CABO VERDE – MORABEZA … seu bem acolher!... (artigo de José Neto, 56)

Espaço Universidade 22:44
Por José Neto
Após a evocação que tanto me cativou de emoção por ter sido convidado em efetuar através dum testemunho de vida ao Professor Doutor Manuel Sérgio na Assembleia da República no passado 21 de Março, e no decorrer da apresentação de cumprimentos, verifiquei um olhar especial, acompanhado dum sorriso leve mas atento por parte de Sua Excelência o Senhor Presidente da República de Cabo Verde, Doutor Jorge Fonseca, bem como a simpatia numa nota de grandeza que vou naturalmente evidenciar nesta crónica, por parte da comitiva oficial que o acompanhava.

Como luz que rasga o horizonte da distância e por indicador indissociável à problemática que ao longo do tempo lidera o pensamento filosófico do Desporto como movimento na transcendência ou superação na promoção e desenvolvimento da personalidade, como expressão da vontade e onde é capaz de emergir o sangue, a carne, a emoção, o desejo, a paixão (Sérgio M.), dizia, por indicação ou referência do meu grandíssimo PROFESSOR, foi encontrada a forma de no decorrer da pretérita semana, dar resposta ao convite de Sua Excelência o Senhor Presidente da República e Governo de Cabo Verde, sessões que decorreram na aula magna do palácio presidencial, no auditório da Federação Cabo Verdiana de Futebol e no palácio do governo.

O primeiro tema teve como título: “na Força do Otimismo a Chama para o Sucesso”, onde se procurou enquadrar uma dinâmica propulsora no combate ao pessimismo, provocado por situações de crise onde foram desenvolvidas, e exemplificadas as principais fontes para a conquista do êxito.

O tema consequente versou “Preparar para Ganhar”, onde se procurou caracterizar e desenvolver a evolução do jogo de Futebol, a avaliação e periodização da época desportiva; a observação e análise do jogo e a preparação para a competição, terminando com estratégias de orientação prática mais utlizadas em termos pessoais em equipas que se sagraram campeãs europeias (hóquei em patins e futebol), subidas à 1ª liga e campeãs, bem como a obtenção do 3º lugar e o acesso à liga dos campeões duma equipa cujos objetivos no início da época se situavam nos processos de manutenção (F.C.P.Ferreira com Paulo Fonseca), enquadrando outros estudos obtidos e revelados em trabalhos de campo em clubes que obtiveram êxito.

Outra temática desenvolvida, referiu-se à problemática do “Exercício e Atividade Física para a Saúde”, anotando as atividades físicas mais representativas no sentido de prevenir e recuperar essas patologias, apresentando exemplos bem significativos.

Outro tema de apresentação e discussão focou-se no tema “Lesões – o pior inimigo dos Futebolistas”, em que foram tidos em atenção os fatores predisponentes para o aparecimento de lesões no desporto; os fatores psicológicos associados à prevenção e recuperação de lesões desportivas; avaliação e diagnóstico psicológico das lesões e estratégias de acompanhamento e recuperação física e psicológica dos atletas lesionados.

Terminamos este ciclo de conferências com referência ao tema “Desporto, Cultura, Vida e … Festa”, em que foi elaborada a conceção histórica e evolutiva do desporto e da atividade física e a sua relação com o desenvolvimento do jogo como símbolo de solidariedade, tendo como compromisso os jogadores, treinadores, árbitros, dirigentes e espectadores, apelando aos compromissos do Fair Play como escola de virtudes de preparação para a vida, noções de amizade, respeito pelo outro, luta contra a batota, doping, comercialização excessiva e corrupção.

A matéria constante dos temas em debate, resultaram de publicações por mim efetuadas, e que as editoras Bertrand, Asa e Prime Books muito me prestigiaram, ao tornar público, associada à vida prática e pedagógica na formação de treinadores ou na minha carreira universitária. Presente um grupo de formandos, envoltos por uma salutar competência no campo afetivo e atencional, renovando a esperança de fazer de cada dia, um crescer de entusiasmo. Composto por professores de Educação Física e Desporto, treinadores de várias modalidades, docentes universitários, selecionadores nacionais, atletas olímpicos, magistrados, oficiais militares e outros, fizemos do acordo em estimular e promover a capacidade de reflexão das ideias, uma fórmula de aproximação da cultura científica à cultura humanista.

Somos por vezes um povo de costumes muito frágeis, incoloridos e de propósitos frágeis, superficiais e rotineiros. A honorabilidade que em tempos tinha de ser conquistada pela nobreza de costumes é por vezes servida em qualquer esquina pelo que as circunstâncias exigem. Perante figuras ímpares duma sociedade onde habita a fidalguia de trato, a civilidade do homem e a nobreza do cidadão, jamais poderei ficar “quedo e mudo”, impávido e imprevisível. Deste modo, permita-me Vossa Excelência Senhor Presidente da República, Doutor Jorge Fonseca, evocar o estatuto da sua grandeza que habita no fino recorte do seu olhar. Pelo que tem dado a perceber, denoto-lhe uma invulgar capacidade cultural, uma pessoa de bem cujos traços de identidade roça a fidalguia, negligencia a apatia, fortalece o entusiasmo e porque acredita, faz acreditar. A forma tão elegante e digna como me recebeu, irá marcar a história da minha existência.

Também jamais poderia ficar indiferente à forma tão generosa e nobre como me recebeu e acompanhou na sessão de abertura na aula magna do palácio presidencial o Senhor Ministro do Desporto, Dr Fernando Eliseu Freire. Registei as suas palavras envoltas de simbolismo, carregadas de sentimento, mas porventura por mim imerecidas. Outro expoente de civilidade e cultura e uma afetuosa forma de contacto a romper horizontes na conquista das fronteiras, foi o Senhor Diretor Geral do Desporto, Dr Anildo Santos, superiormente assessorado e sempre presente pelo Dr Graciano Barros. Também por inteira justiça tenho de referir a pessoa que fez a ponte de relação, Dr Hermes de Carvalho, assessor do Senhor Presidente da República e Governo, pelo código de vivas intenções que nos uniram pela forma afetuosa dos contactos estabelecidos, e pelo facto do dever em acompanhar o senhor Presidente da República em visita oficial, delegou uma pessoa para me acompanhar, um autêntico baluarte de craveira internacional, um cidadão do mundo que faz da organização – regra, da regra – disciplina, da disciplina – resultado e do resultado – sucesso. Um verdadeiro Campeão, de seu nome Dr Maxi Stipanova.

Foi com a sua companhia que cresci com a riqueza da gente humilde da Cidade Velha, carregada de simbolismo duma história que também Pe António Vieira se inspirou. Exaltei com a força do querer de quem faz das fraquezas forças por parte do Dr Rodrigo Bejarano, presidente do Comité Paraolímpico, fazendo-me lembrar o Professor Jorge Bento, quando diz: “ o parto das coisas grandes é difícil, doloroso e prolongado, rápido e ligeiro, é o das ninharias”. Por isso das dificuldades faz oportunidades e com uma rede de voluntários, converte a paixão do ser na arte do bem fazer. Também em visita às instituições universitárias Peaget, em reunião de reconhecimento com o magnífico reitor Doutor Josef Szymaniak e à universidade intercontinental de Cabo Verde com o vice – reitor Doutor Virgílio Alves e do tanto que ficou por dizer e fazer, nomeadamente possíveis acordos técnicos pedagógicos e científicos com o meu Instituto Universitário da Maia (ISMAI - breve e futura Universidade da Maia).

Ainda a visita guiada ao Estádio Nacional pelo seu diretor Dr Orlando Mascarenhas. Aqueles apego à explicação do pormenor e o aproveitamento de tudo que é espaço, vendo reconstruídas valências autenticadas com o amor do coração, mesmo contagiante de quem vê na obra, “gente de oiro equipada” . Por último a reunião com a presidente do Comité Olímpico Caboverdiano Mestre Filomena Fortes e que para além da sua história de sucesso, conseguiu transferir para as minhas mãos o símbolo duma tocha olímpica e uma expressão que fará constar no vocabulário do meu coração “MORABEZA – o seu bem acolher”!...

No final soaram as “trindades” e após a distribuição de diplomas de participação, referi: “tenho a certeza que levo mais do que dei”. Sem dúvida, vi um mundo novo feito de gente simples, de largos sorrisos e em grandes passos de mudança. Contatei gente que sem conhecer os atalhos para o facilitismo, transporta na alma as pegadas da experiência vivida e ostenta nos olhos as cores do infinito. Mas, como refere Augusto Curry: “ quem vence sem correr riscos … triunfa sem glória”.

MUITO OBRIGADO

José Neto: Metodólogo de Treino Desportivo; Mestre em Psicologia Desportiva; Doutorado em Ciências do Desporto/Futebol; Formador de Treinadores F.P.F./U.E.F.A.; Docente Universitário
Ler Mais
Comentários (0)

Destaques

ATENÇÃO: Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais