Primeiro nós? Melhor, é para todos (artigo de Aníbal Styliano, 33)

Espaço Universidade 09-09-2017 23:51
Por Aníbal Styliano
A Federação Inglesa (FA) decidiu, em função das inúmeras questões levantadas pela enorme janela de transferências no futebol, que, em Inglaterra, o mercado passa a fechar na quinta-feira anterior à 1.ª jornada do campeonato .

A UEFA e o seu Presidente, Clubes da Premier League, treinadores participantes no Fórum de Treinadores de Elite da UEFA (recentemente ocorrido em Nyon, onde estiveram também quatro treinadores portugueses: José Mourinho, Leonardo Jardim, Rui Vitória e Sérgio Conceição), concordaram maioritariamente, sem unanimidade.
Foi uma decisão interessante contudo, como vem sendo hábito nestas instituições, com ausência de plano global e estruturado.
Ou seja, os jogadores de clubes ingleses que sejam alvo dos emblemas de outras ligas que não adotem essa data limite mas mantenham a de 31 de Agosto, podem ser contratados embora fora da Liga Inglesa.
E os clubes ingleses podem vender para essas ligas que mantenham o limite atual, embora estejam impedidos de o fazer para clubes da sua liga.

Essa decisão resolveu o quê? Muito pouco ou quase nada.
Os mercados emergentes, a manter-se a tendência, vão ocupar lugares cimeiros em termos de investimentos no futebol. Os casos Neymar e Mbappé são só dois exemplos do que pode vir a generalizar-se.
A grave cise económica que abalou o mundo resultou também de “má conduta e por mentir a investidores” (decisão do Departamento de Justiça dos EUA para com o Goldman Sachs, que por isso foi fortemente multado). Bernard Madoff foi outro dos responsáveis que foi condenado a longa pena de prisão.

A volatibilidade dos mercados financeiros, as estratégias com investidores de capital de risco, a “Estização” do poder económico (China, Arábia Saudita, etc), a apetência pelo mediatismo, a deslocalização de grandes eventos (por exemplo, Mundial de Futebol do Catar 2020), a corrupção e a grande dificuldade em ser detetada, a politização do poder do futebol, os paraísos e regimes fiscais completamente diversos, a força crescente das apostas desportivas para níveis impensáveis e com risco de interferência de viciação de resultados, são muitas das questões a colocar para se poderem prever rumos e anteciparem decisões.

A FIFA, como entidade planetária, tem de ser envolvida na versão final de uma regulamentação adequada aos sinais dos tempos e de assumir controlo exemplar e sem mácula.

Prestigiando-se e derrotando condições favoráveis a corrupção, a FIFA, com o apoio das Confederações Continentais e, portanto com todas as Federações Nacionais, tem o dever de defender o futebol com competência.

A única linguagem comum à escala planetária, o futebol, mais do que competição e negócio é acima de tudo uma expressão do génio humano.
Não decidam alterações sucessivas para experiências contínuas de pormenores insignificantes. Construam planos estáveis e evolutivos, projetos diferenciados localmente mas integrados num mesmo conceito global.

Não parem de investigar, de perguntar, de conhecer as realidades e as preocupações.

O futebol mantém-se como fenómeno intergeracional vivo, motivador, imparável, livre na criatividade.

Impedir as ameaças, travar os exageros, equilibrar as decisões sem perder a noção do conjunto, só com grandes “equipas”.

Se em cada Federação se criar um grupo de “pensadores do futebol” para tentarem antecipar problemas e sugerirem caminhos, já poderia ser um bom pontapé de saída, desde que a escolha nunca seja condicionada.
Os dirigentes têm uma importante palavra a dizer para que possam ser aceites como determinantes no futuro da modalidade.

Não se pode sequer imaginar que um forte grupo económico com a conivência de apoio local possa interferir diretamente (através de contratações que “destruam” equipas) para mudar o poder numa dada região e beneficiar ainda com jogos de apostas.

Coerência, responsabilidade e competência podem ser “excelentes reforços” para um aberto jogo vitorioso de inclusão e nunca um jogo fechado por interesses alheios e estranhos.

Aníbal Styliano é Professor licenciado em História; treinador de futebol nível IV UEFA Pro Licence; diretor pedagógico da Associação de Futebol do Porto; membro da comissão de formação da Federação Portuguesa de Futebol e do conselho consultivo da Associação Nacional de Treinadores de Futebol

Ler Mais
17:16  -  03-09-2017
Ao futebol o que é do futebol (artigo de Aníbal Styliano, 32)
12:07  -  28-08-2017
Nem dependência nem subserviência (artigo de Aníbal Styliano, 31)
11:39  -  15-08-2017
Lendas que resistem a tudo (artigo de Aníbal Styliano, 29)
10:28  -  02-08-2017
Futebol: 2017, o Ano da grande vertigem e do assalto ao futuro (artigo de Aníbal Styliano, 28)
20:44  -  29-07-2017
Vítor Pereira assume nomeação na Grécia (artigo de Aníbal Styliano, 27)
12:23  -  22-07-2017
Fundos sem fundo (artigo de Aníbal Styliano, 26)
08:09  -  09-06-2017
Sem retorno (artigo de Aníbal Styliano, 24)
08:00  -  31-05-2017
Futebol coerente: Um golo eficiente (artigo de Aníbal Styliano, 23)
12:50  -  09-05-2017
Golo na própria baliza (artigo de Aníbal Styliano, 22)
21:29  -  30-04-2017
Do futebol para a nossa sociedade (artigo de Aníbal Styliano, 21)
11:43  -  26-04-2017
Futebol: Caos, guerra, indiferença ou dignidade? (artigo de Aníbal Styliano, 20)
15:53  -  21-04-2017
Aprisionar o futebol? Missão impossível! (artigo de Aníbal Styliano, 19)
21:32  -  15-04-2017
O dia em que o futebol foi esquecido (artigo de Aníbal Styliano, 18)
17:31  -  07-04-2017
«Futebol sem cartilhas» (artigo de Aníbal Styliano, 17)
23:54  -  23-03-2017
Nunca te esqueças (grita-nos a Memória do futebol) (artigo de Aníbal Styliano, 16)
21:39  -  16-03-2017
O indomável e imprevisível futebol (artigo de Aníbal Styliano, 15)
22:45  -  13-03-2017
Jogos que não se podem perder: o futebol ou vence ou é destruído! (artigo de Aníbal Styliano, 14)
00:04  -  28-02-2017
Football Talks e o equilíbrio da Pirâmide (artigo de Aníbal Styliano, 13)
16:49  -  23-02-2017
O que é a perfeição? (artigo de Aníbal Styliano, 12)
12:32  -  18-02-2017
Futebol, Sinais e Rumos (artigo de Aníbal Styliano, 11)
16:39  -  28-01-2017
O futebol como exemplo de liberdade (artigo de Aníbal Styliano, 10)
13:41  -  28-12-2016
Os maiores desafios ao futebol (artigo de Aníbal Styliano, 7)
18:15  -  08-11-2016
Futebol com inclusão ou imposição? (artigo de Aníbal Styliano, 4)
15:39  -  26-10-2016
Futebol - Uma outra face (artigo de Aníbal Styliano, 3)
16:54  -  28-09-2016
Formação de treinadores de futebol em Portugal (artigo de Aníbal Styliano, 2)
Comentários (2)

Destaques

ATENÇÃO: Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais