-09-2017
«Para um Desporto do Futuro» (artigo de Manuel Sérgio, 209)
13:54  -  18-09-2017
Jorge Jesus e o Sporting Clube de Portugal (artigo de Manuel Sérgio, 208)
16:19  -  10-09-2017
Este futebol será Desporto? (artigo de Manuel Sérgio, 207)
23:03  -  04-09-2017
Mais uma carta aberta ao José Mourinho (artigo de Manuel Sérgio, 206)
10:26  -  30-08-2017
O Tempo em Jorge Jesus - Manuel Sérgio
16:38  -  08-08-2017
Esta palavra “paradigma” (artigo de Manuel Sérgio, 205)
13:11  -  02-08-2017
A propósito do treino: uma aproximação ao existencialismo (artigo de Manuel Sérgio, 204)
13:39  -  25-07-2017
Jorge Carlos Fonseca: - literatura de descontinuidade (artigo de Manuel Sérgio, 203)
15:32  -  18-07-2017
O calcanhar de Aquiles (artigo de Manuel Sérgio, 202)
08:12  -  09-07-2017
Notas Críticas sobre os Bruxos do Futebol e outras coisas mais(artigo de Manuel Sérgio, 201)
15:03  -  03-07-2017
Traços fundamentais da cultura portuguesa (artigo de Manuel Sérgio, 200)
10:46  -  25-06-2017
A omnipresença do futebol (artigo de Manuel Sérgio, 199)
20:24  -  17-06-2017
Liderator: A Excelência no Desporto (artigo de Manuel Sérgio, 198)
23:26  -  12-06-2017
António Augusto da Silva Martins (artigo de Manuel Sérgio, 197)
14:11  -  05-06-2017
Voltaire (1694-1778) (artigo de Manuel Sérgio, 196)
12:53  -  30-05-2017
A Estrutura ou o Rui Vitória? (artigo de Manuel Sérgio, 195)
17:55  -  22-05-2017
Nuno Delgado: a coopetição (artigo de Manuel Sérgio, 194)
21:43  -  14-05-2017
Benfica: a Razão e a Fé (artigo de Manuel Sérgio 193)
16:18  -  09-05-2017
O Futebol tem Violência não é violento (artigo de Manuel Sérgio 192)
16:55  -  28-04-2017
A pós-verdade e… o futebol! (artigo de Manuel Sérgio, 191)
16:53  -  16-04-2017
“Violência e Futebol”: - um livro a reler (artigo de Manuel Sérgio, 190)
16:10  -  09-04-2017
De Platão até hoje… (artigo de Manuel Sérgio, 189)
15:57  -  02-04-2017
A Filosofia da Libertação e a alta competição desportiva (artigo de Manuel Sérgio, 188)
17:41  -  26-03-2017
Carta aberta ao Jorge Jesus (artigo de Manuel Sérgio, 187)
18:24  -  18-03-2017
É preciso fazer do Homem o futuro do Homem (artigo de Manuel Sérgio, 186)
17:22  -  05-03-2017
José Mourinho: espetáculo com eficácia (artigo de Manuel Sérgio, 185)
16:28  -  24-02-2017
Carlos Lopes: grande entre os grandes!(artigo de Manuel Sérgio, 184)
16:04  -  19-02-2017
«Tudo o que é excessivo é insignificante» (artigo de Manuel Sérgio, 183)
23:05  -  12-02-2017
Fernando Santos: Razão e Fé (artigo de Manuel Sérgio, 182)
12:34  -  08-02-2017
A Literacia Científica e a Compreensão do Futebol (artigo de Manuel Sérgio, 181)
16:18  -  31-01-2017
Aurélio Pereira: meu companheiro de jornada (artigo de Manuel Sérgio, 180)
14:42  -  26-01-2017
A Cidade do Futebol e o Dr. Fernando Gomes ((artigo de Manuel Sérgio, 179)
21:49  -  19-01-2017
Tudo é sistema (artigo de Manuel Sérgio, 178)
14:36  -  11-01-2017
O Desporto e o Homem Pós-Humano (artigo de Manuel Sérgio, 177)
15:12  -  05-01-2017
O futebol português de parabéns (artigo de Manuel Sérgio, 176)
19:06  -  30-12-2016
O corpo da mente e a mente do corpo (artigo de Manuel Sérgio, 175)
16:34  -  23-12-2016
Quando o amor era mais íntimo (artigo de Manuel Sérgio, 174)
20:38  -  12-12-2016
A Filosofia como fundamentação (artigo de Manuel Sérgio, 173)
16:28  -  01-12-2016
O Vítor Serpa e o José Peseiro, dois pós-modernos (artigo de Manuel Sérgio, 172)
18:49  -  25-11-2016
Para uma cultura desportiva (artigo de Manuel Sérgio, 171)
16:01  -  21-11-2016
A `epistemologia moral´ no Desporto (artigo de Manuel Sérgio, 170)
16:23  -  16-11-2016
O treinador Tuck e o Sacavenense (artigo de Manuel Sérgio, 169)
18:51  -  10-11-2016
Jorge Araújo: a paixão do saber (artigo de Manuel Sérgio, 168)
16:24  -  05-11-2016
Uma Coreografia de Pensamentos (artigo de Manuel Sérgio, 167)
16:07  -  25-10-2016
Ninguém ganha porque tem valor, tem valor porque ganha (artigo de Manuel Sérgio, 165)
11:38  -  30-09-2016
Filosofia do Desporto e Filosofia no Desporto (artigo de Manuel Sérgio, 162)
20:21  -  19-09-2016
97 anos de vida (artigo de Manuel Sérgio)
17:45  -  12-09-2016
Europa, Europa: a filosofia em teatro (artigo de Manuel Sérgio, 161)
20:26  -  08-09-2016
Jorge Jesus na idade da sofística (artigo de Manuel Sérgio, 160)
19:59  -  25-08-2016
O Desporto faz mal à saúde? (artigo de Manuel Sérgio, 158)
13:28  -  17-08-2016
O Desporto: intencionalidade e âmbito (artigo de Manuel Sérgio, 157)
15:32  -  05-08-2016
Mário Moniz Pereira: puramente desportista! (artigo de Manuel Sérgio, 155)
22:50  -  31-07-2016
Mário Moniz Pereira: o artista-treinador!
21:33  -  30-07-2016
Henrique Calisto e o livro do seu desassossego (artigo de Manuel Sérgio, 154)
19:27  -  25-07-2016
“Outro lado das coisas”: um livro de José Antunes de Sousa (artigo de Manuel Sérgio, 153)
18:45  -  21-07-2016
Hóquei em Patins: campeões europeus! (artigo de Manuel Sérgio, 152)
16:07  -  15-07-2016
Naturalmente religioso (artigo de Manuel Sérgio, 151)
16:05  -  11-07-2016
Viva Portugal! (artigo de Manuel Sérgio, 150)
19:57  -  01-07-2016
Quando as dificuldades são possibilidades (artigo de Manuel Sérgio, 149)
15:42  -  26-06-2016
Portugal-Croácia: - uma vitória inesquecível! (artigo de Manuel Sérgio, 148)
21:23  -  22-06-2016
Um sistema é relação (artigo de Manuel Sérgio, 147)
17:06  -  16-06-2016
A propósito do Euro-2016 (artigo de Manuel Sérgio, 146)
19:27  -  09-06-2016
Celebrar Portugal, através do futebol (artigo de Manuel Sérgio, 145)
17:44  -  05-06-2016
Para um novo comentador desportivo (artigo de Manuel Sérgio, 144)
17:33  -  22-05-2016
Carta Aberta a Luís Filipe Vieira (artigo de Manuel Sérgio, 142)
16:35  -  09-05-2016
Mais uma idade da sofística? (artigo de Manuel Sérgio, 140)
17:48  -  03-05-2016
Carta Aberta ao Dr. Rui Gomes da Silva (artigo de Manuel Sérgio, 139)
17:24  -  25-04-2016
“O Homem Que Não Tinha Idade”: um romance de Fernando Correia (artigo de Manuel Sérgio, 138)
19:42  -  19-04-2016
Pinto da Costa num tempo adverso (artigo de Manuel Sérgio, 137)
17:01  -  13-04-2016
O Desporto como Ciência e como Filosofia (artigo de Manuel Sérgio, 136)
19:28  -  07-04-2016
Mário Moniz Pereira - o poeta do desporto! (artigo de Manuel Sérgio, 135)
15:33  -  01-04-2016
O Desporto: uma indústria de milhões! (artigo de Manuel Sérgio, 134)
16:04  -  29-03-2016
É preciso passar da religião à fé (artigo de Manuel Sérgio, 133)
17:09  -  15-03-2016
Os 35 anos do `JL´ (artigo de Manuel Sérgio, 131)
17:30  -  10-03-2016
Carta Aberta ao Rui Vitória (artigo de Manuel Sérgio, 130)
18:14  -  07-03-2016
Carta Aberta ao Lindelof (artigo de Manuel Sérgio, 129)
22:25  -  27-02-2016
Ilya Prigogine ou as potencialidades da matéria (artigo de Manuel Sérgio, 128)
21:01  -  21-02-2016
Alguns ligeiros pensamentos sobre o futebol (artigo de Manuel Sérgio, 127)
23:18  -  14-02-2016
Benfica–Porto: não há rendimento sem eficácia (artigo de Manuel Sérgio, 126)
17:01  -  08-02-2016
Gaston Bachelard: o novo espírito científico (artigo de Manuel Sérgio, 125)
17:00  -  01-02-2016
O especialista e o leigo, em futebol (artigo de Manuel Sérgio, 124)
23:27  -  25-01-2016
Desporto e Humanismo Contemporâneo (artigo de Manuel Sérgio, 123)
20:01  -  04-01-2016
O Mito e a Alta Competição Desportiva (artigo de Manuel Sérgio, 120)
20:42  -  28-12-2015
A propósito de Paulo Freire e Blondel e Sartre (artigo de Manuel Sérgio, 119)
16:32  -  20-12-2015
Quando uma criança nasce… (artigo de Manuel Sérgio, 118)
16:53  -  16-12-2015
Fernando Medina ou o processo da decisão política (artigo de Manuel Sérgio, 117)
16:59  -  09-12-2015
Há uma comunidade científica no desporto português? (artigo de Manuel Sérgio, 116)
16:44  -  29-11-2015
Sem poesia, não há ciência (artigo de Manuel Sérgio, 115)
16:46  -  23-11-2015
A crise da esperança (artigo de Manuel Sérgio, 114)
16:39  -  15-11-2015
Lutaremos, meu Amor (artigo de Manuel Sérgio, 113)
23:44  -  08-11-2015
Jogar com os afetos (artigo de Manuel Sérgio, 112)
19:27  -  02-11-2015
Luís Filipe Vieira: ou um Benfica que enternece e cativa (artigo de Manuel Sérgio, 111)
16:24  -  26-10-2015
O último Benfica-Sporting e o novo campeão nacional (artigo de Manuel Sérgio, 110)
17:14  -  20-10-2015
A coisa mais importante das coisas pouco importantes (artigo de Manuel Sérgio, 109)
15:42  -  13-10-2015
Desporto e Humanismo ou o valor da transcendência (artigo de Manuel Sérgio, 108)
16:25  -  06-10-2015
Os treinadores portugueses no futebol internacional (artigo de Manuel Sérgio, 107)
23:13  -  29-09-2015
João Paulo S. Medina: - o “intelectual” do futebol brasileiro (artigo de Manuel Sérgio, 106)
00:04  -  23-09-2015
O último Porto-Benfica ou da biologia à cultura (artigo de Manuel Sérgio, 105)
18:11  -  15-09-2015
“Quem somos nós?” - a resposta do Desporto (artigo de Manuel Sérgio, 104)
18:20  -  08-09-2015
Joel Rocha – o “Mourinho” do futsal (artigo de Manuel Sérgio, 103)
18:35  -  02-09-2015
A História de Sísifo (artigo de Manuel Sérgio, 102)
17:34  -  28-08-2015
O mais relevante nem sempre é o mais mensurável (artigo de Manuel Sérgio, 101)
17:55  -  14-08-2015
Jorge Jesus: - o sublime iletrado! (artigo de Manuel Sérgio, 99)
18:54  -  07-08-2015
O que em mim sente está pensando (artigo de Manuel Sérgio, 98)
16:55  -  31-07-2015
A Cultura do Clube (artigo de Manuel Sérgio, 97)
21:45  -  21-07-2015
Do Jogo ao Desporto em Bourdieu e... não só (artigo de Manuel Sérgio, 96)
23:57  -  16-07-2015
Carta a Eugénio Lisboa (artigo de Manuel Sérgio, 95)
00:32  -  10-07-2015
António Simões: - o irmão branco do Eusébio (artigo de Manuel Sérgio, 94)
17:31  -  04-07-2015
Jorge Jesus ou a homeostasia organizacional (artigo de Manuel Sérgio, 93)
23:50  -  15-06-2015
No Benfica: estrutura ou carisma? (artigo de Manuel Sérgio, 90)
22:37  -  10-06-2015
Feyerabend e Ricardo Serrado no estudo de Lionel Messi (artigo de Manuel Sérgio, 89)
22:50  -  26-05-2015
Mais importante do que ter sucesso é ter valor! (artigo de Manuel Sérgio, 86)
00:30  -  23-05-2015
José Mourinho ou as razões da sua diferença (artigo de Manuel Sérgio, 85)
16:42  -  18-05-2015
É preciso, imperioso e urgente a continuação de J.J., no Benfica (artigo de Manuel Sérgio, 84)
18:16  -  10-05-2015
Roberto Carneiro: retrato de um ministro que eu conheci (artigo de Manuel Sérgio, 83)
16:30  -  01-05-2015
O empréstimo de jogadores é compatível com a ética? (artigo de Manuel Sérgio, 82)
16:54  -  20-04-2015
José Mourinho: por que será?... (artigo de Manuel Sérgio, 81)
17:17  -  14-04-2015
O Progresso Desportivo: - o que é isso? (artigo de Manuel Sérgio, 80)
19:15  -  07-04-2015
Mourinho escreve prefácio de livro de Manuel Sérgio, «O Futebol e Eu»
23:31  -  06-04-2015
O jornal “ A Bola” - desporto e humanismo (artigo de Manuel Sérgio, 79)
22:47  -  01-04-2015
Jorge Carlos Fonseca: o Presidente da República que é poeta (artigo de Manuel Sérgio, 78)
21:47  -  25-03-2015
Qual o fundamento radical na arbitragem? (artigo de Manuel Sérgio, 77)
16:34  -  21-03-2015
A Gestão do Desporto, segundo Gustavo Pires (artigo de Manuel Sérgio, 76)
16:40  -  13-03-2015
O Futebol é Anamnese... mesmo com Luís Figo? (artigo de Manuel Sérgio, 75)
17:47  -  07-03-2015
Ao Povo-Irmão de Cabo Verde (artigo de Manuel Sérgio, 74)
21:14  -  19-02-2015
“Cândido de Oliveira” - um livro inesquecível de Homero Serpa (artigo de Manuel Sérgio, 73)
21:10  -  12-02-2015
Só com os mesmos valores o diálogo é possível (artigo de Manuel Sérgio, 72)
17:04  -  08-02-2015
O modelo racionalista do jornal A Bola (artigo de Manuel Sérgio, 71)
16:32  -  01-02-2015
“A Bola”: uma práxis que é preciso manter (artigo de Manuel Sérgio, 70)
19:14  -  28-01-2015
Manuel Alegre: - um semeador de poesia (artigo de Manuel Sérgio, 69)
18:29  -  22-01-2015
Libertar o Direito e o Desporto ou um ensaio do Prof. Paulo Cunha (artigo de Manuel Sérgio, 68)
16:24  -  18-01-2015
A desparasitação do futebol ou a dupla Pinto da Costa-Pedroto (artigo de Manuel Sérgio, 67)
18:18  -  15-01-2015
O Desporto tem violência: - não é violento! (artigo de Manuel Sérgio, artigo 66)
17:57  -  10-01-2015
A “Arte da Guerra” no treinador Rui Vitória (artigo de Manuel Sérgio, 65)
00:17  -  07-01-2015
José Maria Pedroto: o conhecimento... (artigo de Manuel Sérgio, 64)
23:31  -  31-12-2014
Feliz Ano Novo ao Desporto Português (artigo de Manuel Sérgio, 63)
17:32  -  24-12-2014
A grande revolução de Jesus na Vida e... no Desporto! (artigo de Manuel Sérgio, 62)
17:53  -  20-12-2014
História e Filosofia das Ciências, no Desporto e... no Benfica! (artigo de Manuel Sérgio, 61)
22:56  -  17-12-2014
Uma resposta breve a Miguel Cardoso Pereira (artigo de Manuel Sérgio, 60)
18:57  -  11-12-2014
Desporto e Desenvolvimento ou um livro de Gustavo Pires (artigo de Manuel Sérgio, 59)
18:36  -  04-12-2014
Nossos contemporâneos (artigo de Manuel Sérgio, 58)
18:19  -  27-11-2014
Da Desconfiança à Solidariedade em Pinto da Costa e Filipe Vieira (artigo de Manuel Sérgio, 57)
23:19  -  20-11-2014
As incertezas da ciência (artigo de Manuel Sérgio, 56)
16:18  -  16-11-2014
O engenheiro Fernando Santos: - o mesmo e o diferente (artigo de Manuel Sérgio, 55)
18:39  -  11-11-2014
Ou interdisciplinaridade ou ignorância (artigo de Manuel Sérgio, 54)
10:25  -  08-11-2014
Carta Aberta ao Presidente da República de Cabo Verde (artigo de Manuel Sérgio, 53)
17:43  -  30-10-2014
Rui Jorge: e o treinador do Futuro (artigo de Manuel Sérgio, 52)
15:56  -  23-10-2014
O engenheiro Fernando Santos: o ser e o tempo (artigo de Manuel Sérgio, 51)
19:34  -  16-10-2014
O preparo físico dos nossos jogadores de futebol, 2.ª parte (artigo de Manuel Sérgio, 50)
17:38  -  11-10-2014
O preparo físico dos nossos jogadores de futebol (1) (artigo de Manuel Sérgio, 49)
22:14  -  03-10-2014
Eduardo Monteiro: perfil de um dirigente! (artigo de Manuel Sérgio, 48)
17:55  -  28-09-2014
A propósito do engenheiro Fernando Santos (artigo de Manuel Sérgio, 47)
16:47  -  22-09-2014
O campeão observado a dois ângulos de visão (artigo de Manuel Sérgio, 46)
00:24  -  18-09-2014
Há falta de treinadores negros (artigo de Manuel Sérgio, 45)
01:06  -  13-09-2014
Valdano: um homem que transporta uma frustração (artigo de Manuel Sérgio, 44)
18:39  -  08-09-2014
A grande revolução a fazer no futebol (artigo de Manuel Sérgio, 43)
18:36  -  03-09-2014
Mais Platão, menos Prozac! (Artigo de Manuel Sérgio, 42)
14:57  -  28-08-2014
Fiel ao Belenenses e... aos amigos! (artigo de Manuel Sérgio, 41)
18:38  -  17-08-2014
O Deus dos filósofos e os deuses do futebol (artigo de Manuel Sérgio, 40)
18:34  -  10-08-2014
O olho das rãs e o futebol (artigo de Manuel Sérgio, 39)
21:47  -  04-08-2014
“Francisco de Assis e Franscisco de Roma” - mais um livro de Leonardo Boff (artigo Manuel Sérgio, 38)
16:52  -  26-07-2014
“Preparar para Ganhar”: um livro de José Neto (artigo Manuel Sérgio, 37)
22:24  -  15-07-2014
O Futebol na Sociedade Pós-Capitalista ou a vitória da Alemanha (artigo Manuel Sérgio, 36)
00:43  -  07-07-2014
Código de Ética Desportiva (artigo Manuel Sérgio, 35)
16:35  -  02-07-2014
A Literatura e o Desporto: a propósito de Sophia (artigo Manuel Sérgio, 34)
20:53  -  27-06-2014
O Futebol e os Escritores (artigo Manuel Sérgio, 33)
22:45  -  22-06-2014
As dúvidas do Doutor Eduardo Barroso: as dele e as minhas! (artigo Manuel Sérgio, 32)
16:17  -  08-06-2014
Carta Aberta ao Ministro do Desporto do Brasil (artigo Manuel Sérgio, 31)
18:08  -  01-06-2014
Da poesia ao futebol (artigo Manuel Sérgio, 30)
18:57  -  27-05-2014
Factos e valores (artigo Manuel Sérgio, 29)
18:50  -  19-05-2014
Parabéns ao Benfica: na vitória e na derrota (artigo Manuel Sérgio, 28)
16:35  -  12-05-2014
Marco Silva: um grande treinador, com toda a certeza! (artigo Manuel Sérgio, 27)
21:07  -  01-05-2014
A grande revolução de Jesus ou o mundo que o desporto não tem (artigo Manuel Sérgio, 26)
00:52  -  24-04-2014
O 25 de Abril e o Futebol Português (artigo Manuel Sérgio, 25)
18:33  -  11-04-2014
Os mitos fundadores da Modernidade (artigo Manuel Sérgio 24)
23:56  -  06-04-2014
Os cem anos da FPF: em Portugal também há progresso? (artigo Manuel Sérgio 23)
20:01  -  30-03-2014
Nova Teoria do Sebastiano e o Futebol Português (artigo Manuel Sérgio 22)
23:11  -  23-03-2014
José Medeiros Ferreira: o desportisra, o político, o intelectual (artigo Manuel Sérgio 21)
17:26  -  18-03-2014
Nossos contemporâneos (artigo Manuel Sérgio 20)
21:39  -  03-03-2014
Há necessidade de uma utopia (artigo Manuel Sérgio 19)
00:49  -  22-02-2014
“Filosofia e Futebol: troca de passes” - um livro de grande atualidade ( artigo Manuel Sérgio 18)
22:28  -  16-02-2014
A Inteligência Competitiva e o Espectáculo Desportivo (artigo Manuel Sérgio 17)
18:50  -  12-02-2014
Plano Nacional de Ética no Desporto (artigo Manuel Sérgio 16)
21:08  -  02-02-2014
Porque sou belenenses... (artigo Manuel Sérgio 15)
00:04  -  28-01-2014
Aurélio Pereira ou um projeto antropológico (artigo Manuel Sérgio 14)
00:19  -  23-01-2014
O nome da rosa (artigo Manuel Sérgio 13)
00:11  -  15-01-2014
Cristiano Ronaldo: agilidade física ou intelectual? (artigo Manuel Sérgio 12)
00:38  -  13-01-2014
Eusébio tem lugar indiscutível no panteão nacional (artigo Manuel Sérgio 11)
23:59  -  03-01-2014
Ciência no Futebol e outras coisas mais... (artigo Manuel Sérgio 10)
00:04  -  30-12-2013
O Desporto nem sempre educa... (artigo de Manuel Sérgio 9)
00:37  -  23-12-2013
Carta Aberta aos jogadores do Bom Senso F.C. (artigo de Manuel Sérgio 8)
00:14  -  10-12-2013
Os golos do Ronaldo e a ética da palavra (artigo de Manuel Sérgio 7)
22:14  -  03-12-2013
Cristiano Ronaldo: - um herói da cultura! (artigo de Manuel Sérgio 6)
21:39  -  20-11-2013
Os erros dos árbitros e os erros dos outros... (artigo de Manuel Sérgio 5)
11:56  -  28-10-2013
«O Desporto (o Futebol) não é violência» (artigo de Manuel Sérgio 4)
22:58  -  18-10-2013
«O Desporto e o Desafio do Sentido» (artigo de Manuel Sérgio 3)
22:45  -  06-10-2013
«O pensamento ético contemporâneo e o Desporto» (artigo de Manuel Sérgio 2)
18:40  -  27-09-2013
«O Desporto em que eu acredito» (artigo de Manuel Sérgio 1)
Comentários (0)

Últimas Notícias

ATENÇÃO: Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais