Os Reinados das Equipas na História da NBA (artigo de Eduardo Monteiro, 9)

Espaço Universidade 14-10-2016 00:31
A National Basketball Association (NBA) foi fundada em 1949, através da fusão das duas ligas de basquetebol existentes naquela altura, a Basketball Association of America (BAA) e a National Basketball League (NBL) que durante três anos andaram em disputa animada pela conquista de jogadores e público.

A NBL, que já funcionava há nove anos, tinha conquistado o mercado das pequenas cidades, enquanto a BAA, que só tinha surgido em 1946, actuava em recintos com maior capacidade para espectadores como o Boston Garden, na cidade de Boston e o Madison Square Garden, em New York.

Por essa razão, a BAA começou a atrair muitos dos melhores jogadores das universidades e também algumas das equipas da liga rival. Entre as estrêlas daquela época, George Mikan era sem dúvida a maior atração e a mudança da sua equipa os Minneapolis Lakers para a BAA, foi decisiva para a aproximação entre as duas organizações do basquetebol profissional dos USA. No entanto, a NBA reinvidica a sua fundação, em 1946, alegando que a BAA é que liderou o processo da fusão, mantendo a sua sede em Nova Iorque e o seu “staff” directivo, incluindo o seu presidente Maurice Podoloff e acrescentava que a mudança do nome para NBA foi apenas para evitar possíveis complicações do ponto de vista legal.

Os representantes das duas ligas encontraram-se em Nova Yorque, no dia 3 de Agosto de 1949, e fundaram a National Basketball Association (NBA) constituída por 17 equipas (oriundas das duas ligas) que representavam, em simultâneo, pequenas e grandes cidades de todo o país. Durante os primeiros anos da década de 1950, o número de equipas foi diminuindo, assim como o de espectadores, até só restarem oito equipas na época de 1954-55: New York Knicks, Boston Celtics, Philadelphia Warriors, Minneapolis Lakers, Rochester Royals, Fort Wayne Pistons, Tri-Cities Blackhawks e Syracuse Nationals. Todas estas equipas ainda se mantêm na NBA, embora algumas delas tenham sido deslocadas das pequenas para as grandes cidades. No referido período os Minneapolis Lakers, liderados por George Mikan, (poste de enorme estatura para a época), venceram 5 campeonatos, em seis épocas, e deram origem ao primeiro reinado dentro da NBA.

Em 1954, a NBA introduziu a regra dos 24 segundos, como tempo limite de posse de bola e obrigatoriedade de lançamento ao cesto, tornando o jogo mais rápido, com mais lançamentos e mais divertido de se ver.

Entretanto o basquetebol começou a recuperar. Com o regresso dos espectadores e a sustentabilidade financeira do basquetebol profissional assegurada, seguiu-se uma progressiva expansão da modalidade nos anos seguintes. A contratação, em 1957, do poste Bill Russel (jogador muito ágil e bom defensor) pelos Boston Celtics, foi o passo decisivo para o início de um segundo período de desenvolvimento do basquetebol, de que também faziam parte o base Bob Cousy, o excelente lançador Frank Ramsey e o treinador Red Auerbach como grandes estrelas da companhia. Foram 11 campeonatos ganhos em 13 épocas (segundo reinado), no período final dos anos 50 e quase toda a década de 60, que ainda se mantem como recorde da NBA.

No referido período, registaram-se diversas mudanças de equipas para mercados maiores, tais como a ida dos Lakers para Los Angeles, dos Warriors para S.Francisco, dos Nationals para Philadelphia (76 ers) e dos Hawks para Atlanta. Para além destas alterações verificou-se a entrada de novas organizações: Chicago Bulls, Seattle Supersonics (Oklahoma City Thunder), San Diego Rockets (Houston Rockets), Milwaukee Bucks e Phoenix Suns, ou seja, a Liga expandiu-se de 8 para 14 equipas.

Em 1967, a NBA foi confrontada com a criação de outra liga, a American Basketball Association (ABA) tendo, a partir daí, as duas instituições entrado em permanente conflito de interesses. Independentemente, da contratação do melhor jogador universitário, do momento, Lew Alcindor (Kareem Abdul Jabbar), o então melhor marcador da NBA, de seu nome Rick Barry, transferiu-se para a ABA, assim como, quatro dos mais experientes árbitros. Entretanto, a ABA começou a recrutar algumas das grandes estrelas do basquetebol, entre as quais o famoso Julius Erving. A NBA não se deu por vencida e acrescentou à sua estrutura competitiva quatro novas formações: Portland Trail Blazers, Cleveland Cavaliers, Buffalo Braves (Los Angeles Clippers) e New Orleans Jazz (Utah Jazz), alcançando deste modo um total de 18 equipas. Esta situação, de confronto permanente, estava a penalizar financeiramente as duas instituições e também o processo de recrutamento de jogadores universitários, pelo que as duas ligas chegaram a um acordo que apontava para a manutenção da NBA e a inclusão das quatro melhores equipas da ABA: San Antonio Spurs, Denver Nuggets, Indiana Pacers e New York Nets, na liga mais prestigiada (NBA), aumentando assim o número total para 22 colectividades.

O que aconteceu foi que, embora a NBA estivesse apetrechada com grandes jogadores, a existência das duas ligas em simultâneo e a guerra sustentada entra elas, durante esse período, tinha provocado alguns estragos que afastaram o público do basquetebol dos pavilhões. Era necessário tomar medidas para inverter a situação desportiva e, por sua vez, resolver a financeira. O exemplo da aplicação da regra dos 3 pontos, utilizado pela extinta liga (ABA), foi adoptado e os resultados não se fizeram esperar. Coincidindo com a entrada em vigor da nova regra (1979), o recrutamento dos dois melhores jogadores universitários Larry Bird pelos Boston Celtics, e Magic Johnson pelos Los Angeles Lakers, desencadeou uma onda de entusiasmo a nível nacional e internacional, nunca visto no basquetebol. A rivalidade criada e muito bem alimentada pela comunicação social, entre estas duas estrelas do basquetebol norte-americano transformou o jogo no maior espectáculo desportivo do mundo, jogado em recintos cobertos. Magic liderou os Lakers na conquista de 5 títulos nacionais e Bird os Celtics na vitória em 3 campeonatos. Ao ciclo de vitórias destas duas grandes equipas, os Los Angeles Lakers e os Boston Celtics podemos designar por, o terceiro reinado da NBA. Contudo, relativamente aos ciclos anteriores, desta feita foram duas equipas que, através de alternâncias na liderança, que animaram o processo. Ora, isto foi óptimo para o basquetebol e para os adeptos.
No início da época de 80, a NBA aceitou a entrada de mais uma equipa (23ª), os Dallas Mavericks (campeão em 2011), cujo dono é, nem mais nem menos, Mark Cuban, um jovem milionário, simpático e controverso, figura carismática do actual programa televisivo “O Lago dos Tubarões”. Se, a toda esta animação desportiva, cultural e televisiva, acrescentarmos a chegada de Michael Jordan (campeão olímpico nos Jogos de Los Angeles) aos Chicago Bulls, em 1984, já podemos imaginar a expansão que o basquetebol teve, naquela época, à escala mundial: a nível escolar, universitário, federado e, até, nas próprias competições internacionais organizadas pela Federação Internacional de Basquetebol (FIBA). Nos anos de 1988 e 1989 mais quatro cidades aspirantes foram aceites na NBA, através dos seus representantes: Charlotte Hornets, Miami Heat, Orlando Magic e Minnesota Timberwolves, aumentando o número de equipas participantes para 27, expandindo a organização para novas zonas dos USA.

No final da década de 80 e, praticamente, em toda a de 90, assistiu-se a uma situação nada habitual, com as vitórias dos Detroit Pistons (1989 e 1990), Chicago Bulls (1991, 1992 e 1993), Houston Rockets (1994 e 1995) e novamente Chicago Bulls (1996, 1997 e 1998). Digamos que foi um ciclo inovador em matéria de arrecadação de títulos em que o reinado foi exercido pela equipa de Chicago, com início em 1991 até 1998, interrompido por 2 épocas (1994 e 1995) pelos Rockets coincidindo com o abandono, temporal, de Michael Jordan. A equipa de Detroit (bad boys) vencedora de dois campeonatos era liderada pelo espectacular base Isiah Thomas tendo como Head Coach o campeão olímpico Chuck Daly. A formação de Houston, também duplamente vencedora, era liderada pelo eficiente poste Hakeem Olajuwon e da qual fazia parte Mario Ellie (campeão nacional pela Ovarense) dirigida por outro treinador campeão olímpico Rudy Tomjanovich. Por sua vez, os Chicago Bulls com 6 títulos em 8 épocas, para além da criação de um novo reinado na história da NBA, consagrava Michael Jordan como o melhor jogador de sempre, integrado num colectivo em que pontificavam Scottie Pipen, Ron Harper, Dennis Rodman, Tony Kukoc, John Paxson, Bill Carwright, Steve Kerr e o seu carismático treinador Phil Jackson.

Com a entrada no novo milénio, a monarquia acabou com a implementação de uma república desportiva sob o domínio das equipas da Conferência do Oeste. Esta superioridade foi por demais evidente, com 12 títulos conquistados contra apenas 6 do Este. Os grandes intérpretes desta superioridade foram as formações dos Los Angeles Lakers, da California (2000,2001,2002,2009,2010) e dos San Antonio Spurs, do Texas (1999,2003,2005,2007,2014) que arrecadaram 5 títulos cada uma, com uma pequena ajuda dos Dallas Mavericks (2011) e Golden State Warriors (2015). Nos Lakers, Kobe Bryant liderou a equipa bem acompanhado nos três primeiros títulos por Shaquille O`Neal e nos dois últimos pelo espanhol Pau Gasol, sendo treinador o inconfundível Phil Jackson ( recordista da NBA em títulos conquistados). O líder dos Spurs foi Tim Duncan tendo a seu lado o francês Tony Parker e o argentino Manu Ginobili exercendo as funções de Head Coach o eterno Gregg Popovich (novo treinador olímpico dos USA).

Desta breve resenha do basquetebol americano sobressai em termos de conclusão que, na história do basquetebol profissional nos Estados Unidos e, particularmente na NBA, nenhuma equipa conseguiu ganhar o que quer que fosse baseada num único jogador ou mesmo em apenas dois. As equipas campeãs tiveram sempre três jogadores de grande nível competitivo conjugados com mais meia dúzia de classe acima da média. Foi assim, com George Mikan, com Bill Russel, com Magic Johnson, com Larry Bird, com Michael Jordan, com Kobe Bryant e com Tim Duncan.

Eduardo Monteiro é ex-treinador do SL Benfica e das Seleções Nacionais

Ler Mais
Comentários (2)

Destaques

ATENÇÃO: Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais