Traços fundamentais da cultura portuguesa (artigo de Manuel Sérgio, 200)

Ética no Desporto 03-07-2017 15:03
Por Manuel Sérgio
Tenho a honra de ser amigo e portanto beneficiar do convívio de dois dos mais penetrantes filósofos da cultura que me é dado conhecer, em língua portuguesa: Miguel Real e José Eduardo Franco. Hoje, quedo-me diante do livro de Miguel Real, Traços Fundamentais da Cultura Portuguesa (Planeta, Lisboa, 2017).

Não é frequente, entre nós, uma fidelidade racionalista e agnóstica, ao jeito dos iluministas franceses, coabitar com uma procura (racionalista ainda) da “essência identitária de Portugal”, já que o individual e o coletivo, o abstrato e o concreto emergem sempre de um todo, de um país, de um povo e exprimem-se numa determinada língua. E, assim, na cultura portuguesa, são diversas as facetas que lhe dão uma amplitude que está bem longe de poder reduzi-la à inteligência ou à fé, ao sentimento ou à razão, à religião ou à filosofia. Relembro, neste passo, o ensaio magistral (parece-me a palavra certa, para classificá-lo) de Miguel Real, Eduardo Lourenço e a Cultura Portuguesa (Quidnovi, 2008). Li este livro, com grande proveito e imenso deleite e nele colhi o seguinte: “(…) segundo Eduardo Lourenço, para que a cultura portuguesa conte no palco europeu tornava-se necessário ultrapassar o folclorismo e o exotismo dos nossos costumes e elevar os nossos olhos culturais a um nível universal, entendível por todos os povos. Para tal, uma absoluta condição é necessária – o diálogo com a Europa, esse diálogo que a nós e à Espanha vem faltando desde a instauração da Inquisição, na primeira metade do século XVI” (p. 23). Até que “a elevação do nível de vida das populações ao longo do século XX, a instauração de uma democracia europeia em 1974 e a participação de Portugal na Comunidade Europeia, a partir de 1980-1986 provaram que o que aparentemente se evidenciava como uma diferença de natureza cultural entre Portugal e a Europa Central constituía, afinal, uma mera diferença de grau evolutivo” (Miguel Real, Traços Fundamentais da Cultura Portuguesa, p. 48).

Do que venho de citar se infere que “se pela integração europeia Portugal cumpre o seu sonho político e cultural de 300 anos, desde o Marquês de Pombal, e se pela integração lusófona presta continuidade à sua história imperial, não agora como potência dominadora, apenas como par entre pares, é pela última vertente cultural, a da globalização informática, a da ciberdemocracia, a do aprofundamento e transparência das relações entre os cidadãos e entre estes e as instituições sociais, mormente o Estado, por via da comunicação eletrónica, que Portugal coabita verdadeiramente com a substância viva e cultural do presente, preparando o futuro de um modo mais aberto e tolerante. Se estas três vertentes se cumprirem em perfeição ao longo da primeira metade deste século, Portugal deixará de ser um país suspenso no tempo” Miguel Real, op. cit., p. 57). A propósito de “país suspenso no tempo”, Miguel Real adianta um texto seminal: “Um país suspenso no tempo é um país que não se realiza, habitando uma excitação mental vazia de estímulos de orgulho, para a qual um pequeno feito (a vitória num campeonato internacional de futebol, por exemplo) sabe a triunfo imorredoiro”. O que se passou, com os Mundiais de Hóquei em Patins, nas décadas de 40 e 50, em Portugal, ilustra bem o que o Miguel Real pretende dizer de um país norteado por catecismos inoperantes, porque dogmáticos, e portanto incapazes da criação de liberdade e democracia, de um diálogo estimulante e retificante - e até daquelas “contradições” que permitem, como “conditio sine qua non”, o desenvolvimento. Voltemos a Miguel Real: são três os absolutos culturais, que “suspendem Portugal no tempo, furtando-o à contingência da história”: proselitismo ortodoxo, à luz das valências teológicas do Concílio de Trento e dos imperativos da Inquisição; sebastianismo que afinal “consiste na criação, consolidação e cristalização mental de uma alucinação fantasmática primordial”, como Miguel Real o define, noutra obra sua, também emblemática, Nova Teoria do Sebastianismo); e quinto-imperialismo do Padre António Vieira, Fernando Pessoa e Agostinho da Silva.

Pede-se, hoje, à Filosofia, para que não pareça um sistema fechado e terminal, que prossiga no caminho da desconstrução, iniciado por Marx, Nietzsche e Freud. Os nossos absolutos culturais, verdadeira autobiografia da alma nacional, criam e sustentam as nossas quatro constantes culturais, que “não vivem umas sem as outras e complexificam-se na mente, na acção e no comportamento dos portugueses, sendo de grande dificuldade destrinçá-las e isolá-las, caracterizando cada uma por si” (Miguel Real, Traços Fundamentais da Cultura Portuguesa, p. 102). São estas, no entender de Miguel Real (um autor de grande rigor hermenêutico) as quatro constantes culturais: origem exemplar, corporizada por Viriato, um herói sem mácula, líder de um “povo singelo e singular que, não obstante a sua fragilidade militar, se torna vencedor das legiões do Império Romano”; a convicção de que, embora a nossa real e reconhecida insignificância, fomos uma “nação superior”, ao alargarmos a fé e o império e… podemos ser grandes de novo, se corporizarmos o “complexo vieirino, que nos determina a desejarmos mais do que nos pedem as forças e nos exigem as circunstâncias, pulsão social que orientou as caravelas portuguesas e enobrece liricamente o nosso estado de país fora da história real, suspenso no tempo”; a convicção de que somos também uma “nação inferior”, que deixou fundas sequelas que o Marquês de Pombal tentou erradicar (“desde a revolução liberal de 1820, todos os ímpetos modernistas portugueses têm nascido deste complexo cultural que eleva a Europa a destino e sentido de Portugal”); e, por fim, desde 1580 (data da perda da independência) até 1980 (data do acordo de pré-adesão à Comunidade Económica Europeia, passando simbolicamente pelo ano de 1890, data do Ultimatum britânico a Portugal) – desde 1580, irrompe um verdadeiro “canibalismo cultural”, 400 anos em que os portugueses, esquecendo o que de exaltante pode haver nas ideias alheias, descambaram em acerbas denúncias a qualquer nova doutrina emergente. Como no pirosismo e na estultícia salazaristas, para existir basta ter história.

E aconteceu mesmo a desconstrução, propugnada por Marx, Nietzsche e Freud, os “mestres da suspeita” e os seus inúmeros discípulos: Althusser, Foucault, Lacan, Derrida, Deleuze, etc., através de quatro visões políticas fundamentais: o mito europeu do progresso infinito; o mito do Portugal Imperial e da Lusofonia; o mito da estabilização das instituições permanentes da sociedade portuguesa; o mito da identidade histórica de Portugal. E o sonho da modernização europeia de Portugal, mais civilizacional que cultural, mais técnica (ao jeito de Nietzsche, o “pensador da técnica” segundo Heidegger) do que humanista, revela-se muito distante das utopias iniciais. E a Lusofonia, “como substituto do antigo mito heróico e glorioso dos Descobrimentos”; e as Forças Armadas profissionalizadas, abandonando a vinculação obrigatória dos jovens e aceitando o concurso das mulheres, nos seus quadros permanentes; e a Família, sujeita “a uma profunda subversão, perdendo o seu modelo masculino e patriarcal unicitarista, de autoridade vertical, abrindo-se a novas modalidades horizontais de composição” – manifestam isso mesmo. E Miguel Real acrescenta, para não nos deixarmos ficar no vago e no equívoco do “prima facie”. Diz ele: “Vivemos hoje no momento (dramático) da passagem de uma língua imperial, de codificação coimbrã, uma família tradicional e umas forças armadas populares (…) para uma língua lusófona que, como Eduardo Lourenço não se cansa de sublinhar, não é já só nossa, uma concepção plural da família e umas forças armadas profissionais e internacionais” (p. 116). A desconstrução fez-se e o sonho pombalino, iluminista cumpriu-se, na escolarização maciça, na consolidação demográfica em cidades litorâneas, em serviços de electricidade, água e esgotos, na imensa rede de auto-estradas e estradas nacionais, na atribuição do 13º e 14º meses, como subsídios de férias e de Natal, com um serviço nacional de saúde – enfim, com as condições necessárias e suficientes ao surgimento de uma sólida e ridente classe média.

“Tudo parecia estar bem, na economia, no Estado, na escola, na família… mas não estava” (p. 117). Portugal sabe, hoje, donde vem: da modernidade racional, isto é, do iluminismo, do positivismo, do cientismo, mas não sabe, nem descortina qual o seu futuro. Como a Europa, Portugal atravessa um “intervalo civilizacional” (p. 118). E Miguel Real, mais adiante, com o máximo de lucidez e de consciência, escreve: “o intervalo civilizacional que Portugal está a viver, neste princípio do século XXI, parece possuir três vertentes culturais do cruzamento das quais se tecerá o seu futuro: o aprofundamento da integração europeia a todos os níveis; o aprofundamento da integração lusófona a todos os níveis; o aprofundamento da integração na globalização informática” (p. 130). Tudo isto temperado afoitamente, pelo complexo vieirino, num júbilo desbordante de si; pelo complexo pombalino, ou seja, num fundo sentimento de capacidade e impotência; pelo complexo viriatino, num desejo imparável de exemplaridade ética; pelo canibalismo cultural português, bem expresso na onda de denegrimento, inveja e humilhação do outro. E Miguel Real termina, assim, este livro admirável e único, que aborda problemas básicos à compreensão, como José Eduardo Franco, o sapiente prefaciador o refere, do sentido do presente e do passado de Portugal: “Continuará Portugal um país culturalmente suspenso no tempo? Bastará a arquitectura de um Siza Vieira, o novo chip de uma Elvira Fortunato, um centro comercial, um CR7, para fazer um país novo? Ou existirão apenas para contentamento de uma elite política que assim se presume europeia?” (p. 236). No meu modesto entender, vivemos uma hora crepuscular, bem apetrechados de meios, mas estranhos à teorização e criação dos fins. Depois da morte de Deus e do Homem – onde estamos? Como o Judeu Errante, de novo condenados à Diáspora? O silêncio de Miguel Real (e é preciso saber ouvir o não-dito) convida-nos a mais uma aventura do pensamento.

O filósofo Miguel Real não dispensa nunca, nos seus escritos, a filosofia e com esta nota fundamental - tudo é história. Repito-me: tudo é história, dialeticamente, ou seja, nada permanece como foi. Desde as sociedades humanas até aos fenómenos naturais. Resta-nos mais uma desconstrução, rumo à transcendência, pois que há em nós um excesso de ser que nos segreda: “em todas as circunstâncias, és uma tarefa a realizar. Em todas as circunstâncias, podes ser sujeito e não objeto da história”. Por isso, parece-me oportuno (oportuníssimo) chamar à responsabilidade intelectuais e políticos, para que imitem gerações sucessivas de antepassados nossos, como a geração do liberalismo (ocorre-me, imediatamente, Garrett), ou a de 1870 (com os “vencidos da vida”) ou a de 1890 (onde pontificaram Jaime Cortesão, Raúl Proença, António Sérgio, Vieira de Almeida, Basílio Teles, Sampaio Bruno). É evidente que, durante o século XX, se encontram também figuras notáveis de pensadores, desde Joaquim de Carvalho, Vasco de Magalhães-Vilhena, Leonardo Coimbra, Álvaro Ribeiro e José Marinho, até Fernando Gil, Eduardo Lourenço. Manuel Antunes, Miguel Real e José Barata-Moura, passando por Delfim Santos, Agostinho da Silva, José Enes e Afonso Botelho . Enfim, todos eles pessoas de inapagável empenho interventor, de veemente atenção ao concreto. Outro tanto se exige das “consciências vigilantes” do nosso tempo: que transcendam, em boa parte, o legado recebido e, com a lógica possível e até com saudável irreverência, se empenhem na criação de um novo humanismo, que se entenda como o radical fundante de um mundo melhor, quero eu dizer: mais fraterno, mais justo e sem deixar nunca de pleitear, na vida pública, em favor da secularização da mensagem cristã. Num mundo que não cuida de saber o que uma pessoa é, mas o que tem, o livro de Miguel Real, Traços Fundamentais da Cultura Portuguesa (como afinal todos os seus livros) desperta em nós uma aptidão ao “mais humano” que, ao longo da sua leitura, se vai transformando em vocação. “Obrigado, Miguel Real!”. Digo eu, seu discípulo grato. E digo mais: “O meu Amigo, se vale pelo muito que escreveu, não vale menos pelo que significa”.

Manuel Sérgio é professor catedrático da Faculdade de Motricidade Humana e Provedor para a Ética no Desporto
Ler Mais
10:46  -  25-06-2017
A omnipresença do futebol (artigo de Manuel Sérgio, 199)
20:24  -  17-06-2017
Liderator: A Excelência no Desporto (artigo de Manuel Sérgio, 198)
23:26  -  12-06-2017
António Augusto da Silva Martins (artigo de Manuel Sérgio, 197)
14:11  -  05-06-2017
Voltaire (1694-1778) (artigo de Manuel Sérgio, 196)
12:53  -  30-05-2017
A Estrutura ou o Rui Vitória? (artigo de Manuel Sérgio, 195)
17:55  -  22-05-2017
Nuno Delgado: a coopetição (artigo de Manuel Sérgio, 194)
21:43  -  14-05-2017
Benfica: a Razão e a Fé (artigo de Manuel Sérgio 193)
16:18  -  09-05-2017
O Futebol tem Violência não é violento (artigo de Manuel Sérgio 192)
16:55  -  28-04-2017
A pós-verdade e… o futebol! (artigo de Manuel Sérgio, 191)
16:53  -  16-04-2017
“Violência e Futebol”: - um livro a reler (artigo de Manuel Sérgio, 190)
16:10  -  09-04-2017
De Platão até hoje… (artigo de Manuel Sérgio, 189)
15:57  -  02-04-2017
A Filosofia da Libertação e a alta competição desportiva (artigo de Manuel Sérgio, 188)
17:41  -  26-03-2017
Carta aberta ao Jorge Jesus (artigo de Manuel Sérgio, 187)
18:24  -  18-03-2017
É preciso fazer do Homem o futuro do Homem (artigo de Manuel Sérgio, 186)
17:22  -  05-03-2017
José Mourinho: espetáculo com eficácia (artigo de Manuel Sérgio, 185)
16:28  -  24-02-2017
Carlos Lopes: grande entre os grandes!(artigo de Manuel Sérgio, 184)
16:04  -  19-02-2017
«Tudo o que é excessivo é insignificante» (artigo de Manuel Sérgio, 183)
23:05  -  12-02-2017
Fernando Santos: Razão e Fé (artigo de Manuel Sérgio, 182)
12:34  -  08-02-2017
A Literacia Científica e a Compreensão do Futebol (artigo de Manuel Sérgio, 181)
16:18  -  31-01-2017
Aurélio Pereira: meu companheiro de jornada (artigo de Manuel Sérgio, 180)
14:42  -  26-01-2017
A Cidade do Futebol e o Dr. Fernando Gomes ((artigo de Manuel Sérgio, 179)
21:49  -  19-01-2017
Tudo é sistema (artigo de Manuel Sérgio, 178)
14:36  -  11-01-2017
O Desporto e o Homem Pós-Humano (artigo de Manuel Sérgio, 177)
15:12  -  05-01-2017
O futebol português de parabéns (artigo de Manuel Sérgio, 176)
19:06  -  30-12-2016
O corpo da mente e a mente do corpo (artigo de Manuel Sérgio, 175)
16:34  -  23-12-2016
Quando o amor era mais íntimo (artigo de Manuel Sérgio, 174)
20:38  -  12-12-2016
A Filosofia como fundamentação (artigo de Manuel Sérgio, 173)
16:28  -  01-12-2016
O Vítor Serpa e o José Peseiro, dois pós-modernos (artigo de Manuel Sérgio, 172)
18:49  -  25-11-2016
Para uma cultura desportiva (artigo de Manuel Sérgio, 171)
16:01  -  21-11-2016
A `epistemologia moral´ no Desporto (artigo de Manuel Sérgio, 170)
16:23  -  16-11-2016
O treinador Tuck e o Sacavenense (artigo de Manuel Sérgio, 169)
18:51  -  10-11-2016
Jorge Araújo: a paixão do saber (artigo de Manuel Sérgio, 168)
16:24  -  05-11-2016
Uma Coreografia de Pensamentos (artigo de Manuel Sérgio, 167)
16:07  -  25-10-2016
Ninguém ganha porque tem valor, tem valor porque ganha (artigo de Manuel Sérgio, 165)
11:38  -  30-09-2016
Filosofia do Desporto e Filosofia no Desporto (artigo de Manuel Sérgio, 162)
20:21  -  19-09-2016
97 anos de vida (artigo de Manuel Sérgio)
17:45  -  12-09-2016
Europa, Europa: a filosofia em teatro (artigo de Manuel Sérgio, 161)
20:26  -  08-09-2016
Jorge Jesus na idade da sofística (artigo de Manuel Sérgio, 160)
19:59  -  25-08-2016
O Desporto faz mal à saúde? (artigo de Manuel Sérgio, 158)
13:28  -  17-08-2016
O Desporto: intencionalidade e âmbito (artigo de Manuel Sérgio, 157)
15:32  -  05-08-2016
Mário Moniz Pereira: puramente desportista! (artigo de Manuel Sérgio, 155)
22:50  -  31-07-2016
Mário Moniz Pereira: o artista-treinador!
21:33  -  30-07-2016
Henrique Calisto e o livro do seu desassossego (artigo de Manuel Sérgio, 154)
19:27  -  25-07-2016
“Outro lado das coisas”: um livro de José Antunes de Sousa (artigo de Manuel Sérgio, 153)
18:45  -  21-07-2016
Hóquei em Patins: campeões europeus! (artigo de Manuel Sérgio, 152)
16:07  -  15-07-2016
Naturalmente religioso (artigo de Manuel Sérgio, 151)
16:05  -  11-07-2016
Viva Portugal! (artigo de Manuel Sérgio, 150)
19:57  -  01-07-2016
Quando as dificuldades são possibilidades (artigo de Manuel Sérgio, 149)
15:42  -  26-06-2016
Portugal-Croácia: - uma vitória inesquecível! (artigo de Manuel Sérgio, 148)
21:23  -  22-06-2016
Um sistema é relação (artigo de Manuel Sérgio, 147)
17:06  -  16-06-2016
A propósito do Euro-2016 (artigo de Manuel Sérgio, 146)
19:27  -  09-06-2016
Celebrar Portugal, através do futebol (artigo de Manuel Sérgio, 145)
17:44  -  05-06-2016
Para um novo comentador desportivo (artigo de Manuel Sérgio, 144)
17:33  -  22-05-2016
Carta Aberta a Luís Filipe Vieira (artigo de Manuel Sérgio, 142)
16:35  -  09-05-2016
Mais uma idade da sofística? (artigo de Manuel Sérgio, 140)
17:48  -  03-05-2016
Carta Aberta ao Dr. Rui Gomes da Silva (artigo de Manuel Sérgio, 139)
17:24  -  25-04-2016
“O Homem Que Não Tinha Idade”: um romance de Fernando Correia (artigo de Manuel Sérgio, 138)
19:42  -  19-04-2016
Pinto da Costa num tempo adverso (artigo de Manuel Sérgio, 137)
17:01  -  13-04-2016
O Desporto como Ciência e como Filosofia (artigo de Manuel Sérgio, 136)
19:28  -  07-04-2016
Mário Moniz Pereira - o poeta do desporto! (artigo de Manuel Sérgio, 135)
15:33  -  01-04-2016
O Desporto: uma indústria de milhões! (artigo de Manuel Sérgio, 134)
16:04  -  29-03-2016
É preciso passar da religião à fé (artigo de Manuel Sérgio, 133)
17:09  -  15-03-2016
Os 35 anos do `JL´ (artigo de Manuel Sérgio, 131)
17:30  -  10-03-2016
Carta Aberta ao Rui Vitória (artigo de Manuel Sérgio, 130)
18:14  -  07-03-2016
Carta Aberta ao Lindelof (artigo de Manuel Sérgio, 129)
22:25  -  27-02-2016
Ilya Prigogine ou as potencialidades da matéria (artigo de Manuel Sérgio, 128)
21:01  -  21-02-2016
Alguns ligeiros pensamentos sobre o futebol (artigo de Manuel Sérgio, 127)
23:18  -  14-02-2016
Benfica–Porto: não há rendimento sem eficácia (artigo de Manuel Sérgio, 126)
17:01  -  08-02-2016
Gaston Bachelard: o novo espírito científico (artigo de Manuel Sérgio, 125)
17:00  -  01-02-2016
O especialista e o leigo, em futebol (artigo de Manuel Sérgio, 124)
23:27  -  25-01-2016
Desporto e Humanismo Contemporâneo (artigo de Manuel Sérgio, 123)
20:01  -  04-01-2016
O Mito e a Alta Competição Desportiva (artigo de Manuel Sérgio, 120)
20:42  -  28-12-2015
A propósito de Paulo Freire e Blondel e Sartre (artigo de Manuel Sérgio, 119)
16:32  -  20-12-2015
Quando uma criança nasce… (artigo de Manuel Sérgio, 118)
16:53  -  16-12-2015
Fernando Medina ou o processo da decisão política (artigo de Manuel Sérgio, 117)
16:59  -  09-12-2015
Há uma comunidade científica no desporto português? (artigo de Manuel Sérgio, 116)
16:44  -  29-11-2015
Sem poesia, não há ciência (artigo de Manuel Sérgio, 115)
16:46  -  23-11-2015
A crise da esperança (artigo de Manuel Sérgio, 114)
16:39  -  15-11-2015
Lutaremos, meu Amor (artigo de Manuel Sérgio, 113)
23:44  -  08-11-2015
Jogar com os afetos (artigo de Manuel Sérgio, 112)
19:27  -  02-11-2015
Luís Filipe Vieira: ou um Benfica que enternece e cativa (artigo de Manuel Sérgio, 111)
16:24  -  26-10-2015
O último Benfica-Sporting e o novo campeão nacional (artigo de Manuel Sérgio, 110)
17:14  -  20-10-2015
A coisa mais importante das coisas pouco importantes (artigo de Manuel Sérgio, 109)
15:42  -  13-10-2015
Desporto e Humanismo ou o valor da transcendência (artigo de Manuel Sérgio, 108)
16:25  -  06-10-2015
Os treinadores portugueses no futebol internacional (artigo de Manuel Sérgio, 107)
23:13  -  29-09-2015
João Paulo S. Medina: - o “intelectual” do futebol brasileiro (artigo de Manuel Sérgio, 106)
00:04  -  23-09-2015
O último Porto-Benfica ou da biologia à cultura (artigo de Manuel Sérgio, 105)
18:11  -  15-09-2015
“Quem somos nós?” - a resposta do Desporto (artigo de Manuel Sérgio, 104)
18:20  -  08-09-2015
Joel Rocha – o “Mourinho” do futsal (artigo de Manuel Sérgio, 103)
18:35  -  02-09-2015
A História de Sísifo (artigo de Manuel Sérgio, 102)
17:34  -  28-08-2015
O mais relevante nem sempre é o mais mensurável (artigo de Manuel Sérgio, 101)
17:55  -  14-08-2015
Jorge Jesus: - o sublime iletrado! (artigo de Manuel Sérgio, 99)
18:54  -  07-08-2015
O que em mim sente está pensando (artigo de Manuel Sérgio, 98)
16:55  -  31-07-2015
A Cultura do Clube (artigo de Manuel Sérgio, 97)
21:45  -  21-07-2015
Do Jogo ao Desporto em Bourdieu e... não só (artigo de Manuel Sérgio, 96)
23:57  -  16-07-2015
Carta a Eugénio Lisboa (artigo de Manuel Sérgio, 95)
00:32  -  10-07-2015
António Simões: - o irmão branco do Eusébio (artigo de Manuel Sérgio, 94)
17:31  -  04-07-2015
Jorge Jesus ou a homeostasia organizacional (artigo de Manuel Sérgio, 93)
23:50  -  15-06-2015
No Benfica: estrutura ou carisma? (artigo de Manuel Sérgio, 90)
22:37  -  10-06-2015
Feyerabend e Ricardo Serrado no estudo de Lionel Messi (artigo de Manuel Sérgio, 89)
22:50  -  26-05-2015
Mais importante do que ter sucesso é ter valor! (artigo de Manuel Sérgio, 86)
00:30  -  23-05-2015
José Mourinho ou as razões da sua diferença (artigo de Manuel Sérgio, 85)
16:42  -  18-05-2015
É preciso, imperioso e urgente a continuação de J.J., no Benfica (artigo de Manuel Sérgio, 84)
18:16  -  10-05-2015
Roberto Carneiro: retrato de um ministro que eu conheci (artigo de Manuel Sérgio, 83)
16:30  -  01-05-2015
O empréstimo de jogadores é compatível com a ética? (artigo de Manuel Sérgio, 82)
16:54  -  20-04-2015
José Mourinho: por que será?... (artigo de Manuel Sérgio, 81)
17:17  -  14-04-2015
O Progresso Desportivo: - o que é isso? (artigo de Manuel Sérgio, 80)
19:15  -  07-04-2015
Mourinho escreve prefácio de livro de Manuel Sérgio, «O Futebol e Eu»
23:31  -  06-04-2015
O jornal “ A Bola” - desporto e humanismo (artigo de Manuel Sérgio, 79)
22:47  -  01-04-2015
Jorge Carlos Fonseca: o Presidente da República que é poeta (artigo de Manuel Sérgio, 78)
21:47  -  25-03-2015
Qual o fundamento radical na arbitragem? (artigo de Manuel Sérgio, 77)
16:34  -  21-03-2015
A Gestão do Desporto, segundo Gustavo Pires (artigo de Manuel Sérgio, 76)
16:40  -  13-03-2015
O Futebol é Anamnese... mesmo com Luís Figo? (artigo de Manuel Sérgio, 75)
17:47  -  07-03-2015
Ao Povo-Irmão de Cabo Verde (artigo de Manuel Sérgio, 74)
21:14  -  19-02-2015
“Cândido de Oliveira” - um livro inesquecível de Homero Serpa (artigo de Manuel Sérgio, 73)
21:10  -  12-02-2015
Só com os mesmos valores o diálogo é possível (artigo de Manuel Sérgio, 72)
17:04  -  08-02-2015
O modelo racionalista do jornal A Bola (artigo de Manuel Sérgio, 71)
16:32  -  01-02-2015
“A Bola”: uma práxis que é preciso manter (artigo de Manuel Sérgio, 70)
19:14  -  28-01-2015
Manuel Alegre: - um semeador de poesia (artigo de Manuel Sérgio, 69)
18:29  -  22-01-2015
Libertar o Direito e o Desporto ou um ensaio do Prof. Paulo Cunha (artigo de Manuel Sérgio, 68)
16:24  -  18-01-2015
A desparasitação do futebol ou a dupla Pinto da Costa-Pedroto (artigo de Manuel Sérgio, 67)
18:18  -  15-01-2015
O Desporto tem violência: - não é violento! (artigo de Manuel Sérgio, artigo 66)
17:57  -  10-01-2015
A “Arte da Guerra” no treinador Rui Vitória (artigo de Manuel Sérgio, 65)
00:17  -  07-01-2015
José Maria Pedroto: o conhecimento... (artigo de Manuel Sérgio, 64)
23:31  -  31-12-2014
Feliz Ano Novo ao Desporto Português (artigo de Manuel Sérgio, 63)
17:32  -  24-12-2014
A grande revolução de Jesus na Vida e... no Desporto! (artigo de Manuel Sérgio, 62)
17:53  -  20-12-2014
História e Filosofia das Ciências, no Desporto e... no Benfica! (artigo de Manuel Sérgio, 61)
22:56  -  17-12-2014
Uma resposta breve a Miguel Cardoso Pereira (artigo de Manuel Sérgio, 60)
18:57  -  11-12-2014
Desporto e Desenvolvimento ou um livro de Gustavo Pires (artigo de Manuel Sérgio, 59)
18:36  -  04-12-2014
Nossos contemporâneos (artigo de Manuel Sérgio, 58)
18:19  -  27-11-2014
Da Desconfiança à Solidariedade em Pinto da Costa e Filipe Vieira (artigo de Manuel Sérgio, 57)
23:19  -  20-11-2014
As incertezas da ciência (artigo de Manuel Sérgio, 56)
16:18  -  16-11-2014
O engenheiro Fernando Santos: - o mesmo e o diferente (artigo de Manuel Sérgio, 55)
18:39  -  11-11-2014
Ou interdisciplinaridade ou ignorância (artigo de Manuel Sérgio, 54)
10:25  -  08-11-2014
Carta Aberta ao Presidente da República de Cabo Verde (artigo de Manuel Sérgio, 53)
17:43  -  30-10-2014
Rui Jorge: e o treinador do Futuro (artigo de Manuel Sérgio, 52)
15:56  -  23-10-2014
O engenheiro Fernando Santos: o ser e o tempo (artigo de Manuel Sérgio, 51)
19:34  -  16-10-2014
O preparo físico dos nossos jogadores de futebol, 2.ª parte (artigo de Manuel Sérgio, 50)
17:38  -  11-10-2014
O preparo físico dos nossos jogadores de futebol (1) (artigo de Manuel Sérgio, 49)
22:14  -  03-10-2014
Eduardo Monteiro: perfil de um dirigente! (artigo de Manuel Sérgio, 48)
17:55  -  28-09-2014
A propósito do engenheiro Fernando Santos (artigo de Manuel Sérgio, 47)
16:47  -  22-09-2014
O campeão observado a dois ângulos de visão (artigo de Manuel Sérgio, 46)
00:24  -  18-09-2014
Há falta de treinadores negros (artigo de Manuel Sérgio, 45)
01:06  -  13-09-2014
Valdano: um homem que transporta uma frustração (artigo de Manuel Sérgio, 44)
18:39  -  08-09-2014
A grande revolução a fazer no futebol (artigo de Manuel Sérgio, 43)
18:36  -  03-09-2014
Mais Platão, menos Prozac! (Artigo de Manuel Sérgio, 42)
14:57  -  28-08-2014
Fiel ao Belenenses e... aos amigos! (artigo de Manuel Sérgio, 41)
18:38  -  17-08-2014
O Deus dos filósofos e os deuses do futebol (artigo de Manuel Sérgio, 40)
18:34  -  10-08-2014
O olho das rãs e o futebol (artigo de Manuel Sérgio, 39)
21:47  -  04-08-2014
“Francisco de Assis e Franscisco de Roma” - mais um livro de Leonardo Boff (artigo Manuel Sérgio, 38)
16:52  -  26-07-2014
“Preparar para Ganhar”: um livro de José Neto (artigo Manuel Sérgio, 37)
22:24  -  15-07-2014
O Futebol na Sociedade Pós-Capitalista ou a vitória da Alemanha (artigo Manuel Sérgio, 36)
00:43  -  07-07-2014
Código de Ética Desportiva (artigo Manuel Sérgio, 35)
16:35  -  02-07-2014
A Literatura e o Desporto: a propósito de Sophia (artigo Manuel Sérgio, 34)
20:53  -  27-06-2014
O Futebol e os Escritores (artigo Manuel Sérgio, 33)
22:45  -  22-06-2014
As dúvidas do Doutor Eduardo Barroso: as dele e as minhas! (artigo Manuel Sérgio, 32)
16:17  -  08-06-2014
Carta Aberta ao Ministro do Desporto do Brasil (artigo Manuel Sérgio, 31)
18:08  -  01-06-2014
Da poesia ao futebol (artigo Manuel Sérgio, 30)
18:57  -  27-05-2014
Factos e valores (artigo Manuel Sérgio, 29)
18:50  -  19-05-2014
Parabéns ao Benfica: na vitória e na derrota (artigo Manuel Sérgio, 28)
16:35  -  12-05-2014
Marco Silva: um grande treinador, com toda a certeza! (artigo Manuel Sérgio, 27)
21:07  -  01-05-2014
A grande revolução de Jesus ou o mundo que o desporto não tem (artigo Manuel Sérgio, 26)
00:52  -  24-04-2014
O 25 de Abril e o Futebol Português (artigo Manuel Sérgio, 25)
18:33  -  11-04-2014
Os mitos fundadores da Modernidade (artigo Manuel Sérgio 24)
23:56  -  06-04-2014
Os cem anos da FPF: em Portugal também há progresso? (artigo Manuel Sérgio 23)
20:01  -  30-03-2014
Nova Teoria do Sebastiano e o Futebol Português (artigo Manuel Sérgio 22)
23:11  -  23-03-2014
José Medeiros Ferreira: o desportisra, o político, o intelectual (artigo Manuel Sérgio 21)
17:26  -  18-03-2014
Nossos contemporâneos (artigo Manuel Sérgio 20)
21:39  -  03-03-2014
Há necessidade de uma utopia (artigo Manuel Sérgio 19)
00:49  -  22-02-2014
“Filosofia e Futebol: troca de passes” - um livro de grande atualidade ( artigo Manuel Sérgio 18)
22:28  -  16-02-2014
A Inteligência Competitiva e o Espectáculo Desportivo (artigo Manuel Sérgio 17)
18:50  -  12-02-2014
Plano Nacional de Ética no Desporto (artigo Manuel Sérgio 16)
21:08  -  02-02-2014
Porque sou belenenses... (artigo Manuel Sérgio 15)
00:04  -  28-01-2014
Aurélio Pereira ou um projeto antropológico (artigo Manuel Sérgio 14)
00:19  -  23-01-2014
O nome da rosa (artigo Manuel Sérgio 13)
00:11  -  15-01-2014
Cristiano Ronaldo: agilidade física ou intelectual? (artigo Manuel Sérgio 12)
00:38  -  13-01-2014
Eusébio tem lugar indiscutível no panteão nacional (artigo Manuel Sérgio 11)
23:59  -  03-01-2014
Ciência no Futebol e outras coisas mais... (artigo Manuel Sérgio 10)
00:04  -  30-12-2013
O Desporto nem sempre educa... (artigo de Manuel Sérgio 9)
00:37  -  23-12-2013
Carta Aberta aos jogadores do Bom Senso F.C. (artigo de Manuel Sérgio 8)
00:14  -  10-12-2013
Os golos do Ronaldo e a ética da palavra (artigo de Manuel Sérgio 7)
22:14  -  03-12-2013
Cristiano Ronaldo: - um herói da cultura! (artigo de Manuel Sérgio 6)
21:39  -  20-11-2013
Os erros dos árbitros e os erros dos outros... (artigo de Manuel Sérgio 5)
11:56  -  28-10-2013
«O Desporto (o Futebol) não é violência» (artigo de Manuel Sérgio 4)
22:58  -  18-10-2013
«O Desporto e o Desafio do Sentido» (artigo de Manuel Sérgio 3)
22:45  -  06-10-2013
«O pensamento ético contemporâneo e o Desporto» (artigo de Manuel Sérgio 2)
18:40  -  27-09-2013
«O Desporto em que eu acredito» (artigo de Manuel Sérgio 1)
Comentários (0)

Últimas Notícias

ATENÇÃO: Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais